Enfim, a internet representa a grande metáfora da condição humana... afinal todos querem se comunciar e serem aceitos... O texto analisa as tecnologias e suas consequências na educação.

As tecnologias e seus reflexos na educação

Questiona-se o papel da escola, da universidade neste contexto contemporâneo e tecnológico, por isso surgem novos desafios para enfrentar, o que nos impõe mudanças que vão desde a concepção de educação, aprendizagem, ensino, formação de professores até mesmo a definição de políticas que realmente garantam à democratização tecnológica além de uma perspectiva crítica sobre sua utilização.


A escola e a universidade precisam redimensionar sua prática enquanto local de produção do saber científico e tecnológico, tendo em vista o seu papel na preparação do cidadão para atender às novas exigências do mundo e do trabalho.

Convém lembrar que somente a formação de professor não resolve toda a complexidade da utilização das novas tecnologias.

Essa última década foi marcada pelo desenvolvimento acelerado e crescente das tecnologias e das comunicações provocando impactos em todos os setores da atividade humana.

As novas tecnologias tornaram-se, em pouco tempo, no principal meio de comunicação direta ou indireta entre as pessoas, sendo utilizadas de forma rotineira em instituições, empresas e outros locais de trabalho e na convivência humana.

Porém, não bastará equipar a escola no mais alto e sofisticado nível tecnológico, mas sim, haver meios de tirar o maior proveito de qualquer tecnologia no procedimento de ensino-aprendizagem.

Mesmo a tecnologia considerada como ultrapassada pode ter valor pedagógico e permitir aos professores e alunos que aprendam e ensinem de modo diferente.

Infelizmente o discurso oficial de inclusão tecnológica nos contextos educativos sempre aborda a questão pela natureza macro e apoiado em razões relacionadas com a modernização e o aumento de produtividade.

Percebe-se que o discurso não é pertinente com a prática, pois o governo de fato não disponibiliza os recursos para atender às reais necessidades.

A escola, como é fartamente sabido, carece de infraestrutura, instalações, material humano e principalmente engajamento metodológico.

A inserção efetiva das novas tecnologias na escola é justificada por razões culturais e psicológicas onde se percebe duas posições:

os que resistem, rejeitando ou agindo com indiferença sobre a entrada dessas ferramentas na área educacional;


e, os que aceitam e até incentivam as propostas mirabolantes da sociedade de consumo, acreditando que as tecnologias vão curar todos os males e solucionar o grande problema do atraso no setor educacional.

Seria então, uma panaceia, a deusa da cura, ou seja, o remédio para todos os males.

As atitudes de resistência e rejeição às novas tecnologias devem-se ao receio que sejam substituídos pela máquina. E, também ao receio que os alunos ultrapassem seus mestres por não dominarem a ferramenta tecnológica.

Essa insegurança dos docentes é infundada, pois há de se ter a preparação de professores abertos às inovações e que possam coloca-las a serviço da aprendizagem, principalmente do aprender a aprender.

Todos estes receios e incertezas trazem para a escola o debate interessante com os seguintes questionamentos:

  1. Deve a escola restar subordinada ao mercado simplesmente como mero instrumento de formação para o mundo produtivo?

(Ou seja: seria a escola uma fábrica de mão de obra qualificada?).

  1. Como deve a escola preparar dirigentes, professores e alunos para um mundo cada vez mais informatizado?

É claro que não pretendo responder a estes questionamentos mas apenas propiciar a reflexão e o entendimento mais profundo sobre as tecnologias.

A técnica não pode ser vista como artefato técnico meramente, mas como uma construção social, dialética em sua própria natureza.  A internet é em verdade uma grande metáfora sobre a condição humana.

A tecnologia não é mero acessório, mas também e principalmente objeto de conhecimento e instrumento necessário ao trabalho pedagógico para facilitar, diversificar e melhorar o nível de aprendizagem.

Pensar numa nova concepção de educação, de ensino e de aprendizagem é imperativo. Há de se superar o velhusco modelo tradicional de educação e se assumir o paradigma baseado em tecnologia que representa um processo interativo centrado no aluno.

Precisamos desmistificar o uso das novas tecnologias no sentido mercadológico para utilizá-lo num processo condizente com a realidade.

É necessária a imediata mudança do papel do professor que deve tornar-se um facilitador e, por outro lado, o aluno que deve tornar-se sujeito ativo perante o ensino-aprendizagem.

O facilitador de processos de desenvolvimento social tem a tarefa de compreender os sentimentos do grupo com o qual trabalha, e aceitá-los, construindo a partir deles.

 Essa é a maneira de se garantir a legitimidade da intervenção no desenvolvimento social. O facilitador tem sério compromisso e respeito começa a se manifestar pela aceitação do outro, da diversidade, criando um ambiente onde há liberdade de expressão e de pensamento.

Assim o facilitador propicia no mesmo ambiente o aparecimento de distintos atores que tragam a possibilidade de responder as questões e contribuir não só a resposta coletiva mas principalmente a edificação da identidade individual do aprendiz...

O lema do facilitador deve ser “Nada é mais perigoso que falar e ter razão. É preciso idolatrar o silêncio e a dúvida". Todorov[1].

A problematização é fundamental para redimensionar as novas práticas educacionais e promover a clara percepção do contexto político, social, econômico e histórico onde está inserida a escola e a universidade.

É indispensável reforçar a associação da teoria à prática estando aberto ao uso de inovações tecnológicas com especial ênfase aos projetos interdisciplinares.

É  enorme o deságio para os professores assumirem essa nova ação docente mediada pela tecnologia e, isso reside no fato de lidarem com alunos os quais já possuem conhecimentos tecnologicamente avançados e franco acesso ao universo de informações em múltiplos espaços virtuais e, outros alunos que se encontram em plena exclusão tecnológica sem oportunidade de vivenciar e aprender nesta nova realidade.

Garantir a inclusão tecnológica também é tarefa da educação que seja comprometida  na defesa do bem-estar, da cidadania e principalmente do desenvolvimento humano.

Também em face das novas tecnologias devemos atentar para a questão curricular que preocupa, principalmente por não prever formas alternativas e complementares de aprendizagem com pertinência com as novas exigências sociais.

É relevante pleitear por maior flexibilidade curricular, com perspectiva crítica e dinamizando as metodologias de ensino capazes de assumir nova concepção de ensinar e aprender.

A utilização de diferentes meios para desenvolver a ação educativa em face das novas tecnologias aponta que o professor é o profissional que irá orientar a aplicação e a avaliação crítica do uso das ferramentas tecnológicas, permitindo a construção do conhecimento na sociedade informatizada.

Lembremos aos pessimistas que quando surgira a televisão, preconizaram, na época, o fim do rádio, depois quando surgiu o videocassete, também novamente preconizaram o fim do cinema e do teatro, quando surgira o telex, preconizaram o fim do telegrama, quando surgira o e-book ou eletronic book, também preconizaram o fim do livro impresso...

Enfim, o “novo” sempre significou o fúnebre para o que já existia. Mas isso, não ocorreu. O “novo” não significa a morte do velho e nem a ruptura do tempo.

Só significa o aprimoramento, a evolução que também deve chegar à educação, aos educadores e, principalmente para toda a humanidade.

Quebrando o paradigma da pós-modernidade, ouso citar Heráclito de Éfeso, que viveu a 480 a.C., cuja principal e mais conhecida expressão grega era PANTA REI que significa tudo passa, tudo é móvel.

Heráclito utilizava-se da metáfora do rio: “Não é possível banhar-se no mesmo rio duas vezes.

As águas não são as mesmas, e nem nós seremos os mesmos.

Enfim, mudar é bom. Panta Rei.

Referências:

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido. Sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

VARGAS, Cláudio Pellini. Educação Líquida? Relato de uma experiência com método EAD numa leitura com Z. Bauman.

LEITE, Gisele. A família no Brasil. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/textosjuridicos/4264374

VEIGA-NETO, Alfredo. Educação e Pós-modernidade: impasses e perspectivas.

ESCUDERO, Andreia Perroni. Geração X: adultos infantilizados - uma análise do fenômeno.

BARRICHELLO, Língua S.F. Didática da Educação Superior: Saberes em destaque.

TEIXEIRA, Carlos Honorato. Os desafios da Educação pra as novas gerações: entendendo a Geração Y.  Revista Acadêmica Eletrônica Sumaré.

LIMA, João Francisco Lopes. A educação, a pós-modernidade e a crise de fundamentação do discurso pedagógico.

SANTOS NETO, Elydio; FRANCO, Edgar Silveira. Os professores e os desafios pedagógicos diante das novas gerações: considerações sobre o presente e o futuro. Revista de Educação do COGEIME, ano 19, n.36, janeiro/junho de 2010.


[1] Tzvetan Todorov é filósofo e linguista búlgaro radicado na França desde 1963 em Paris.


Autor

  • Gisele Leite

    Professora universitária por mais de duas décadas. Mestre em Direito, mestre em Filosofia. Doutora em Direito. Pesquisadora-Chefe do Instituto Nacional de Pesquisas Jurídicas. Articulista das revistas e sites jurídicos renomados. Consultora do IPAE.<br>

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria