Em algum momento seremos convocados a decidir se queremos ou não a instalação de uma teocracia no Brasil, infelizmente.

Uma coleguinha do Facebook me indicou um post de Dilma Rousseff e perguntou-me o que penso sobre o assunto.

A separação entre Estado e religião está prescrita na CF/88. O ideal da construção e preservação de um Estado laico evoluiu lentamente após a constatação histórica de que o predomínio político político de uma religião provocava inevitavelmente guerras civis religiosas como as que arrasaram a Europa a partir da Reforma Protestante e a Contra-Reforma Católica. No Brasil, colonizado por católicos, as guerras religiosas somente ocorreram a partir da invasão holandesa. Durante a guerra movida aos invasores pelos brasileiros, os soldados protestantes a serviço da Companhia das Índias Ocidentais eram inapelavelmente degolados, apenas os mercenários católicos de origem francesa eram feitos prisioneiros e devolvidos com vida para a Europa. Canudos foi, de certa maneira, nossa última guerra religiosa, pois os guerrilheiros do anacoreta sombrio eram também seus fiéis seguidores.

Votarei em Dilma Rousseff, mas considero preocupante o poder político destas pequenas igrejas grandes negócios que ela tem visitado. Além de arrecadar dinheiro dos pobres crédulos que freqüentam seus templos (eufemismo para caixas-registradoras), os auto-proclamados pastores e bispos evangélicos distribuem justiça aos fiéis proibindo-os de freqüentar cultos se não pagarem o dízimo. A contribuição que deveria ser voluntária se torna obrigatória e o não pagamento acarreta punição como se o templo pudesse agir como um Estado dentro do Estado.

Em Brasília os Deputados e Senadores evangélicos já conseguem paralisar ações públicas de saúde e educação. Há algum tempo, a bancada do templo arrancou do Presidente da Republica um decreto para que o Estado começasse a financiar shows de música gospel e outras atividades religiosas como se fossem atividades culturais. Movimentos culturais legítimos e minoritários que não se encontram sob a proteção de uma bancada como a dos evangélicos seguem sendo marginalizados pelo Estado.

Alguns políticos evangélicos não escondem que seu projeto é transformar o Brasil numa teocracia, sob seu controle. São os memos que querem que o SUS custeie a cura-gay e que conseguiram demonizar e proibir o que eles chamaram de kit-veadagem que pretendia fomentar a tolerancia sexual nas escolas. A fome de poder dos evagélicos é tamanha que eles já exigem o direito de enfiar seus pastores nos Quartéis para influenciar, dividir e comandar militares brasileiros. Em Osasco, o prefeito evangélico do PT contratou alguns pastores para fazer o policiamento teológico dos servidores públicos despertando a ira dos mesmos, petistas que trabalham na prefeitura incluídos.

Na semana passada a bancada do templo teve a ousadia de desafiar o Itamaray, dizendo que apoia Israel. Líderes evangélicos foram fotografados ostentando a bandeira do estado assassino de centenas de crianças inocentes ao lado da do Brasil, apesar de nosso país ter oficialmente criticado os ilegais ataques militares israelenses contra civis em Gaza. A ofensa feita ao Brasil pelo representante do infame regime de Tel Aviv foi, portanto, confirmada pelo evangélicos.

A Legislação Internacional que foi criada com ajuda do Brasil e está sendo corajosamente defendida pela diplomacia brasileira não significa nada para os referidos lideres evangélicos que defendem o sionismo. Nenhuma novidade, eles só acreditam no poder político da Bíblia e, portanto, apoiarão os criminosos de guerra israelenses sem fazer qualquer outra consideração legal, diplomática ou jurídica. O desprezo dos evangélicos pela Lei brasileira também ficou evidente quando da construção do Templo de Salomão em São Paulo. A suntuosa morada do bispo Edir Macedo foi levantada sem o alvará adequado e mediante a fraudulenta utilização de um alvará concedido para outra finalidade.

Igrejas evangélicas, pastores e bispos já são proprietários de jornais, rádios, redes de TV, helicópteros, jatos, empresas, imóveis, etc... e utilizam tudo o que tem a sua disposição, inclusive dinheiro dos fiéis, para fazer propaganda política para os seus candidatos e para demonizar políticos que praticam outras religiões ou que são ateus. Esta mistura de religião e política é explosiva e tende a dividir o país em grupos antagônicos irreconciliáveis, algo proibido pela CF/88.

Quem conhece suficientemente a História do Brasil tem razões para suspeitar que em algum momento num futuro próximo, os evangélicos ficarão tentados a conquistar pela força bruta o controle total do Estado que eles acreditam que Deus já lhes deu. A forma desrespeitosa e até violenta com que os pastores e bispos evangélicos atacam os outros cultos, especialmente os de origem africana que existem a séculos no Brasil, é uma amostra dos Pogrons que eles já devem andar cogitando ou até mesmo planejando dentro dos seus templos. Curiosamente, estes mesmos templos tem sido visitados por políticos declaramente comprometidos com o Estado laico.

Confesso que não gostei nada de ver Dilma Rousseff no Templo de Salomão, obra construída de maneira irregular. A presença dela no local legitimou uma ilegalidade. Além disto, os líderes político-religiosos daquele templo lutam para destruir o regime constitucional laico que ela jurou defender ao ser empossada na presidência. Quando se vê diante de um grave conflito iniciado por fanáticos religiosos, o Presidente de uma Republica laica como a nossa, o comandante em chefe das Forças Armadas na forma da CF/88, não pode hesitar por que deve favores eleitorais a uma seita religiosa. Caso não defenda o regime constitucional com todos os meios à sua disposição e imediatamente, a guerra civil religiosa pode se alastrar colocando em risco o Estado, o regime político e até mesmo a integridade territorial do país.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria