Todas as pessoas tem que ter documento comprovando sua morte, pois biologicamente considerando a morte é o último de todos os agentes traumáticos. Existem diversos tipos de morte que serão explanados.

Todas as pessoas tem que ter documento comprovando sua morte, pois biologicamente considerando a morte é o último de todos os agentes traumáticos.

Morte Natural:

  • Patológica – SVO (menos de 24 horas no hospital) médicos farão uma autópsia e analisar qual doença levou o indivíduo a morte, dando um atestado clinico de óbito com autópsia.
  • Teratológica – quando nasce uma criança com um defeito congênito incompatível com a vida prolongada. Ex.: anencefalia, coração gerado fora do tórax, coração grande gerado em um tórax muito pequeno. Defeitos teratológicos que impedem a vida prolongada. Quem atesta neste caso, normalmente deixam essa criança recém nascida no hospital para que os médicos da anatomia patológica estudem a criança para ver o que aconteceu, e posteriormente darão um atestado com relatório e analise explicando o que a criança teve, se foi problema genético ou congênito, da gestação. Então eles darão um atestado clinico com autopsia. Normalmente o que resta do corpo é incinerado.

Morte Violenta: nesses casos o cadáver tem interesse policial e jurídico, o corpo vai para o IML e quem atesta a morte será o médico legista. Ele não dá um simples atestado clinico de óbito, e sim uma laudo explicando a morte que decorreu de traumas. Morte violenta é aquela que decorre de violência, dos agentes traumáticos e lesivos.

  • Traumas – as mortes violentas são por traumas, dá pra saber qual o tipo de violência, tipo de trauma que ocorreu para morte.
  • Suicídio, homicídio e acidente – não é morte violenta. Isso é causa jurídica.

                                                 

Morte Súbita: ninguém sabia que estava prestes a morrer. Ex.: José Wilker. Ela tem fatores:

  • Fatores preexistentes – nem todos sabem, ex.: diabetes. Nesse caso, fatores preexistentes sabidos família, uma vez que vem a óbito o médico é chamado e da atestado clinico de óbito sem autopsia. Acaba caindo na morte natural patológica. Se não possuía médico e não tem ninguém que de atestado é feito boletim de ocorrência todas as vezes que há necessidade de enviar corpo para o SVO, chama o SVO que busca o corpo e lá faz o exame com atestado clinico de óbito com autopsia.
  • Fatores ocasionais – morte súbita por fatores ocasionais que poderiam ser por ex.: um susto, uma emoção violenta, mesmo não sofrendo de nenhum problema cardíaco pode vir a óbito. Choque térmico, esforço muito grande. Quando se trata desse morte encaixa-se na morte violenta, o corpo deve ser levado ao IML para autopsia do médico legista por meio de laudo.

Morte Aparente: síncopes hemorrágicas, asfixias dos afogados, dos enforcados dos sufocados etc. desde os primórdios é um assunto que sempre existiu que é o medo de ser enterrado com vida. Catalepsia, coma alcoólico e epilepsia acabam levando o indivíduo a uma baixa energia vital extrema porém, por mínimo que fique o indivíduo está vivo. Hoje a catalepsia é passiva de diagnostico. Não são esses os casos da morte aparente. Ela existe e tem outra conotação. Os casos de asfixias mecânicas sufocação, enforcamento, estrangulamento), o caso da sincope cardíaca, todos esses geram perfeitas mortes aparentes. Faxineira estava limpando necrotério e viu o lençol mexendo e a pessoa estava viva com atestado de óbito, ficou em morte aparente por algumas horas. Deve ter saído da sufocação sozinho e voltado a vida. Uma pessoa tem um mal súbito na rua, com o choque ele voltou, até a hora que ele voltou estava em morte aparente. O diagnóstico de morte aparente é RETROSPECTIVO, porém nunca presumido. Só pode dizer que teve morte aparente se foi salvo, ressuscitado e está vivo. Pode haver sequela, as vezes eles desistem de ressuscitar. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria