A Lei de Arbitragem permite às partes que escolham livremente acerca do direito, material e processual, que virá a ser aplicado ao eventual litígio, podendo optar pela decisão por equidade ou ainda fazer com que a controvérsia seja decidida com fundamento

A instituição do procedimento arbitral

A Lei de Arbitragem permite às partes que essas escolham livremente acerca do direito, material e processual, que virá a ser aplicado ao eventual litígio, podendo optar pela decisão por equidade ou ainda fazer com que a controvérsia seja decidida com fundamento nos princípios gerais de direito, nos usos e costumes e nas regras internacionais do comércio, valorizando-se, dessa maneira, o princípio da autonomia da vontade das partes.

A arbitragem se consubstancia na autonomia da vontade das partes, que a ela se vinculam através da convenção de arbitragem, sendo sua instituição exigível judicialmente, por meio de tutela específica. À vontade das partes se submete, também, a escolha ou montagem do procedimento a ser seguido para obtenção da sentença arbitral e a lei aplicável ao caso, inclusive com a possibilidade de permitir a decisão por equidade, como dito anteriormente.

 Tal base consensual da arbitragem é o que permite um menor distanciamento da decisão a ser tomada em razão de um litígio decorrente da relação existente entre as partes, propiciando facilidades para o prosseguimento do relacionamento entre elas, bem como para o cumprimento voluntário da decisão[1].

Dois são os elementos da disciplina jurídica da arbitragem contemporânea a dar efetividade à autonomia da vontade, quais sejam, a irrevogabilidade unilateral da convenção arbitral e a possibilidade de se buscar judicialmente a instituição da arbitragem. Dessa maneira, no regime brasileiro, fundamental para dar efetividade à autonomia da vontade é a tutela específica disciplinada pelo artigo 7° da Lei de Arbitragem.

No que tangem aos instrumentos utilizados pelas partes para excluir a apreciação de uma questão do âmbito do Poder Judiciário, tem-se que esses são a cláusula compromissória e o compromisso arbitral, que possuem a denominação conjunta de convenção de arbitragem. Estabelece o artigo 3° da Lei de Arbitragem: “As partes podem submeter a solução de seus litígios ao juízo arbitral mediante convenção de arbitragem, assim entendida a cláusula compromissória e o compromisso arbitral”.

Segundo Carnelutti, a convenção arbitral não resolve nenhum conflito de interesse, mas apenas predispõe um modo para resolvê-lo[2].

De acordo com Elena Zucconi Galli Fonseca, que discorre acerca da utilização da convenção de arbitragem na Itália, essa deve ser tratada como um verdadeiro e próprio contrato, e não como um negócio processual, sendo um contrato obrigatório (no sentido de não ser dispositivo), o qual estabelece um objetivo comum para as partes, além de possuir efeito instrumental[3]. Ensina ainda que o pacto compromissório não constitui ato de iniciativa processual, visto que é apenas no momento de proposição da demanda perante o tribunal arbitral que a parte dá início ao mecanismo processual[4].

No ordenamento jurídico chileno, por sua vez, o instituto da arbitragem se divide em arbitragem obrigatória e voluntária. A fonte da arbitragem voluntária é a convenção de arbitragem, que se caracteriza por ser um acordo de vontades que deve produzir previamente entre as partes, subtraindo determinado assunto contencioso das jurisdições ordinárias e determinando a sua competência ao juízo arbitral[5].

Em virtude da estipulação de uma convenção de arbitragem, que surge a partir de um acordo de vontades, nascem duas obrigações, quais sejam, a obrigação de não fazer, que implica em não ingressar com pedido junto ao Poder Judiciário, e, por consequência, de fazer, que consiste em levar os conflitos à solução arbitral. Mister atentar ao fato de que a arbitragem não é obrigatória no ordenamento jurídico brasileiro, vez que ninguém pode ser compelido a se submeter à arbitragem, a qual só pode ser adotada em razão da vontade das partes (princípio da autonomia da vontade)[6]. Nesse sentido, decidiu o Tribunal de Justiça de São Paulo:

Sistema Financeiro Imobiliário – Ação revisional de contrato de venda e compra de imóvel com pedido liminar de manutenção de posse e suspensão da consolidação da propriedade em favor do credor fiduciário – Contrato firmado para a aquisição de imóvel pelo Sistema Financeiro Imobiliário, regido pela Lei 9.514/1997 – Existência de cláusula arbitral ou compromissória – Correta a extinção do feito com fundamento no art. 267, VII, do CPC. Recurso não provido, com observação. A cláusula compromissória ou arbitral é a espécie de convenção de arbitragem mediante a qual os contratantes se obrigam a submeter seus futuros e eventuais conflitos que possam surgir do contrato à solução arbitral, somente podendo ser adotada em razão da vontade das partes. Por tal razão, se e quando adotada, torna-se obrigatória e caso uma das partes resolva acionar o Judiciário, o juiz será obrigado a extinguir o Processo sem resolução do mérito, conforme ditam os arts. 267, VII, e 301, IX, do Código de Processo Civil (TJSP, 11º Câmara de Direito Privado, Apelação 7218265-7, Rel. Des. Gilberto dos Santos, j. 17.04.2008, grifos nossos).

A cláusula compromissória é um pacto através do qual os contratantes avençam, por escrito, submeter à arbitragem a solução de eventual litígio que possa decorrer de uma determinada relação jurídica, afastando a competência do juiz estatal[7].

O ponto que caracteriza uma cláusula compromissória, também chamada de cláusula arbitral, é o momento de seu surgimento: anterior à existência do conflito. Determina o artigo 4° da Lei de Arbitragem:

Art.4°. A cláusula compromissória é a convenção através da qual as partes em um contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a surgir, relativamente a tal contrato.

§1°. A cláusula compromissória deve ser estipulada por escrito, podendo estar inserta no próprio contrato ou em documento apartado que a ele se refira.

A lei convencionou em seu artigo 5º que o juízo arbitral pode ser instaurado sem que seja necessária a celebração de um compromisso arbitral, e dessa forma, a cláusula deixa de ser apenas um precontrato de compromisso. A cláusula pode ou não estar inserida no corpo de um contrato, e o litígio poderá ser contemporâneo ao contrato ou posterior a ele, situação esta em que a cláusula poderá ser convencionada por meio de troca de cartas, telegramas, mensagens eletrônicas.

A cláusula compromissória não é acessória ao contrato. É autônoma, sendo que a nulidade do contrato não implica em nulidade da cláusula arbitral, assim dispondo o artigo 8° da Lei de Arbitragem, e essa pode ser classificada em ‘cheia’ ou ‘vazia’.

Cláusula arbitral cheia é aquela que apresenta os requisitos mínimos para que se possa iniciar o procedimento arbitral. Dessa maneira, advindo a avença, as partes não necessitam firmar compromisso arbitral e qualquer delas pode dar início ao procedimento. Nesses termos, decidiu o Tribunal de Justiça de São Paulo:

Arbitragem – Compromisso Arbitral – Intervenção judicial – Desnecessidade – Cláusula compromissória estabelecida pelas partes do tipo ‘cheia’,, na qual os contratantes elegem o órgão arbitral e se obrigam a aceitar as normas por ele impostas, preexistentes e de pleno conhecimento dos envolvidos. Inaplicabilidade do art. 7° da Lei 9.307/1996” (TJSP) (RT 824/211).

           

Há duas espécies de cláusula arbitral cheia: (i) cláusula arbitral cheia por meio da qual as partes preveem todas as condições para a instalação do procedimento arbitral (artigo 10 da Lei n° 9.307/1996)[8]; e (ii) cláusula arbitral que faz referência a uma instituição especializada a qual já possui um regramento próprio para a instauração da arbitragem[9].

A cláusula arbitral vazia (ou em branco), por sua vez, é aquela em que as partes simplesmente se obrigam a submeter seus conflitos à arbitragem, sem estabelecer, todavia, as normas mínimas para o desenvolvimento da resolução arbitral e, tampouco, indicar o regramento de uma determinada instituição especializada. Neste caso, mister que as partes firmem um compromisso arbitral afim de assentar os requisitos do artigo 10 da Lei n° 9.307/1996, prescrevendo quem será o árbitro (ou árbitros), a matéria que será julgada e o lugar em que será prolatada a decisão.

Havendo discordância acerca da elaboração do compromisso arbitral, caberá execução específica da cláusula arbitral a ser realizada pela jurisdição estatal, nos termos dos artigos. 6° e 7° da Lei de Arbitragem:

Art. 6º Não havendo acordo prévio sobre a forma de instituir a arbitragem, a parte interessada manifestará à outra parte sua intenção de dar início à arbitragem, por via postal ou por outro meio qualquer de comunicação, mediante comprovação de recebimento, convocando-a para, em dia, hora e local certos, firmar o compromisso arbitral.

Parágrafo único. Não comparecendo a parte convocada ou, comparecendo, recusar-se a firmar o compromisso arbitral, poderá a outra parte propor a demanda de que trata o art. 7º desta Lei, perante o órgão do Poder Judiciário a que, originariamente, tocaria o julgamento da causa.

 

Art. 7º Existindo cláusula compromissória e havendo resistência quanto à instituição da arbitragem, poderá a parte interessada requerer a citação da outra parte para comparecer em juízo a fim de lavrar-se o compromisso, designando o juiz audiência especial para tal fim.

§ 1º O autor indicará, com precisão, o objeto da arbitragem, instruindo o pedido com o documento que contiver a cláusula compromissória.

§ 2º Comparecendo as partes à audiência, o juiz tentará, previamente, a conciliação acerca do litígio. Não obtendo sucesso, tentará o juiz conduzir as partes à celebração, de comum acordo, do compromisso arbitral.

§ 3º Não concordando as partes sobre os termos do compromisso, decidirá o juiz, após ouvir o réu, sobre seu conteúdo, na própria audiência ou no prazo de dez dias, respeitadas as disposições da cláusula compromissória e atendendo ao disposto nos arts. 10 e 21, § 2º, desta Lei.

§ 4º Se a cláusula compromissória nada dispuser sobre a nomeação de árbitros, caberá ao juiz, ouvidas as partes, estatuir a respeito, podendo nomear árbitro único para a solução do litígio.

§ 5º A ausência do autor, sem justo motivo, à audiência designada para a lavratura do compromisso arbitral, importará a extinção do processo sem julgamento de mérito.

§ 6º Não comparecendo o réu à audiência, caberá ao juiz, ouvido o autor, estatuir a respeito do conteúdo do compromisso, nomeando árbitro único.

§ 7º A sentença que julgar procedente o pedido valerá como compromisso arbitral.

Em síntese, a cláusula arbitral vazia exigirá, quando surgir avença relacionada à relação contratual existente, que as partes elaborem um compromisso arbitral, com a presença dos requisitos necessários, os quais estão dispostos no artigo 10 da Lei de Arbitragem, sob pena de execução específica da cláusula arbitral, com todos os empecilhos daí provenientes.

Já o compromisso arbitral é a convenção de arbitragem por meio da qual as partes pactuam que o conflito já existente entre elas será solucionado através de uma resolução arbitral.

Pode ser de duas espécies: (i) judicial, na media em que as partes decidem colocar termo no procedimento judicial em andamento e submeter o conflito à arbitragem; e (ii) extrajudicial, firmado depois do conflito, mas antes da propositura da ação judicial[10].

O compromisso arbitral possibilita que qualquer controvérsia decorrente de direitos patrimoniais disponíveis possa ser solucionada através da arbitragem, e não apenas as controvérsias contratuais.

Requer-se forma escrita: (i) por termo nos autos do compromisso arbitral judicial, elaborado no curso do processo, mediante o qual as partes se obrigam a encerrar o litígio judicial e resolver a demanda através de uma arbitragem; (ii) por documento particular, com duas testemunhas, ou por documento público, sem a necessidade de testemunhas, nos casos de compromisso arbitral extrajudicial.

Para que este compromisso surta efeitos, é necessário que em seu corpo haja a qualificação das partes (incluindo estado civil, que pode ser relevante para aferir a necessidade de participação do cônjuge no juízo arbitral, na hipótese de versar o litígio sobre bens imóveis, por exemplo), a qualificação dos árbitros ou a especificação da entidade que os indicará (o que demonstra que as partes poderão delegar a um órgão especializado ou não em arbitragem a indicação de árbitros), a matéria que será objeto da arbitragem, e o lugar em que será proferida a sentença.

Carlos Alberto Carmona, acerca do compromisso arbitral, afirma que “muito embora a Lei (art.10) não o diga – pois não era necessário – a ausência de algum dos elementos obrigatórios do compromisso poderá implicar sua nulidade”[11].

Existem ainda elementos facultativos que o compromisso arbitral pode conter, os quais possuem o escopo de facilitar, delimitar e orientar a tarefa do árbitro, como, por exemplo, o local ou locais em que se realizará a arbitragem. Não há obstáculos para que os atos processuais sejam desenvolvidos em locais diferentes. Em outros termos, a sede da arbitragem não precisa ser fixada obrigatoriamente no compromisso arbitral, mas apenas o lugar em que será prolatado o laudo.

Outras faculdades das partes são: (i) a autorização para que os árbitros julguem por equidade, isto é, possam vir a decidir sem utilizar-se das normas postas que incidiram na espécie, devendo, contudo, sempre observar a aplicação das normas de ordem pública; (ii) fixar prazo para apresentação do laudo (artigo 11 da Lei nº 9.307/1996), caso contrário, aplica-se o  prazo de 6 (seis) meses previsto no artigo 23; (iii) indicar lei ou regras corporativas aplicáveis à arbitragem, em sintonia com o que estabelecem os parágrafos 1º e 2º do artigo 2º da Lei n° 9.307/1996; (iv) a declaração da responsabilidade pelo pagamento dos honorários e despesas com a arbitragem.

Indispensável para a utilização do instituto em comento foi o julgamento realizado pelo Supremo Tribunal Federal no Agravo Regimental na Sentença Estrangeira n° 5.206-7 - Reino da Espanha. Buscava-se que o Poder Judiciário homologasse laudo arbitral estrangeiro que dirimiu conflito entre duas sociedades comerciais sobre direitos inquestionavelmente disponíveis, quais sejam, a existência e o montante de créditos a título de comissão por representação comercial de empresa brasileira no exterior.

Essas empresas firmaram um contrato arbitral, que já consubstanciava um compromisso, no qual as partes identificaram um conflito a ser solucionado pela via arbitral, aplicando o direito espanhol e elegendo árbitro único. Nesses termos, a Corte Suprema, diante do pedido de homologação da sentença estrangeira, teve de se manifestar acerca da constitucionalidade da arbitragem.

Decidiu o Supremo Tribunal Federal pela constitucionalidade da arbitragem, sendo essa sustentada em razão da voluntariedade do acordo bilateral mediante o qual as partes de determinada avença, embora podendo submeter o conflito dela decorrente à decisão do Poder Judiciário, optam por entregar a um terceiro particular a solução da lide, desde que essa, girando em torno de direitos privados disponíveis, pudesse igualmente ser composta por transição. Segue, assim, a ementa do julgado:

1.Sentença estrangeira: laudo arbitral que dirimiu conflito entre duas sociedades comerciais sobre direitos inquestionavelmente disponíveis - a existência e o montante de créditos a título de comissão por representação comercial de empresa brasileira no exterior: compromisso firmado pela requerida que, neste processo, presta anuência ao pedido de homologação: ausência de chancela, na origem, de autoridade judiciária ou órgão público equivalente: homologação negada pelo Presidente do STF, nos termos da jurisprudência da Corte, então dominante: agravo regimental a que se dá provimento,por unanimidade, tendo em vista a edição posterior da L. 9.307, de 23.9.96, que dispõe sobre a arbitragem, para que, homologado o laudo, valha no Brasil como título executivo judicial. 2. Laudo arbitral: homologação: Lei da Arbitragem: controle incidental de constitucionalidade e o papel do STF. A constitucionalidade da primeira das inovações da Lei da Arbitragem - a possibilidade de execução específica de compromisso arbitral - não constitui, na espécie, questão prejudicial da homologação do laudo estrangeiro; a essa interessa apenas, como premissa, a extinção, no direito interno, da homologação judicial do laudo (arts. 18 e 31), e sua conseqüente dispensa, na origem, como requisito de reconhecimento, no Brasil, de sentença arbitral estrangeira (art. 35). A completa assimilação, no direito interno, da decisão arbitral à decisão judicial, pela nova Lei de Arbitragem, já bastaria, a rigor, para autorizar a homologação, no Brasil, do laudo arbitral estrangeiro, independentemente de sua prévia homologação pela Justiça do país de origem. Ainda que não seja essencial à solução do caso concreto, não pode o Tribunal - dado o seu papel de "guarda da Constituição" - se furtar a enfrentar o problema de constitucionalidade suscitado incidentemente (v.g. MS 20.505, Néri). 3. Lei de Arbitragem (L. 9.307/96): constitucionalidade, em tese, do juízo arbitral; discussão incidental da constitucionalidade de vários dos tópicos da nova lei, especialmente acerca da compatibilidade, ou não, entre a execução judicial específica para a solução de futuros conflitos da cláusula compromissória e a garantia constitucional da universalidade da jurisdição do Poder Judiciário (CF, art. 5º, XXXV). Constitucionalidade declarada pelo plenário, considerando o Tribunal, por maioria de votos, que a manifestação de vontade da parte na cláusula compromissória, quando da celebração do contrato, e a permissão legal dada ao juiz para que substitua a vontade da parte recalcitrante em firmar o compromisso não ofendem o artigo 5º, XXXV, da CF. Votos vencidos, em parte - incluído o do relator - que entendiam inconstitucionais a cláusula compromissória - dada a indeterminação de seu objeto - e a possibilidade de a outra parte, havendo resistência quanto à instituição da arbitragem, recorrer ao Poder Judiciário para compelir a parte recalcitrante a firmar o compromisso, e, conseqüentemente, declaravam a inconstitucionalidade de dispositivos da Lei 9.307/96 (art. 6º, parág. único; 7º e seus parágrafos e, no art. 41, das novas redações atribuídas ao art. 267, VII e art. 301, inciso IX do C. Pr. Civil; e art. 42), por violação da garantia da universalidade da jurisdição do Poder Judiciário. Constitucionalidade - aí por decisão unânime, dos dispositivos da Lei de Arbitragem que prescrevem a irrecorribilidade (art. 18) e os efeitos de decisão judiciária da sentença arbitral (art. 31).
(SE 5206 AgR, Relator(a):  Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, Tribunal Pleno, julgado em 12/12/2001, DJ 30-04-2004 PP-00029 EMENT VOL-02149-06 PP-00958, grifos nossos).

As regras estabelecidas na Lei de Arbitragem a respeito do árbitro, por sua vez, encontram-se presentes em seu Capítulo III, disciplinando seus deveres e obrigações.

Quanto à constituição do órgão arbitral, esse pode ser monocrático ou colegiado, devendo o número de árbitros eleitos para julgar a lide ser sempre ímpar. Mesmo que as partes nomeiem um número par de árbitros, fica desde logo estipulado que os julgadores nomeados deverão indicar um terceiro para compor o tribunal arbitral, e caso não cheguem a um acordo, o Poder Judiciário será convocado para realizar a nomeação, em sintonia com o que prescreve o procedimento do artigo 7º da Lei.

O árbitro deverá exercer sua tarefa sempre com imparcialidade, independência, competência, diligência e discrição. Ademais, o artigo 17 da Lei equiparou os árbitros a funcionários públicos para os efeitos da legislação penal, em razão do fato de que a atividade por eles exercida é similar àquela desempenhada por um juiz estatal.

O parágrafo único do artigo 8º da Lei atribui ao árbitro o poder de decidir sobre a existência, validade e eficácia da cláusula e do compromisso, bem como do próprio contrato que contenha a cláusula compromissória. Dessa maneira, consagrou-se a autonomia da cláusula compromissória, visto que ainda que o contrato no qual esteja inserida seja viciado, a mesma sorte não terá a cláusula.[12]

Cabe, nesse contexto, atentar às espécies de arbitragem existentes, quais sejam: institucional e avulsa. As partes podem escolher para resolver a lide, na qual estão envolvidas, uma entidade em funcionamento, que se dedique à atividade arbitral (uma instituição arbitral) ou escolher um árbitro independente de uma instituição[13].

A arbitragem institucional ou administrada caracteriza-se por ser realizada em uma instituição especializada que administrará a arbitragem, com regras procedimentais de acordo com a Lei de Arbitragem acerca dos prazos, forma de prática dos atos, maneira de escolha dos árbitros, custos para a realização da arbitragem, forma de produção de provas, entre outras regras indispensáveis ao procedimento. Prescreve o artigo 5° da Lei n° 9.307/1996:

Art. 5°. Reportando-se as partes, na cláusula compromissória, às regras de algum órgão arbitral institucional ou entidade especializada, a arbitragem será instituída e processada de acordo com tais regras, podendo, igualmente, as partes estabelecer na própria cláusula, ou em outro documento, a forma convencionada para a instituição da arbitragem.

Por outro lado, há a arbitragem avulsa, também denominada arbitragem ad hoc, que se realiza sem a participação de um instituição especializada. Dessa forma, podem as partes vir a contratar um árbitro avulso e, com isso, normalmente reduzir os custos da arbitragem. Em regra, as partes devem dispor acerca do procedimento a ser adotado e, no caso de lacuna, os árbitros deverão decidir.

Tem-se que a decisão do árbitro, como já se pôde depreender, é denominada sentença arbitral, e como tal, possui a mesma força de uma sentença judicial, vez que o Código de Processo Civil coloca a decisão arbitral no rol dos títulos executivos judicias. Nesses termos: “Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: (...) IV – a sentença arbitral (...)”[14]. Isso demonstra uma enorme vantagem em se optar pela prolação de uma sentença arbitral, uma vez que essa é equivalente a uma sentença judicial, só que será proferido em período de tempo bem mais curto, sendo a celeridade uma marca nesse procedimento.


[1] SALLES, Carlos Alberto de, Arbitragem em Contratos Administrativos, Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2011, p 33/34

[2] CARNELUTTI in FONSECA, Elena Zucconi Galli, La Convenzione Arbitrale Rituale Rispetto ai Terzi – Seminario Giuridico della Università di Bologna CCXXIV, Milano: Dott. A. Giuffrè Editore, 2004, p. 29.

[3] A instrumentalidade, que é efeito de relação, refere-se ao interesse final que as partes perseguem: os contratantes objetivam a resolução da controvérsia, preferindo que um terceiro imparcial estabeleça os regramentos que deverão ser por eles seguidos. (FONSECA, Elena Zucconi Galli, La Convenzione Arbitrale Rituale Rispetto ai Terzi – Seminario Giuridico della Università di Bologna CCXXIV, Milano: Dott. A. Giuffrè Editore, 2004, p. 57/58).

[4] FONSECA, Elena Zucconi Galli, La Convenzione Arbitrale Rituale Rispetto ai Terzi – Seminario Giuridico della Università di Bologna CCXXIV, Milano: Dott. A. Giuffrè Editore, 2004, p. 48/58.

[5] AZÓCAR, Patricio Aylwin, El Juicio Arbitral, 5° ed., Santiago: Editora Juridica de Chile, 2005, p. 188/189.

[6] “O princípio da autonomia da vontade particulariza-se no Direito Contratual na liberdade de contratar. Significa o poder dos indivíduos de suscitar, mediante declaração de vontade, efeitos reconhecidos e tutelados pela ordem  jurídica. No exercício desse poder, toda pessoa capaz tem aptidão para provocar o nascimento de um direito, ou para obrigar-se. A produção de efeitos jurídicos pode ser determinada assim pela vontade unilateral, como pelo concurso de vontades. Quando a atividade jurídica se exerce mediante contrato, ganha grande extensão. Outros conceituam autonomia da vontade como um aspecto da liberdade de contratar, no qual o poder atribuído aos particulares é o de traçar determinadaa conduta para o futuro, relativamente às relações disciplinares da lei”. (GOMES, Orlando, Contratos, 26° ed., Rio de Janeiro: Forense, 2007, p. 25/26).

[7] CARMONA, Carlos Alberto, Arbitragem e Processo -  Um Comentário à Lei n° 9.307/96,  2° ed., São Paulo:. Atlas, 2006, p. 35.

[8] Artigo 10 da Lei n° 9.307/1996: “Art.10. Constará, obrigatoriamente, do compromisso arbitral: I – o nome, profissão, estado civil e domicílio das partes; II -  o nome, profissão e domicílio do árbitro, ou, se for o caso, a identificação da entidade à qual as partes delegaram a indicação de árbitros; III – a matéria que será objeto de arbitragem; e IV – o lugar em que será proferida a sentença arbitral”.

[9] SCAVONE JUNIOR, Luiz Antonio, Manual de Arbitragem, 4° ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 78.

[10] SCAVONE JUNIOR, Luiz Antonio, Manual de Arbitragem, 4° ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 83.

[11] CARMONA, Carlos Alberto, Arbitragem e Processo - Um Comentário à Lei n° 9.307/96, 2° ed., São Paulo: Atlas, 2006, p. 38.

[12] Conforme preceitua o artigo 8° da Lei de Arbitragem, “a cláusula compromissória é autônoma em relação ao contrato em que estiver inserta, de tal sorte que a nulidade deste não implica, necessariamente, a nulidade da cláusula compromissória”.

[13] SCAVONE JUNIOR, Luiz Antonio, Manual de Arbitragem, 4° ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 63.

 

[14] O projeto de Código de Processo Civil prevê, da mesma forma, o que segue: “Art. 492. Além da sentença proferida em ação de cumprimento de obrigação, serão executados de acordo com os artigos previstos neste Capítulo (do cumprimento de sentença): VII – a sentença arbitral”.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria