O trabalho tem como tema o instituto jurídico da desapropriação e sua coexistência com o direito constitucional à propriedade privada. Como explicar que a administração pública possa impor a perda da propriedade privada através da desapropriação?

O presente trabalho tem como tema o instituto jurídico da desapropriação e sua coexistência com o direito constitucional à propriedade privada. É cediço que o direito à propriedade privada é constitucionalmente garantido aos cidadãos que residem em território nacional. Este direito, entretanto, é mitigado pela própria lei maior, diante do estabelecimento do instituto da desapropriação. Trata-se, a desapropriação, de perda da propriedade privada  unilateralmente estabelecida pelo Estado. Como explicar que a administração pública possa impor a perda da propriedade de uma determinada pessoa? Como é possível que a própria constituição, que garantiu o direito à propriedade, traga também a possibilidade de que o estado possa despojar alguém de sua propriedade, por meio da desapropriação? Como os dois dispositivos constitucionais subsistem?


A PROPRIEDADE PRIVADA

O termo desapropriação notadamente está ligado à palavra propriedade. Para que seja iniciado o desenvolvimento do tema é importante que sejam tecidas algumas considerações sobre propriedade. O nosso ordenamento jurídico, mais especificamente o atual Código Civil, não define propriedade, apenas descreve o seu conteúdo, como demonstrado a seguir:       

 ART. 1.228, CC - O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.

A doutrina, por sua vez, trata de buscar definições para a propriedade a partir da descrição do código. Clóvis Beviláqua apresenta-a como: "o poder assegurado pelo grupo social à utilização dos bens da vida psíquica e moral".

De acordo com Caio Mario, tal definição não esclarece o conteúdo do fenômeno, apesar de se utilizar de formula elevada e formosa. Na relevante opinião do conceituado civilista, a propriedade mais se sente do que se define.

A respeitada professora Maria Helena Diniz, por sua vez, define propriedade como sendo  "o direito que a pessoa natural ou jurídica tem, dentro dos limites normativos, de usar, gozar e dispor de um bem, corpóreo ou incorpóreo, bem como de reivindica-lo de quem injustamente os detenha". A professora expõe, ainda, o seguinte:

“O direito de usar da coisa é o de tirar dela todos os serviços que pode prestar, dentro  das restrições legais, sem que haja modificação em sua substância.  O direito de gozar da coisa exterioriza-se na percepção dos seus frutos e na  utilização de seus produtos. É, portanto, o direito de explorá-la economicamente.  O direito de dispor da coisa é o poder de aliená-la a título oneroso ou gratuito, abrangendo o poder de consumi-la e o de gravá-la de ônus reais ou de submetê-la ao serviço de outrem. O direito de reivindicar a coisa é o poder que tem o proprietário de mover ação para obter o bem de quem injusta ou ilegitimamente o possua ou o detenha, em razão do seu direito de sequela.”

Orlando Gomes também sugere em sua obra uma conceituação à propriedade. Propõe a análise conjunta de alguns critérios, expondo que: 

“Sinteticamente, é de se defini-lo, com Windscheid, como a submissão de uma coisa,  em todas as suas relações, a uma pessoa. Analiticamente, o direito de usar, fruir e dispor de um bem, e de reavê-lo de quem injustamente o possua. Descritivamente, o direito complexo, absoluto, perpétuo e exclusivo, pelo qual uma coisa fica submetida à vontade de uma pessoa, com as limitações da lei.”

Na Constituição Federal de 88, o direito à propriedade encontra-se garantido no rol de direitos individuais do artigo 5º. Como todo direito individual, inclui-se nas cláusulas pétreas, ou seja, não pode ser alterado ou abolido por meio de emenda. Trata-se de garantia tão importante, que o próprio caput do referido artigo já faz menção a esse direito:

 ART. 5º, CAPUT, CF - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes. 

Os incisos XXII e XXII do artigo em comento, também se referem ao direito de propriedade trazendo em seus textos respectivamente: "E garantido o direito de propriedade" e "A propriedade atenderá a sua função social". 

A Carta Magna, ainda, faz menção ao direito de propriedade em seu art. 170, vejamos:

 ART. 170, CF - A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:

(...)

II. propriedade privada;

III. função social da propriedade privada

Verificando-se a grande importância atribuída ao direito de propriedade na nossa sociedade, sendo ele resguardado por meio de clausula pétrea da Constituição Federal, como explicar que a administração pública possa impor a perda da propriedade de uma determinada pessoa? Como é possível que a própria constituição, que garantiu o direito à propriedade, traga também a possibilidade de que o estado possa despojar alguém de sua propriedade, por meio da desapropriação? Como os dois dispositivos constitucionais subsistem?


DESAPROPRIAÇÃO

A desapropriação é um instituto do direito público, abordado e garantida pela Constituição Federal e regulado por normas administrativas, processuais e civis. Estudiosos atuais do direito civil como Caio Mario, Maria Helena Diniz e Carlos Roberto Gonçalves, classificam a desapropriação como um caso legal de perda da propriedade, fugindo assim da classificação dada por uma corrente mais antiga de civilistas como Ruggiero e Degni, e publicistas como zanabini e Filomusi-Guelf que classificavam a desapropriação como uma  restrição ao direito de propriedade.

Ocorre que com a desapropriação, a propriedade particular se transfere ao estado, fazendo com que determinada pessoa não mais tenha a propriedade em questão, ou seja, fazendo com que ela perca a propriedade, razão pela qual os civilistas anteriormente citados preferem qualificá-la como caso especial de sua perda.

Nas palavras de Caio Mario: "a sua consequência jurídica é a cessação da relação jurídica dominial para o dominus, e integração da res no acervo estatal."

O próprio Código Civil de 2002, traz em seu art 1275,V a desapropriação como uma hipótese de perda da propriedade, juntamente com alienação, renuncia, abandono e perecimento da coisa.

De forma genérica, a desapropriação consiste na transferência de propriedade de um particular para a administração pública, por meio de ato unilateral da segunda. Caio Mario da Silva Pereira, assim disserta acerca de desapropriação:

Importa ela numa transferência da propriedade, com a peculiaridade entretanto, de se não originar em ato espontâneo do dominus, nem na declaração dupla de vontade, do alienante e do adquirente. Ao revés, a desapropriação ou expropriação realiza mutação dominial compulsória e, segundo o conceito vulgarizado pode definir-se assim: ato pelo qual a autoridade publica competente, nos casos previstos pela ordem jurídica, determina a transferência da propriedade privada, no interesse da coletividade

De acordo com o jurista, portanto, a desapropriação não constitui um negocio jurídico, nem tampouco uma compra e venda, pois se constitui de ato forcado e unilateral. Seria a desapropriação, então, um ato de direito publico que gera o efeito da transferência do domínio.

Em Conceituação acertada e completa, levando em consideração tanto o prisma teórico quanto jurídico, Celso Antonio Bandeira de Mello assevera:

"Pode-se dizer que a desapropriação vem a ser o procedimento administrativo através do qual o poder publico, compulsoriamente, despoja alguém de uma propriedade e a adquire para si, mediante indenização, fundada em um interesse publico. A luz do direito positivo brasileiro, desapropriação se define como o procedimento através do qual o Poder Publico, compulsoriamente, por ato unilateral, despoja alguém de um bem certo, fundado em necessidade publica, utilidade publica ou interesse social, adquirindo-o mediante indenização previa e justa, pagável em dinheiro ou, se o sujeito passivo concordar, em títulos de divida publica com clausula de exata correção monetária, ressalvado a união o direito de desapropriar imovel rural que não esteja cumprindo sua função social através da reforma agrária" (CF/88, arts 5o, XXIV, 182,§§ 3º e 4º, III, 184, ,§§  1º a 5º, 185, I e II).


DESAPROPRIAÇÃO: UMA EXCEÇÃO AO PRINCÍPIO DA GARANTIA DA PROPRIEDADE PARTICULAR.

