O policial militar acuado por populares está em iminente risco de linchamento e a reação com arma de fogo pode ser a alternativa...

          Os meios de comunicação noticiaram e convém comentar com isenção, lucidez e objetividade...

            Três policiais militares participavam de operação de combate à pirataria no centro de São Paulo. Para quem só gosta de criticar sem fundamento, a PM deveria se preocupar com outras coisas etc. Para mim, onde existe prática delituosa, não importa a gravidade, o Estado deve exercer o seu papel. E a definição de gravidade não passa apenas pela análise da pena prevista, mas tem a ver com os reflexos de determinada conduta para a coletividade. Se o legislador, nosso representante, optou por criminalizar, a lei deve ser cumprida. E o policial não deve correr o risco de responder por prevaricação. Simples assim...

            Dois policiais, por razões que desconheço, se atracaram no chão com um camelô que resistia ser algemado. O terceiro ficou de pé, junto dos demais, fazendo a segurança deles. Tudo estava sendo filmado por meio de vários telefones celulares. O camelô não estava sendo agredido, mas apenas imobilizado. Ninguém estava autorizado a agir em legítima defesa dele. Quem entendesse a ação indevida deveria, no máximo, aguardar a imobilização e seguir junto para a delegacia para expor as suas razões, o que teria sido saudável.

            Naquele momento, vários outros vendedores ambulantes cercaram os policiais. Aquele que ficou de pé pedia para que se distanciassem. Utilizava spray de pimenta, meio não-letal, mas não era respeitado. Um indivíduo de camisa xadrez chegava cada vez mais perto, exibindo a sua “valentia” para os demais. No chão, dois policiais com as armas na cintura, expostas ao risco de arrebatamento. E o terceiro policial bravamente os protegia.

            O contexto era de intenso risco, pois os três homens da lei estavam cercados e, se vacilassem, seriam desarmados, espancados e quiçá mortos por aqueles indivíduos que desrespeitavam as autoridades. Estava em jogo também a respeitabilidade do serviço público como um todo.

            A afronta prosseguiu por considerável tempo... as pessoas começaram a se aproximar por todos os lados... Uma mulher chegou perto dos pés do policial “protetor” e pegou algo. No instante em que o “protetor” olhou para o lado oposto, aquele sujeito de camisa xadrez extrapolou: avançou contra a mão do policial no intuito de tomar-lhe o spray ou de simplesmente acioná-lo contra os olhos dos policiais. Se tivesse tido êxito, as consequências seriam as já expostas. Inviabilizou o uso do gás como resposta por parte do agente.

            O policial “protetor” dos demais não teve dúvida: atirou no rosto do ambulante, que ainda cambaleou, mas morreu no local. E foi exatamente o que ele mereceu! Afrontou a força de segurança. Desrespeitou a ordem de manter distância. Avançou e colocou a vida dos policiais em risco. E pagou com a sua vida, que, diga-se de passagem, não valorizava.

            Todos os requisitos da legítima defesa estiveram presentes. Segundo o Código Penal, no seu art. 25, “entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”. A agressão do ambulante era injusta. A reação foi a única possível, condizente com o risco provocado pelo agressor, com o instrumento à disposição e com o tempo para o revide. Quem já atuou em tumulto sabe disso.

            Houve algum burburinho nas redes sociais, mas quem comentou sem “conhecimento de causa”, se precipitou. Há quem critique sem a necessária imparcialidade só porque, ainda que sem razão, um dia foi contrariado pela PM e tem dificuldade para respeitar autoridades e regras ou generaliza e trata a instituição como sua inimiga, esquecendo-se do que ela faz diuturnamente em seu favor. Por fim, há que prefira apenas fazer sensacionalismo para vender seu produto de mídia, conseguir seus votos ou defender outros interesses ilegítimos.

            O homem de xadrez quis acender o pavio para que os demais “explodissem”. O policial explodiu seus miolos. Nossa! Mas é preciso “falar” desse jeito? Sim, pois tem gente que não entende outro discurso e porque tenho embasamento jurídico (muito embora respeite opiniões contrárias).

            Quanto ao policial “protetor”, acabou sendo preso em flagrante e depois liberado. Na minha opinião o delegado nem deveria tê-lo prendido, mas apenas registrado tudo e justificado o seu posicionamento.

            E que tudo isso sirva de lição!


Autor


Informações sobre o texto

Fiquei indignado quando ouvi uma jornalista criticando o policial que bravamente defendeu a si e aos colegas...

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria