Embora os médicos aprendam desde os primeiros anos de estudo que a clinica é soberana, hoje, em função dos anseios da sociedade, esse paradigma vem sendo substituído pelo da medicina baseada em evidencias, mesmo assim, a clinica é fundamenta o diagnostico

A clinica realmente é soberana?

O médico tem sua formação profundamente relacionada à premissa: "a clínica é soberana"; no entanto, será que realmente essa ideia, que o orienta enquanto estudante, poderá ser colocada em pratica no dia a dia profissional?

A realidade enfrentada pelos médicos, na maioria dos casos, os obriga a deixar de lado os elementos colhidos na clinica, para fundamentar seus diagnósticos o em pareceres de exames (que, em tese seriam apenas complementares), assim, o ideal acadêmico de soberania da clinica abriu espaço para a medicina baseada em evidências.

A mudança de paradigma se deve a uma série de fatores, dentre eles ao expressivo aumento de reclamações perante os conselhos de classe e de ações judiciais (cíveis e criminais), em grande parte, sob o repetitivo rótulo de: Reclamação por Erro Médico ou Ação de Reparação de Danos por Erro Médico.

O chamado "erro médico" pode adquirir varias facetas, podendo ser interpretado por alguns (médicos) como a não utilização do "padrão ouro" para firmar o diagnostico ou para estabelecer a conduta, mas também podendo ser encarado como a simples falta de um pedido de exame.

Isso mesmo! A mera falta de exame vem sendo utilizada para fundamentar reclamações e pedidos de indenização, uma vez que na sociedade se formou a ideia de que é o exame que firma o diagnóstico, quando, na verdade, quem o faz é o médico, sendo o exame apenas um meio para complementar para sua suspeita.

O que muitos pacientes não observam é que o médico que elaborará o parecer anexo ao exame, executará apenas uma análise primária - sem anamnese ou contato com o histórico do paciente -, razão pela qual, sua conclusão será apenas uma opinião. Já o médico responsável pelo caso, com base no contato com o paciente e seu histórico, terá condições, em grande parte dos casos, de estabelecer o diagnostico, servindo o exame estritamente para complementar o entendimento formado pela assistência ao paciente.

Dessa forma, a clinica - que permanece soberana para a prestação da assistência médica - não é compreendida pela sociedade como fundamental e, diante dos processos ou ameaça de processos, não resta alternativa ao médico a não ser, atender ao anseio social e solicitar - como meio protetivo para sí - algum exame.

Obviamente, cada caso é orientado por suas particularidades, sendo evidente que certos exames em determinadas circunstâncias podem gerar mais problemas ao paciente (e ao médico), contudo, minha sugestão é no sentido de, quando não expor o paciente a risco e não confrontar o melhor padrão para o caso, atender ao anseio seu anseio e, assim, evitar reclamações junto ao conselho de classe, boletins de ocorrencia que podem se tornar inqueritos e processos criminais e pedidos de indenização por falha ou erro médico.


Autor

  • Francisco Tadeu Souza

    Advogado especialista em Direito Médico, graduado pela PUC/SP e pós graduado pela Faculdade de Medicina do ABC, atuante em defesa de médicos perante os conselhos de classe e em ações cíveis e penais que tratem de erro médico, bem como em ações de pacientes contra planos de saúde e contra o estado para obter medicamentos (importados, experimentais e de alto custo) e tratamentos médicos.<br><br>Autor do Blog Direito Médico:<br>https://www.facebook.com/blogdireitomedico<br>https://twitter.com/blogdireitomed<br>http://blogdireitomedico.blogspot.com.br/<br><br>

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Valter Silva

    Há apenas um detalhe, a MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS é CLÍNICA, porém, racionalizada por evidências científicas ao invés da simples opinião do especialista.

Livraria