Como já salientado em linhas pretéritas, a nossa Carta Magna inclui o direito de propriedade já no caput do art. 5º, como sendo um direito individual que não pode ser modificado ou eliminado por meio de emenda a constituição. Por que então, a própria constituição permite que a Administração pública possa, de certa forma, "ferir" esse direito de propriedade por meio da desapropriação?

A explicação está no princípio da supremacia do interesse público. Este é um princípio basilar da Administração Pública, onde se sobrepõe o interesse da coletividade sobre o interesse do particular, o que não significa que os direitos deste não serão respeitados.

Sempre que houver confronto entre os interesses, há de prevalecer o coletivo. É o que ocorre no caso de desapropriação. Um bom exemplo seria o seguinte: Determinado imóvel deve ser disponibilizado para a construção de uma creche, surge o conflito entre o interesse do proprietário se conflita com o da coletividade que necessita dessa creche. Seguindo esse princípio e a lei, haverá sim a desapropriação, com a conseqüente indenização do particular (art. 5º, XXIV, CF/88).

Hely Lopes Meirelle define a desapropriação como um moderno e eficaz instrumento do qual o Estado se vale para a remoção de obstáculos para a realização de obras e serviços públicos. Salienta que este meio é também utilizado para propiciar a implantação de planos de urbanização, preservar o meio ambiente contra as devastações e poluições, bem como, realizar a justiça social, distribuindo os bens utilizados inadequadamente pela iniciativa privada.

Dessa forma, a desapropriação é uma forma conciliadora entre a função social da propriedade, que exige o uso compatível com o bem estar da coletividade, e a garantia da propriedade individual.


CONDIÇÕES E LIMITES DA DESAPROPRIAÇÃO

Tendo em vista que a desapropriação é medida que se manifesta mediante a relativização de um importante direito individual, a propriedade privada, em detrimento da supremacia do interesse público, é razoável que sejam estabelecidos critérios de ponderação. A constituição trata de limitar a desapropriação aos casos em que houver necessidade pública, utilidade pública ou interesse social. Além disso, ela deve ocorrer mediante indenização prévia e justa que deve ser paga em dinheiro, ressalvados os casos previstos na lei maior. 

 ART. 5º, XXIV, CF - A lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição.

O ato, portanto, como demonstra o artigo acima citado, deve ter fundamentação, ou seja, não pode ocorrer por simples arbítrio da administração.


NECESSIDADE PÚBLICA E UTILIDADE PÚBLICA

A Necessidade e a utilidade pública são os primeiros requisitos autorizadores do ato expropriatório em nosso país. Essas modalidades de desapropriação são reguladas pelo Decreto-Lei n. 3.365, de 21 de junho de 1941.

Alguns doutrinadores traçaram a diferença entre as duas modalidades. Um exemplo claro seria o do respeitável Seabra Fagundes, que costumava assinalar que existe necessidade pública "quando a Administração está diante de um problema inadiável e premente, isto é, que não pode ser removido, nem procrastinado, e para cuja solução é indispensável incorporar, no domínio do estado, o bem particular". A utilidade publica, por sua vez, se daria  "quando a utilização da propriedade é conveniente e vantajosa ao interesse coletivo, mas não constitui um imperativo irremovível"

Com o advento do citado decreto lei n. 3.365, no entanto, a distinção entre os casos de utilidade pública e necessidade pública acabou tornando-se um tanto quanto irrelevante, pois o decreto em questão trata das duas hipóteses exclusivamente sobre a rubrica "utilidade pública".

Surge então o seguinte questionamento: Mas o que seria considerado utilidade publica? Poderia o governo alegar utilidade publica quando bem entendesse necessário?

O Dec-Lei 3365, em seu artigo 5º, listou os casos de utilidade publica como sendo os seguintes: 

“A segurança nacional; a defesa do Estado; o socorro público em caso de calamidade; a salubridade pública; a criação e melhoramento de centros de população, seu abastecimento regular de meios de subsistência; o aproveitamento industrial das minas e das jazidas minerais, das águas e da energia hidráulica; a assistência pública, as obras de higiene e decoração, casas de saude, clínicas, estações de clima e fontes medicinais; a exploração ou a conservação dos serviços públicos; a abertura, conservação e melhoramento de vias ou logradouros públicos; a execução de planos de urbanização; o parcelamento do solo, com ou sem edificação, para sua melhor utilização econômica, higiênica ou estética; a construção ou ampliação de distritos industriais; o funcionamento dos meios de transporte coletivo; a preservação e conservação dos monumentos históricos e artísticos, isolados ou integrados em conjuntos urbanos ou rurais, bem como as medidas necessárias a manter-lhes e realçar-lhes os aspectos mais valiosos ou característicos e, ainda, a proteção de paisagens e locais particularmente dotados pela natureza; a preservação e a conservação adequada de arquivos, documentos e outros bens moveis de valor histórico ou artístico; a construção de edifícios públicos, monumentos comemorativos e cemitérios; a criação de estádios, aeródromos ou campos de pouso para aeronaves; a reedição ou divulgação de obra ou invento de natureza científica, artística ou literária; os demais casos previstos por leis especiais.”

Notadamente, a lei lista diversos casos em que caberia a alegação de utilidade pública, e nem todos os casos listados são totalmente fechados a uma situação unica, por exemplo, quando fala em segurança nacional, defesa do estado, caso de calamidade, entre outros, abre portas para que diversas situações sejam encaixadas nessas condições. Além disso, o decreto ainda autoriza que leis especiais possam prever mais casos de utilidade pública. Percebe-se com isso, que os administradores possuem grande abertura para declarar utilidade pública.


INTERESSE SOCIAL 

A desapropriação fundada no interesse social obedece a regime próprio, no entanto, explícito na própria Constituição, nos termos dos arts. 182 e 184.  Também está regularizada em outros diplomas normativos,  destacando-se a Lei n° 4.132/1962, que define os casos de desapropriação por interesse social e dispõe sobre sua aplicação; a Lei 8.629/93 que dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal e a Lei Complementar n° 76/93 que dispõe sobre o procedimento contraditório especial, de rito sumário, para o processo de desapropriação de imóvel rural, por interesse social, para fins de reforma agrária.

ART. 184, CF/88 - Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei.§ 1º - As benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em dinheiro.

§ 2º - O decreto que declarar o imóvel como de interesse social, para fins de reforma agrária, autoriza a União a propor a ação de desapropriação.

§ 3º - Cabe à lei complementar estabelecer procedimento contraditório especial, de rito sumário, para o processo judicial de desapropriação.

§ 4º - O orçamento fixará anualmente o volume total de títulos da dívida agrária, assim como o montante de recursos para atender ao programa de reforma agrária no exercício.

§ 5º - São isentas de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária.

Art. 186 - A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei, aos seguintes requisitos:

I - aproveitamento racional e adequado;

II - utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente;

III - observância das disposições que regulam as relações de trabalho;

IV - exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.

O que se verifica nessa modalidade de desapropriação é a concretização do princípio constitucional da prevalência do interesse público. Em outras palavras, entre o interesse particular, vislumbrado no direito de propriedade, e, o interesse social, caracterizado na reforma agrária, prevalece esse último, como forma de atender a função social da propriedade.

Segundo José dos Santos Carvalho Filho, o pressuposto do “interesse social” na desapropriação consiste nos casos em que mais se exalta a função social da propriedade.

O exemplo mais significativo é a reforma agrária, em que os bens improdutivos são desapropriados tendo em vista o fato de que não se adequam a sua função social. A garantia constitucional à propriedade (art. 5º, XII, CF) tem essa limitação em razão dos artigos 5º, XXIII e art. 170, III da Constituição Federal e no artigo 1128 do Código Civil. Em caso de descumprimento do papel da propriedade no meio social, é direito do Estado intervir na propriedade privada para sua atuação de acordo com o interesse público.  Assim como em utilidade publica, surge o questionamento: Mas o que considerar como interesse social? A lei n. 4.132/62, em seu art. 2o, nos da os casos de desapropriação por interesse social.

Art. 2º - Considera-se de interesse social: 

I - o aproveitamento de todo bem improdutivo ou explorado sem correspondência com as necessidades de habitação, trabalho e consumo dos centros de população a que deve ou possa suprir por seu destino econômico; 

II - a instalação ou a intensificação das culturas nas áreas em cuja exploração não se obedeça a plano de zoneamento agrícola, VETADO; 

III - o estabelecimento e a manutenção de colônias ou cooperativas de povoamento e trabalho agrícola:

IV - a manutenção de posseiros em terrenos urbanos onde, com a tolerância expressa ou tácita do proprietário, tenham construído sua habilitação, formando núcleos residenciais de mais de 10 (dez) famílias; 

V - a construção de casa populares;

VI - as terras e águas suscetíveis de valorização extraordinária, pela conclusão de obras e serviços públicos, notadamente de saneamento, portos, transporte, eletrificação armazenamento de água e irrigação, no caso em que não sejam ditas áreas socialmente aproveitadas;

VII - a proteção do solo e a preservação de cursos e mananciais de água e de reservas florestais.

VIII - a utilização de áreas, locais ou bens que, por suas características, sejam apropriados ao desenvolvimento de atividades turísticas. (Incluído pela Lei nº 6.513, de 20.12.77)

§ 1º O disposto no item I deste artigo só se aplicará nos casos de bens retirados de produção ou tratando-se de imóveis rurais cuja produção, por ineficientemente explorados, seja inferior à média da região, atendidas as condições naturais do seu solo e sua situação em relação aos mercados.

§ 2º As necessidades de habitação, trabalho e consumo serão apuradas anualmente segundo a conjuntura e condições econômicas locais, cabendo o seu estudo e verificação às autoridades encarregadas de velar pelo bem estar e pelo abastecimento das respectivas populações.


INDENIZAÇÃO PRÉVIA, JUSTA E EM DINHEIRO.

A Constituição Federal de 1988 garante que a desapropriação seja efetuada mediante prévia e justa indenização em dinheiro. A prévia indenização seria a obrigação da administração pública de pagar pelo preço do bem antes mesmo de adquiri-lo. O  legislador dispõe  no art.33, do Dec.-Lei 3.365/41, o significado  formal  do  que  é  indenização prévia (verbis):

Art.33.  O  depósito  do  preço fixado por sentença, à disposição do juiz  da  causa,  é  considerado  pagamento prévio da indenização. 

Já a indenização justa seria o pagamento do valor correspondente ao bem, dano emergente, lucro cessante, juros, honorários advocatícios, despesas judiciais e correção monetária. Nas palavras de Maria Helena Diniz:

Com a decretação da desapropriação, o expropriante oferece pelo bem um preço. Se o interessado aceitar essa oferta, concluída estará a expropriação. Contudo, se recusar, esse preço será fixado em juízo através de parecer técnico de perito nomeado pelo magistrado, sendo livre às partes indicar seus assistentes técnicos. Determinado o valor do bem, o expropriante deposita-o em juízo, passando a adquirir o bem, Pela demora no pagamento do preço da desapropriação no cabe indenização complementar, além de juros.


CONCLUSÃO

De acordo com o que foi exposto, conclui-se que o tema desapropriação é um tema muito complexo e nem de longe foi completamente esgotado no presente trabalho. Cumprido foi, porém, o objetivo de apresentar noções gerais do instituto e justificar a sua coexistência pacífica com o direito à propriedade privada constitucionalmente garantido.


FONTES

Diniz, Maria Helena / SARAIVA; Curso de Direito Civil Brasileiro - Vol. 4 - Direito Das Coisas - 25ª Ed. 2011

Pereira, Caio Mario da Silva / FORENSE; Instituições de Direito Civil Vol. IV - Direitos Reais - 19ª Edição 2006

Gonçalves, Carlos Roberto / Editora Saraiva; DIREITO CIVIL BRASILEIRO V5 - 8ª Edição 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria