A mobilização em prol da educação e da valorização deste trabalho fundamental ao desenvolvimento de uma nação que se pretende democrática tem atravessado fronteiras...

No Paraguai Os professores fazem grEve de fome após o governo negar reformas na educação[1]. Foi anunciado pela Confederação dos Educadores do ParaguaI com o intuito de pressionar o governo a adotar uma série de medidas como revisão de número de aulas, aumento salarial e concessão de benefícios trabalhistas. A carta constitucional paraguaia[2] prevê que o direito à educação tem como objetivo o pleno desenvolvimento da personalidade humana e da promoção da liberdade e da paz, a justiça social, a solidariedade, a cooperação e a integração dos povos, o respeito pelos direitos humanos e os princípios democráticos, a afirmação de compromisso com a pátria, dentre outros. Neste sentido a responsabilidade pela promoção é da sociedade, onde o Estado promoverá programas para sua implementação e desenvolvimento. Esta é uma obrigação e se não for constituída torna morta as letras da constituição.

E as reivindicações em terras brasileiras tem demonstrado uma luta constante dos profissionais que buscam tornar efetivo um direito constituído e a valorização do trabalho que significa em absoluto,  o crescimento da nação...

Recordando o pronunciamento  dos conselhos dados pelo Primeiro Ministro chines Wen Jiabao a Presidente da República,  em sua visita no início desse ano “(...) um país que quer crescer precisa produzir os melhores profissionais do mundo e isso só é possível quando o país investe no mínimo 5 vezes mais do que o Brasil tem investido hoje em educação, caso contrário, o país fica emperrado, aqueles que poderiam ser grandes profissionais, acabam perdidos no mercado de trabalho por falta da base que deveria prepara-los, com o tempo, é normal a mão de obra especializada passar a ser importada, o que vem ocorrendo a cada vez mais no Brasil, principalmente nos últimos 5 anos quando o país passou a crescer em passos mais largos.”

O que estamos a reinvindicar? Nada mais nada menos, que a efetivação da educação, como direito de todos e dever do Estado. O que se pretende? Garantir o desenvolvimento nacional, reduzir as desigualdades, promover o bem de todos, construir uma sociedade livre, justa e solidária…e isto não pode ser utopia!


Notas

[1] Opera Mundi. Notícias. Educação. Professores no Paraguai fazem greve de fome após governo negar reformas na educação. Disponível em < http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/30740/professores+no+paraguai+fazem+greve+de+fome+apos+governo+negar+reformas+na+educacao.shtml>. Acesso em 23 de ago de 2013.

[2] Constituição da República do Paraguay, art. 73.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria