Há Juízes em diversos rincões deste país, que estão condicionando à homologação da composição dos danos cíveis no JECRIM ao cumprimento integral da avença, o que vem sobremaneira desvirtuando o quanto estatuído pela Lei 9099/95.

Há Juízes em diversos rincões deste país, que estão condicionando à homologação da composição dos danos cíveis no JECRIM ao cumprimento integral da avença, o que vem sobremaneira desvirtuando o quanto estatuído pela Lei 9099/95 (Lei dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais), especificamente em seu art. 74.

Com efeito, em princípio, necessário observar que a eficácia da transação (acordo) está condicionada à sentença declaratória de homologação, de modo que é legal pensarmos que, em verdade, ao não realizar a quitação do acordo, não houve o seu descumprimento, haja vista que não foi observado o ato necessário para atribuição de sua eficácia.

Juridicamente e legalmente é flagrantemente ilegal tal condicionamento, já que o descumprimento do quanto acordado sequer adquire força executiva, o que, por óbvio, só acontece depois de devidamente homologado.

Esta atitude dos Magistrados, talvez tentando reparar à Legislação, literalmente vem criando e acescentando indevidamente um novo dispositivo legal à Lei 9099/95, configurando-se uma verdadeira aberração jurídica.

No Estado do Rio de Janeiro inclusive, às Turmas dos Juizados Criminais, em um de seus encontros, já deliberaram acerca do tema e realizaram à única interpretação possível para o quanto específicado no art. 74 da Lei 9.099/95 através do enunciado 31:

Enunciado 31 do IIEJJE – O Juiz não pode recusar a homologação do acordo cível extintivo do processo penal, competindo a sua execução judicial ao Cível.

Com efeito, cabe agora ao FONAJE, ante ao crescente desvirtuamento do art. 74 da Lei 9099/95, realizar, no mesmo sentido, a sua própria interpretação, já que pensar de outra maneira é suprimir à competência Legislativa, quebrando, portanto, o princípio republicano da separação de poderes.

O Magistrado não pode se sobrepor à escolha da vítima e autor do fato, ainda mais quando estas estão na companhia de seus respectivos patronos, os quais, sabem de antemão das consequencias do não cumprimento do quanto avençado.

Ademais, a sentença homologatória é meramente declaratória, fazendo com que à única hipótese de negativa de homologação seja à prova de que ocorreu alguma ilegalidade na transação.

Por outro lado, acaso o Legislador quisesse determinar a homologação do acordo de composição dos danos cíveis ao prévio cumprimento do acordo, assim teria feito. No entanto, os Magistrados e também alguns operadores do direito podem até achar estranho tal entendimento na esfera penal, mas a norma estatuída na Lei 9099/95 tem um inédito efeito civil, de modo que não imaginamos nesta última esfera um acordo homologado a posteriori do seu efetivo cumprimento. Portanto, o Legislador seguiu o mesmo parâmetro para ambas as materias.

Nesse sentido, é imprescindível que os Juizes apliquem a Lei da forma como ela foi posta pelo Legislador, sob pena de flagrante supressão de competência, haja vista que não lhe é dado o direito de desvirtuá-la por entender ideologicamente mais consentânea aos interesses de terceiros, o que, por conseguinte, acaba transgredindo um outro princípio, qual seja: o da imparcialidade.

Portanto, não PODE E NÃO DEVE o Juiz condicionar à homologação da composição dos danos cíveis ao cumprimento da obrigação assumida pelo autor do fato, pois isto inibiria a extinção imediata de sua punibilidade, em razão da renúncia legal, por parte da vítima, do direito de representação ou queixa, nos delitos em que a ação penal é pública condicionada a representação ou privada, consoante determina o parágrafo único do art. 74 da Lei 9099/95.

Referências:

Silva, Luiz Cláudio. Manual de Processo e Prática Penal / Luiz Cláudio Silva, Franklyn Roger Alves Silva. - 6ª Ed. - Rio de Janeiro: Forense, 2013;

Mini Código Saraiva, Processo Penal, Lei 9099/95;

www.amperj.org.br/sobre/jurisprudencia/tjrj/en_criminais.pdf. Acesso em 22 de agosto de 2014, às 10h20min.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria