O texto apresenta uma percepção a respeito da diferença entre as formas de administração centralizada e descentralizada, abordando as particularidades de cada forma adotada. Com a busca de mais eficiência e eficácia a administração optou pela delegação de

Administração pública: Centralização e descentralização

    Nayara Ellen Carvalho –Acadêmico de Direito do 5º Periodo da Universidade Tiradentes – Itabaiana- Se

Sumário

Introdução: Administração publica e seus recursos. Desenvolvimento: A centralização e descentralização na Administração Publica. Conclusão.

Resumo

O texto apresenta uma percepção a respeito da diferença entre as formas de administração centralizada e descentralizada, abordando as particularidades de cada forma adotada. Com a busca de mais eficiência e eficácia a administração optou pela delegação de suas funções a outros órgãos, a desconcentração, bem como a descentralização e centralização.

Palavras-Chaves: Administração Publica, Centralização, Descentralização.

Introdução

A  “Administração”, deve ser entendida no seu sentido amplo, como executar, servir, dirigir, gerir, Ou seja, a administração publica é o “conjunto de atividades preponderantemente executórias  de  pessoas  jurídicas  de  Direito  Público,  gerindo  interesses coletivos, na prossecução dos fins desejados, pelo Estado” de acordo com o principio da supremacia da administração.

Com  o  passar  do  tempo  e  o  crescente  volume  das  interações  sociais  entre os cidadãos e o estado, os serviços administrativos alcançaram uma demanda tal, que se tornou inevitável a desconcentração e a descentralização destes serviços .  Então,  essas  obrigações foram deslocadas do centro Estatal superlotado para setores periféricos.

Para tanto, além da atuação Estatal direta, na prestação de serviços, feita por meio de Orgãos, o Estado  também  criou  outras  pessoas  como  Entidades  ou  simplesmente transferiu a particulares o exercício de outras atividades públicas – A centralização e descentralização.

No início dos estudos sobre o Direito Administrativo havia o entendimento de que os serviços público eram poderes estatais (e não deveres), que independiam da vontade ou da necessidade do cidadão ou do residente de um determinado local.

A Centralização e Descentralização da Administração Publica

O Estado tem como função primordial o oferecimento de utilidades aos administrados, não se justificando sua atuação senão no interesse público. Assim, entende-se que todas as vezes que o Estado atua, o faz porque à coletividade deve atender. Para atender todas as necessidades de forma eficiente e eficaz faz a distribuição do seu poder distribuindo a outros órgãos por meio da centralização e descentralização.

HELY LOPES MEIRELLES nos deixou o seguinte conceito de serviço público:

" Serviço Público é todo aquela prestado pela Administração ou por seus delegados, sob normas e controles estatais, para satisfazer necessidades essenciais ou secundárias da coletividade ou simples conveniência do Estado."

Sendo o titular dos serviços públicos, o Estado deve prestá-los da melhor forma possível. Assim, pode, em casos específicos, dividir a tarefa da execução, não podendo, em nenhuma hipótese, transferir a titularidade do serviço.

O certo é que, possível a parceria, podem os serviços públicos serem executados direta ou indiretamente.

O Estado, por seus diversos órgãos e nos diversos níveis da federação, estará prestando serviço por EXECUÇÃO DIRETA quando, dentro de sua estrutura administrativa -ministérios, secretarias, departamentos, delegacias -, for o titular do serviço e o seu executor. Assim, o ente federativo, será tanto o titular do serviço, quando o prestador do mesmo. Esses órgãos formam o que a doutrina chama de ADMINISTRAÇÃO CENTRALIZADA, porque é o próprio Estado que, nesses casos, centraliza a atividade.

Por outro lado, identifica-se a EXECUÇÃO INDIRETA quando os serviços são prestados por pessoas diversas das entidades formadoras da federação. Ainda que prestados por terceiros, insisto, o Estado não poderá nunca abdicar do controle sobre os serviços públicos, afinal, quem teve o poder jurídico de transferir atividades deve suportar, de algum modo, as conseqüências do fato.Essa execução indireta, quando os serviços públicos são prestados por terceiros sob o controle e a fiscalização do ente titular, é conhecido na doutrina como DESCENTRALIZAÇÃO.

          Na descentralização o Estado atua indiretamente, pois o faz através de outras pessoas, seres juridicamente distintos dele, ainda quando sejam criaturas suas e por isso mesmo se constituam, em parcelas personalizadas da totalidade do aparelho administrativo estatal."

Conclusão

Desta forma, administradores precisam compartilhar as informações e evoluções da administração publica, trabalhando com transparência, para tornar os serviços com mais qualidade e de forma econômica, ou seja,  mais eficaz . Por isso a importância importante delegar as funções e tarefas de maneira mais coesa e precisa para criar um mecanismo de aproveitamento de competências e solucionar melhor os conflitos existentes.

Referências

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 14. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 30. Ed. São Paulo: Malheiros, 2005.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria