A perda do emprego durante a entrada de um novo membro na família desestabiliza totalmente a estrutura familiar, está emenda vem com o intuito proteger as famílias para que esses tipos de caso ocorram.

I. Introdução

Ao elaborarmos uma proposta, devemos pensar em como ela irá beneficiar a população.

A paternidade é um momento de grande transformação na vida de um homem, assegurar que ele tenha condições de prover a seu filho segurança, conforto e saúde deve ser um dever do Estado.

A PEC 349/09, proposta pelo deputado Ricardo Benzoini, foi desenvolvida com o intuito de estender aos pais (homens casados ou que vivam em união estável) a estabilidade no emprego e, além disso, aumentar a licença paternidade que atualmente é de 5 dias.

 

II – Direitos já vigentes

A licença maternidade é assegurada pela Constituição Federal conforme Art. 7°:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

[...]

 XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias;

      No Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF o Art. 10 vem com o seguinte texto:

Art. 10. Até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o art. 7º, I, da Constituição:

I - fica limitada a proteção nele referida ao aumento, para quatro vezes, da porcentagem prevista no art. 6º, "caput" e § 1º, da Lei nº 5.107, de 13 de setembro de 1966;

II - fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa:

a) do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de prevenção de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato;

b) da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

A parte destacada por nós em negrito proíbe o empregador de dispensar a mulher que esteja em período de pré-natal e cinco meses após o nascimento da criança.

O Art. 392 da CLT também diz:

 Art. 392. A empregada gestante tem direito à licença-maternidade de 120 (cento e vinte) dias, sem prejuízo do emprego e do salário. (Redação dada pela Lei nº 10.421, 15.4.2002)

Já a licença paternidade é assegurada pela CF no Art. 7° inciso XIX com o seguinte texto “licença-paternidade, nos termos fixados em lei;”

No Art. 473 da CLT é instituído que:

 Art. 473 - O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário: (Redação dada pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)

  I - até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que, declarada em sua carteira de trabalho e previdência social, viva sob sua dependência econômica; (Inciso incluído pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)

        II - até 3 (três) dias consecutivos, em virtude de casamento; (Inciso incluído pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)

        III - por um dia, em caso de nascimento de filho no decorrer da primeira semana; (Inciso incluído pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)

A parte destacada por nós em negrito é o que estabelece a licença paternidade, dando o direito ao pai de se ausentar durante os cinco dias subsequentes ao nascimento do filho.

Ainda na CLT, no Art. 392 temos:

Art. 392-A. À empregada que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança será concedida licença-maternidade nos termos do art. 392. (Redação dada pela Lei nº 12.873, de 2013)

        [...]

§ 5o A adoção ou guarda judicial conjunta ensejará a concessão de licença-maternidade a apenas um dos adotantes ou guardiães empregado ou empregada. (Incluído pela Lei nº 12.873, de 2013)

[...]

Art. 392-B.  Em caso de morte da genitora, é assegurado ao cônjuge ou companheiro empregado o gozo de licença por todo o período da licença-maternidade ou pelo tempo restante a que teria direito a mãe, exceto no caso de falecimento do filho ou de seu abandono.  (Redação dada pela Lei nº 12.873, de 2013) (Vigência)

Art. 392-C. Aplica-se, no que couber, o disposto no art. 392-A e 392-B ao empregado que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção. (Incluído pela Lei nº 12.873, de 2013)

Nos itens “A” e “B” do Art. 392 fica expresso que no caso de adoção a mulher ou o homem tem direito de gozar a licença, no caso de casais, apenas um poderá tirar a licença.

 

III- Proposta de Emenda Constitucional 349/09

A PEC 349/09 tem o objetivo de atribuir uma eficiência aos incisos XVIII e XIX do art. 7º da Constituição Federal estendendo a estabilidade provisória no emprego para os pais biológicos e adotivos que estejam casados ou que vivam em união estável.

Se a emenda for aprovada, o pai terá direito a estabilidade no emprego desde a notificação da gravidez da esposa até 120 dias após o nascimento da criança. A proposta também pede a ampliação da licença-paternidade de 5 para 15 dias.

De acordo com dados estatísticos do IBGE, em 2012 o número percentual de famílias dependentes apenas da renda obtida pelo homem era cerca de 26,5%. Nesses casos a perda do emprego causaria transtornos ainda maiores para a família, pois a vinda de um novo membro requer estabilidade, "O que se pretende é a proteção da criança", afirma Benzoini.

 

IV - Conclusão

            A Proposta de Emenda Constitucional além de beneficiar durante e após o período gestacional, “poderá reduzir a discriminação de empregadores contra as mulheres”, que em diversos casos não são contratadas justamente por talvez virem a gozar de tais direitos.

Para as famílias em processo de adoção a emenda trará muito mais segurança, afinal é imprescindível que durante o processo ela tenha como comprovar que tem condições psicológicas, estruturais e financeiras para receber o novo membro da família.

Ter um filho é o sonho de milhares de pessoas, dar condições favoráveis para este projeto de vida é de suma importância para o desenvolvimento social da nação, por isso além das leis já vigentes é necessário que se faça um pouco mais para que as pessoas não precisem se privar de tal previlégio.

 

Referencias:

IBGE. Síntese de indicadores sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira 2013. Pag 08. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Sintese_de_Indicadores_Sociais_2013/pdf/familias_domicilios_pdf.pdf. Acesso em: 22 de mar. 2014.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 24 de mar. 2014.

DECRETO-LEI Nº 229, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967. Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acesso em: 24 mer. 2014.

CAMARA DOS DEPUTADOS. Direitos Humanos. PEC concede estabilidade provisória para pais biológicos e adotivos. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/135199-PEC-CONCEDE-ESTABILIDADE-PROVISORIA-PARA-PAIS-BIOLOGICOS-E-ADOTIVOS.html. Acesso em: 22 mar. 2014



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria