O direito é a capacidade de dizer não!

            No final de uma aula, cheguei ou chegamos, em sala, a uma conclusão meio inusitada, ou seja, a de que o direito não é uma regra simples ou uma simples relação entre indivíduos e regras jurídicas. De certo modo, mais do que uma afirmação de direitos, hoje em dia, o direito é o poder, a capacidade, a dignidade de se negar a obedecer a todas as formas de negação do que seja correto, reto. Muito mais do que dizer sim às regras, o direito é a afirmação de todas as formas de luta justas e legítimas. De modo bem simples:

O direito é a capacidade de dizer não!

Dizer não à vilania, à corrupção e ao que corrompe o próprio direito.

Diz-se que o direito é insistência em negar a negação dos direitos básicos do povo.

É ter condição de impor-se contra as normas ou ordens ilegais, imorais.

O direito é a força social capaz de dizer não ao autoritarismo de Estado e que se traveste de norma jurídica.

É a força moral necessária para impedir que as regras sociais sejam utilizadas, transformadas, injustamente, em normas jurídicas autocráticas.

É a capacidade de dizer não a tudo o que nega a mínima noção do que é certo, do que deve ser feito.

Mesmo sob o risco da tautologia: direito é o poder de dizer não ao que não é direito.

Direito é dizer não ao antidireito.

É poder ou se atrever a dizer não às ideologias neofascistas, à acomodação com as migalhas do poder.

É poder dizer sim ao direito e não à simples imposição do dever de obediência.

Direito é a manifestação coletiva dizendo não à tirania.

É dizer não ao servilismo, à troca de favores em que os privilégios, as leis privadas, substituem o direito reto, comum, justo.

Direito é a capacidade de indignação contra a negação da Justiça e diante da prática da injustiça.

Também é a revelação de que o individualismo é um tipo de antidireito, porque não há direito que não relacione; então, é óbvio, para que haja relação de direito é preciso mais agentes, atores e sujeitos.

Portanto, direito é dizer não à afirmação de que as soluções rápidas, práticas, pragmáticas são as mais celebradas.

Direito é a possibilidade de dizer não às mentiras mais comuns contadas em nome, exatamente, do direito: de que o direito é neutro, isento, correto por natureza.

É a convicção de que o direito nasce da conquista, da luta e não da outorga.

O direito não é um presente, não cai do céu, não vem no Natal com Papai Noel.

Enfim, ainda que seja uma ficção, como uma construção artificial da cultura, é preciso dizer não às fantasias e/ou ideologias que servem à dominação injusta, à opressão.

Direito é dizer sim à consciência do que deve ser feito em benefício da justiça comum.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria