A reforma política deve colocar fim ao instituto da reeleição e isso traz à tona um tema clássico: a rotatividade do poder (um substrato da República) como eficaz meio de controle ao uso/abusivo do poder. O controle do poder tem muitas formas e mecanismos, internos e externos, contudo, o mais sagrado é a separação dos poderes – e isto nos leva de volta na história.

Para definir sua Teoria da Separação dos Poderes, Montesquieu recorre ao constitucionalismo inglês (desde a Magna Carta, de 1215) e ao pensamento já formulado por Locke (1994). Não há uma Constituição Inglesa, nos moldes da brasileira e de tantas outras, mas há elementos escritos do constitucionalismo inglês:

  1. Todas as leis constitucionais (escritas) produzidas pelo parlamento.
  2. As decisões judiciais escritas (Common Law) e as interpretações e reinterpretações das leis promulgadas (Cases Law).
  3. Convenções constitucionais (acordos políticos efetuados no parlamento, como normas de organização e funcionamento do Estado, e separação das funções e dos poderes de Estado)[1].

A ideia-base da separação das funções e dos poderes de Estado é funcionar como contenção do poder supremo: dividir para controlar (ou dominar) e esta concepção de limitação do poder está inscrita na Magna Carta. A separação dos poderes, em paralelo à divisão de funções (próprias aos três poderes), floresceu com o advento da liberdade negativa:

2 – Concedemos também a todos os homens livres do reino, por nós e por nossos herdeiros, para todo o sempre, todas as liberdades abaixo enumeradas, para serem gozadas e usufruídas por eles e seus herdeiros [...] 39 – Nenhum homem livre será detido ou sujeito a prisão, ou privado de seus bens [...] senão mediante um julgamento regular pelos seus pares ou de harmonia com a lei do país[2] [...] Todos os direitos e liberdades, que concedemos e que reconhecemos enquanto for nosso o reino, serão igualmente reconhecidos por todos, clérigos e leigos, àqueles que deles dependem (Miranda, 1990, p. 13-16 – grifos nossos).

Ainda vimos que, na Magna Carta, a garantia do devido processo legal (due process of law) tinha aí sua bases no direito anglo-saxão. Depois, na sequência, houve A Petição de Direito (1628) e a fixação do princípio da anterioridade, a proibição das Cortes Marciais e o fim da prisão civil. Se bem que desde a Magna Carta o princípio da anterioridade já estava inscrito, proibindo-se, regulando-se a cobrança de tributos, ou seja, havendo regulação dos atos do Executivo pelo Legislativo. Seguida de A Lei de Habeas Corpus, de 1679, e A Declaração de Direitos (Bill of Rights), de 1689. Talvez neste último documento a separação de poderes (divisão de funções) esteja mais claramente definida:

1º. Que o pretenso poder do rei de suspender as leis ou a execução das leis, sem o consentimento do Parlamento, é ilegal; 2º. Que o pretenso poder do rei de dispensar da obediência às leis ou da execução das leis, usurpado e exercido nos últimos tempos, é ilegal [...] 5º. Que constitui direitos dos súditos o direito de petição perante o rei e que são ilegais todas as prisões e processos por causa do seu exercício [...] 8º. Que as eleições dos membros do Parlamento devem ser livres [...] 11º. Que os jurados devem ser escolhidos e os seus nomes dados a conhecer, por forma legal, e que os jurados incumbidos de julgamentos por alta traição devem ser proprietários livres (p. 23-24 – grifos nossos)[3].

A separação de poderes deve conter o abuso de poder e, em decorrência, as injustiças; portanto, é ilegal a faculdade de o Executivo dispensar o cumprimento das leis. Por fim, O Ato de Estabelecimento (1701) tratou das prerrogativas trazidas pelo Estado-Juiz e pelo Princípio do Juiz Natural: “7º. Que os juízes conservar-se-ão nos cargos quandiu se bene gesserint (em função do seu zelo) e perceberão vencimentos certos e fixados por lei mas poderão ser afastados por iniciativa de ambas as Câmaras de Parlamento” (Miranda, 1990, p. 27).

Na hierarquia de poderes, o Legislativo é o poder que aglutina a soberania do povo: “Não é o comissionamento, mas a autoridade que dá o direito de agir, e contra as leis não pode haver autoridade” (Locke, 1994, p. 210). Uma vez confiada a responsabilidade de gerir o Bem Público, ao Poder Executivo é conferido o poder discricionário:

Este poder de agir discricionariamente em vista do bem público na ausência de um dispositivo legal, e às vezes mesmo contra ele, é o que se chama de prerrogativa [...] o poder executivo guarda por isso uma certa liberdade para realizar muitos atos discricionários que não estão previstos na lei [...] Poucas leis estabelecidas serviam aos seus propósitos, e o discernimento e a cautela do governante supriam o resto (Locke, 1994, p. 182).

            Em Locke, o Poder Judiciário, ao contrário do que disporia Montesquieu – com total autonomia –, é um poder subordinado ou subsumido ao Poder Executivo:

Aqueles que estão reunidos de modo a formar um único corpo, com um sistema jurídico e judiciário com autoridade para decidir controvérsias entre eles e punir os ofensores, estão em sociedade civil uns com os outros; mas aqueles que não têm em comum nenhum direito de recurso, ou seja, sobre a terra, estão ainda no estado de natureza, onde cada um serve a si mesmo de juiz e de executor, o que é, como mostrei antes o perfeito estado de natureza” (Locke, 1994, pp. 132-133).

            A ordem civil, portanto, que antecipa a civilidade e a modernidade, decorre de um pacto muito mais expressivo, coletivo e definitivo. O pacto social que funda o governo civil, para Locke, obrigatoriamente retrata a formação dos poderes Judiciário e Legislativo. O governo civil, então, decorre de uma renúncia[4] e de uma anuência[5]: “Por isso, todas as vezes que um número qualquer de homens se unir em uma sociedade, ainda que cada um renuncie ao seu poder executivo da lei da natureza e o confie ao público, lá, e somente lá, existe uma sociedade política ou civil” (Locke, 1994, p. 134). Pode-se dizer, novamente, que este pacto civil será inaugural à modernidade: “Os homens passam assim do estado de natureza para aquele da comunidade civil, instituindo um juiz na terra com autoridade para dirimir todas as controvérsias e reparar as injúrias que possam ocorrer a qualquer membro da sociedade civil; este juiz é o legislativo, ou os magistrados por ele nomeados” (Locke, 1994, p. 134). Este pacto civil deveria prover mais segurança aos membros do grupo, assim como certa regularidade diante do poder. Na modernidade política, o pacto constitucional reafirmado pelo Estado de Direito assegurará a divisão ou separação (tripartite) das funções e dos poderes institucionais.


Bibliografia

LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o governo civil e outros escritos. Petrópolis-RJ : Vozes, 1994.

MIRANDA, Jorge. Textos históricos do Direito Constitucional. 2ª edição. Lisboa : Imprensa Nacional : Casa da Moeda, 1990.


Notas

[1] http://jus.com.br/artigos/5768/o-constitucionalismo-ingles.

[2] O Princípio da Legalidade.

[3] É evidente que se trata de imposição da Monarquia Constitucional.

[4] À soberania do direito natural.

[5] A adesão ao pacto social.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria