O que define uma pessoa de sucesso não é a quantidade ou qualidade de seus problemas, mas sua qualidade ao enfrentá-los e sua quantidade de esforço para superá-los.

Combatendo a desmotivação para enfrentar os concursos públicos

O que torna irrealizável um sonho, não é o sonho em si; é a inércia de quem sonha. (Anônimo).

Denomino de ponto de inércia ou ponto de baixa motivação o período em que por algum motivo adverso ficamos paralisados em relação ao nosso objetivo e até duvidamos se realmente somos capazes de concretizar o resultado almejado.

É um ponto muito perigoso que se você não superar surgirá um abismo muito grande entre você e seu objetivo.

Diz um ditado anônimo que A maré mais baixa é a que muda o rumo das águas. A nocividade do ponto de inércia ocorre justamente porque haverá uma considerável baixa estima e que será fatal se você tomar a mais involutiva das decisões que é desistir de seu ideal.

Como dizia Musashi, o grande samurai, Tanto em êxtase quanto em profunda tristeza, o espírito enfraquece. Evite os extremos. Não deixe o inimigo ver seu espírito. 

A única coisa mais contagiosa que o entusiasmo... É a falta de entusiasmos. Quando por alguma situação adversa, você ficar desmotivado, lembre-se que isso é normal, todos vencedores passam por momentos semelhantes, a única diferença é que o verdadeiro vencedor resiste e jamais desiste, a não ser que seja para conquistar um ideal maior.

 Ensina o amigo William Douglas que:

Leve quanto tempo quiser até decidir passar, mas, uma vez tomada a decisão, faça as coisas direito. Reúna-se consigo (rei, general, soldados), planeje, organize-se, estude, faça provas e vença!

 

Não tema o erro, mas sua repetição.

 

Não tema a derrota, mas a desistência.

 

Não tema nada, senão a si mesmo. 
 

Eu também já tive vontade de chutar o balde, jogar tudo para cima, mas por saber que a motivação é sempre algo que volta, usei a seguinte técnica, vou resistir e estudar com mais intensidade, pois logo, logo, vai aparecer um fator motivador e até o ponto de inércia servirá para construção de meu ideal, pois, eu sei que o verdadeiro heroísmo consiste em persistir por mais um momento enquanto tudo parece perdido. (W. F. Grenfel).

E algo deve ser esclarecido, você só se tornará um vencedor se for capaz de superar o ponto de inércia, e sabe por quê? A estrada que leva à vitória tem altos e baixos e por vezes nos deparamos com uma grande parede de gelo em que toda velocidade se torna um caminhar em câmara lenta, dar vontade de desistir, mas algo está provado, todos vencedores só cortaram a fita da vitória porque foram capazes de resistir e superar o período de baixa motivação.  

Quando você desiste o objetivo almejado é automaticamente anulado, e acontece algo mais grave, atenta-se contra a própria energia que sempre será vital para alcançarmos outros sonhos.

O ponto de inércia também aparece quando enfrentamos algum problema de saúde, problema de relacionamento ou familiares, tais problemas, alia-se a pressa de resolvê-los e gera dias longos e angustiantes, é normal neste período a diminuição do ritmo de estudo, mas você deve entender que estes problemas são obstáculos temporários, logo, logo, tudo vai está bem, portanto, mantenha, mesmo diminuindo o ritmo de estudo, a direção do seu objetivo, pois se você conseguir estudar com a motivação baixa imagine o quanto você renderá quando a motivação voltar.

 William Douglas diz que   Sun Tzu deixa claro que o problema não está no problema em si, mas em quem lida com ele. Einstein já mencionou que o modo de formular uma questão é mais importante que a própria resposta. Uma pessoa organizada enfrenta com êxito um número extraordinário de dificuldades enquanto outra, desorganizada, fracassa diante de poucos ou pequenos contratempos. O que define uma pessoa de sucesso não é a quantidade ou qualidade de seus problemas, mas sua qualidade ao enfrentá-los e sua quantidade de esforço para superá-los. 

Autor: Francisco Dirceu Barros.

Texto integrante do livro “Os Segredos do Sucesso nos Concursos Públicos”.


Autor

  • Francisco Dirceu Barros I

    Procurador Geral de Justiça do Estado de Pernambuco, Promotor de Justiça Criminal e Eleitoral durante 18 anos, Mestre em Direito, Especialista em Direito Penal e Processo Penal, ex-Professor universitário, Professor da EJE (Escola Judiciária Eleitoral) no curso de pós-graduação em Direito Eleitoral, Professor de dois cursos de pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal, com vasta experiência em cursos preparatórios aos concursos do Ministério Público e Magistratura, lecionando as disciplinas de Direito Eleitoral, Direito Penal, Processo Penal, Legislação Especial e Direito Constitucional. Ex-comentarista da Rádio Justiça – STF, Colunista da Revista Prática Consulex, seção “Casos Práticos”. Colunista do Bloq AD (Atualidades do Direito). Membro do CNPG (Conselho Nacional dos Procuradores Gerais do Ministério Público). Colaborador da Revista Jurídica Jus Navigandi. Colaborador da Revista Jurídica Jus Brasil. Colaborador da Revista Síntese de Penal e Processo Penal. Autor de diversos artigos em revistas especializadas. Escritor com 70 (setenta) livros lançados, entre eles: Direito Eleitoral, 14ª edição, Editora Método. Direito Penal - Parte Geral, prefácio: Fernando da Costa Tourinho Filho. Direito Penal – Parte Especial, prefácios de José Henrique Pierangeli, Rogério Greco e Júlio Fabbrini Mirabete. Direito Penal Interpretado pelo STF/STJ, 2ª Edição, Editora JH Mizuno. Recursos Eleitorais, 2ª Edição, Editora JH Mizuno. Direito Eleitoral Criminal, 1ª Edição, Tomos I e II. Editora Juruá, Manual do Júri-Teoria e Prática, 4ª Edição, Editora JH Mizuno. Manual de Prática Eleitoral, Editora JH Mizuno, Tratado Doutrinário de Direito Penal, Editora JH Mizuno. Participou da coordenação do livro “Acordo de Não Persecução Penal”, editora Juspodivm.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria