Yellow Blocs querem green card.

            Yellow Blocs querem green card. Os Yellow blocs são representados pelos torcedores novos-ricos que vaiam os Hinos do Chile e outros adversários do Brasil nos jogos da Copa/2014. O green card é a famosa Carta de Residência Permanente nos EUA. No sonho de compras e ostentação, querem ser patricinhas e mauricinhos de Beverly Hills. Enquanto não conseguem, insultam todos que encontram à sua frente. As exceções não são tratadas aqui.

            Isso ainda expressa a realidade da política nacional – a oposição não pode ser resumida aos Black Blocs e aos Yellow Blocs. Os primeiros, jovens de suposta inspiração anarquista, parecem se contentar em agredir policiais, quebrar algumas agências bancárias e depredar revendas de carros de luxo. Isso, o crime organizado também faz, mas com algum lucro. Os amarelinhos, festivos na Copa, querem consumir com seus cartões de crédito sem limite. Nada contra esse tipo de “cartão sem-limites” – ainda que o cartão de professor seja bem limitado. O problema é que, tudo que é sem limites ultrapassa seu espaço e os direitos dos outros.

            Basta vermos que na torcida brasileira, especialmente nos jogos do Brasil, não há pobres ou negros, nem gente feia e maltratada pela lida do trabalho. O bronzeado que surge nas imagens de TV é apenas o de praia e caipirinha. Nunca aparece ninguém enrugado pelo sol da obra. Esses “feios” só constroem os estádios, para que os Yellow Blocs possam vaiar o Hino de outras nações. O pobre que só constrói o estádio não iria vaiar o que ele próprio edificou e investiu sua melhor energia.

Olha o Hino de Adoniran Barbosa: Si o senhor não "tá" lembrado / Dá licença de "contá" / Que aqui onde agora está / Esse "edifício arto" / Era uma casa véia / Um palacete assombradado / Foi aqui seu moço / Que eu, Mato Grosso e o Joca / Construímo nossa maloca / Mais, um dia / Nóis nem pode se alembrá / Veio os homi c'as ferramentas / O dono mandô derrubá / Peguemo todas nossas coisas / E fumos pro meio da rua...Ali nasceria o Itaquerão.

            De todo modo, oposição e situação estão no limite da incredulidade, à frente da crise de ilegitimidade político-institucional. Para o torcedor enrugado pelo sol da obra, tudo é farinha do mesmo saco. Basta lembrarmo-nos de que o mensalão do PT é uma cópia – mais sofisticada – do mensalão do PSDB de Minas Gerais.

            O torcedor enrugado pelo sol da obra gostaria de receber outra coisa, de ser governado por políticos honestos e de ter um Judiciário competente. Mas, o que lhe resta é lastimar a falta de vergonha de seus jogadores, treinadores e dirigentes. Amanhã, enquanto os Yellow Blocs dormirem o sono dos justos – independente da justiça ser feita ou não – e destilarem a ressaca pela vitória e perda de Neymar, com fratura na 3ª vértebra, o torcedor enrugado pelo sol da obra será o primeiro a chegar ao trabalho. E feliz (ou não), falará por meses do que só pode ver pela TV – e até indiferentemente ao que fizeram os Yellow Blocs, essa nova/velha elite que não o representa.

          

                                Vinício Carrilho Martinez

Professor Adjunto III da Universidade Federal de Rondônia – UFRO, junto ao Departamento de Ciências Jurídicas/DCJ.

            Marcos Del Roio

Prof. Titular de Ciências Políticas da UNESP – FFC.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria