Era uma vez o Brasil.

          País colorido, de verde e amarelo, possuindo no verde a esperança de crescer e no amarelo uma força econômica que o impulsiona aos horizontes.

Esta grande porção de terras chamada Brasil, possui uma extensão invejável, recursos naturais incalculáveis, um clima maravilhoso, solo fértil, muita água, petróleo, ouro, prata, jazidas de ferro, florestas magníficas e uma fauna deslumbrante, este país é fora do sério, é invejável, é abençoado. Possui um povo brilhante, cultura diversificada e intensa, este país emana uma alegria que contagia. Desta nação nasceram grandes nomes, grandes artistas, filósofos, compositores e juristas, aqui teve Rui Barbosa, Machado de Assis, Castro Alves, na atualidade temos Luis Flávio Gomes, Silvio de Salvo Venosa, dentre outros inúmeros que já foram e outros que nos dão a honra de viver entre nós.

Nosso país é campeão no futebol, já foi na fórmula 1, obtém grande número de medalhas nos jogos olímpicos, isso sem mencionar nos outros esportes.

Assim esta é uma nação que tem tudo para desenvolver-se, para crescer, para proporcionar a todos os brasileiros uma vida mais digna. 

Mas nem toda sombra é fresca e nem todo amarelo é ouro, assim o nosso país tem praticamente tudo para se tornar uma metrópole, e não qualquer uma, um país campeão, não somente de nome ou apenas de título, mas de realidades.

O defeito deste país está no nosso governo, na ambição capaz de cegar, maltratar, explorar, enfim, matar. Uma doença que está aos poucos apodrecendo nossas raízes, manchando e deteriorando nossa terra, consumindo nossas riquezas e destruindo nossa gente. Uma praga avassaladora que fulmina a educação, prolifera a violência e escraviza nossas crianças. Os nossos governantes eleitos por nós mesmos, batem em nossos rostos e comem o nosso pão.

Uma política suja e cega, sem barreiras e obstáculos, que vem como um trator de esteira em uma floresta ou como uma bomba que cai sobre uma cidade, não se preocupando quem vai se machucar ou os prejuízos que vai causar. A cada dia mais, sugando o povo, invertendo as leis e fazendo piada com nossa carta magna. A cada dia que passa são instituídos novos impostos para bancar as regalias do poder, enquanto se deliciam com caviar nossas crianças merendam o nada, ao tempo em que seus filhos frequentam as melhores escolas, os demais carecem de professores, de salas de aula, no momento que se tratam nos melhores hospitais, nossos doentes ocupam o chão dos corredores dos precários hospitais públicos, carecendo de profissionais da saúde que com toda razão optam pelo emprego privado que fornecem melhores salários e condições de trabalho, e assim vai. Hoje neste tão nobre país, devastado pelo mau caráter governamental, trabalhamos mais e nos divertimos menos, compramos pouco e pagamos muito, até o nosso ar eles estão cobrando de nós.

Hoje o sistema está tão comprometido, que os de boa índole estão sendo jogados aos leões, sendo injustiçados sem cometerem crime algum. Quando os corruptos não querem, o certo é não querer e quando eles mandam, tem que obedecer. Perdeu-se a moral, a ética é uma piada, a verdadeira justiça é defendida e aplicada por poucos e estes estão praticamente comprometidos pela maioria gritante já corrompidos pelo sistema.

Assim, pode ser que exista uma pequena luz no fim desse túnel chamado Brasil, mas ela é pequena, chama-se caráter, não dos poderosos que comandam, mas dos brasileiros, capazes de fazer a diferença, pois acredita-se que a mídia, a tecnologia pode ser usada de maneira proveitosa, não apenas para denegrir, manipular e aterrorizar o povo, mas para divulgar o que muitos chamam de mudança.

A verdadeira sabedoria consiste em fazer o bem, em não se deixar influenciar pela maioria, pois existem pessoas honestas nas altas classes sociais ou até mesmo lotadas no poder público, que muitas vezes ficam ofuscadas pela maioria sombria que a cerca, mas precisam buscar forças para brilhar, mostrar que ainda existe honra e que nosso país está doente, mas existe tratamento. O protesto até pode ser proveitoso, mas não de maneira violenta e mortal, pois não levará a nada a não ser ao prejuízo e ao fundo do poço.

Finalmente pode-se concluir que ainda existe remédio para o Brasil, ainda pode-se consertar os estragos feitos e curar as feridas abertas, pois para qualquer problema sempre existe uma sábia solução.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria