"A exclusão do herdeiro ou do legatário da sucessão tem natureza jurídica de penalidade civil, resultante de uma infração grave cometida contra o autor da herança ou pessoas a ele relacionadas".

1. Considerações Gerais:

A legislação brasileira apresenta duas formas em que pode haver a exclusão dos herdeiros da sucessão, de forma a retirar do sucessor natural à condição de herdeiro, sendo elas:

  • INDIGNIDADE
  • DESERDAÇÃO

Ambas as formas, embora controvérsias, possuem a mesma finalidade que é privar do beneficio da sucessão aqueles herdeiros que cometerem algumas infrações previstas no Código Civil.

Podemos concluir que a exclusão do herdeiro ou do legatário da sucessão tem natureza jurídica de penalidade civil, resultante de uma infração grave cometida contra o autor da herança ou pessoas a ele relacionadas.

Segundo o jurista Caio Mário da Silva Pereira “no direito francês controvertem os autores, entendendo uns que é necessário um julgamento se houver contestação. Os modernos inclinam-se pela dispensa de um provimento específico, por entenderem que o indigno incorre de pleno direito na exclusão da herança”. Já para Vialetton a questão não é mais teórica, pois “se o interessado se defende, haverá sempre uma sentença”. No Direito Alemão, é necessária uma sentença em ação impugnatória, declarando a indignidade. No direito brasileiro, “somente vale sentença condenatória, isto é, uma declaração, que se revista dos requisitos de provimentos jurisdicional em processo contencioso. Somente tem o direito de declarar o herdeiro indigno a sentença penal condenatória, que nada mais é que um procedimento de jurisdição contenciosa”. 

 Uma das diferenças entre indignidade e deserdação, é que enquanto a pena de indignidade é cominada pela própria lei, nos casos taxativos, a deserdação depende da vontade exclusiva do autor da herança, que deve ser imposta ao culpado no ato de última vontade, desde que fundada em motivo legal.

2. Espécies e Previsão Legal:

a) INDIGNIDADE:

Os fatos que geram a exclusão por indignidade estão previstos no artigo 1.814 do Código Civil. Na obra CURSO DE DIREITO CIVIL – DIREITO DAS SUCESSÕES, o doutrinador Washington de Barros Monteiro conceitua que “indignidade constitui pena civil cominada a herdeiro acusado de atos criminosos ou reprováveis contra o de cujus”. Com a prática de algum desses atos à posição do herdeiro torna-se incompatível com o agente, tornando-o incapaz de suceder.

Na exclusão por indignidade a pessoa comete um dos atos previstos no artigo citado acima, e para ser declarado indigno precisa ser proposta uma ação denominada de AÇÃO DECLARATÓRIA DE INDIGNIDADE.

Art. 1.814. – Código Civil: São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários:

I - que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;

II - que houverem acusado caluniosamente em juízo o autor da herança ou incorrerem em crime contra a sua honra, ou de seu cônjuge ou companheiro;

III - que, por violência ou meios fraudulentos, inibirem ou obstarem o autor da herança de dispor livremente de seus bens por ato de última vontade.

No inciso I preceitua homicídio doloso, tanto consumação quanto tentativa, levando em conta o simples ato (ou tentativa deste) não importando se houve uma ação penal condenatória transitada em julgado. É necessário que tenha sido autor, co-autor ou partícipe da ação de matar e que o homicídio tenha sido praticado (ou tentado) em sua forma dolosa. O ato contra a vida supramencionado é condenado tanto quando cometido contra o autor da herança, como quando cometido contra a vida das pessoas relacionadas ao autor, por exemplo, indivíduo que mata a madrasta (esposa de seu pai). Neste caso, o filho torna-se indigno perante a herança de seu pai por ter atentado contra a vida de uma pessoa relacionada ao autor da herança.

Já no nosso inciso II está tipificado o crime contra a honra, incluindo, assim, calúnia, difamação e injúria, por exemplo, um filho que acusa o pai de ser assassino, cometendo assim, o crime de calúnia. Diferentemente do inciso citado acima, o crime contra honra necessita de uma sentença penal transitada em julgado. No exemplo mencionado, seria necessário que o pai acusado, entre com uma Ação Penal contra o filho para que o mesmo perca a vocação. A hipótese de exclusão citada nesse inciso valerá quando cometida contra o autor da herança e ao cônjuge ou companheira da mesma.

O inciso III se refere a crimes contra a liberdade de testar do autor da herança. Se alguém obstar ou impedir que a liberdade de lei ou de testamento exista, será este, excluído da sucessão, por exemplo, um filho que encontra o testamento de seu pai e o joga fora impedindo que à vontade do morto chegue até a lei; ou quando um filho impeça que o pai elabore o testamento. A única pessoa que pode ser considerada vitima dos atos contra a liberdade é o próprio autor da herança, não gerando indignidade se o for cometido contra sua esposa, por exemplo.

São pessoais os efeitos da condenação da indignidade não podendo ultrapassar a pena do réu. Exemplo: se um filho mata o pai, os netos não sofrem a pena; o filho será considerado supostamente morto. O indigno fica considerado pré-morto. Entretanto, se os netos forem menores de idade, os pais tem o direito real de usufruto em decorrência do poder de família, ou seja, mesmo seu pai sendo considerado indigno perante a herança do avô das crianças, poderá usufruir tudo se as mesmas forem menores de idade. E não adianta nada que ele mate o próprio filho para retomar a herança havida pelo avô das crianças. Um indigno não pode retomar os direitos que lhe foram indignos.

O prazo é de quatro anos para interpor a ação e começar a discutir se a pessoa praticou ou não indignidade, contados da abertura da sucessão. Ou seja, no dia seguinte da morte, conta o prazo de quatro anos. Não sendo proposta a ação no prazo o filho não será indigno. Exemplo: um irmão mata o outro. O irmão assassino se torna indigno dos pais e seu prazo começa a contar só quando o pai morre e não da data do ato criminoso. É necessário esperar a morte do autor da herança para começar a correr o prazo. 

A sentença da Ação Declaratória de Indignidade gera efeito EX TUNC, ou seja, até que se prove o contrário o herdeiro tem posse e propriedade de todos os bens até então seus por direito. Se no meio da ação o herdeiro decidir vender a propriedade, e quem comprou o fez de Boa Fé, a venda é valida. Alienação onerosa de boa fé tem efeito EX NUNC. Se for uma alienação não onerosa, por exemplo, o efeito é EX TUNC e não é válido. A boa fé se configura com o “não saber” de quem comprou que quem o vendeu é um suposto assassino do pai dele.

O parágrafo único do artigo 1.816 do Código Civil transcreve que o excluído da sucessão não terá direito ao usufruto ou à administração dos bens que a seus sucessores couberem na herança, nem à sucessão eventual desses bens. O aluguel e o arrendamento são considerados frutos da administração, porém se o filho for indigno, terá que devolver os frutos da herança. Se o juiz impedir que o filho tenha a posse e propriedade de sua herança no período de investigação, ele estará prejulgando que o filho matou o pai antes de ser sentenciado.

Existe a chamada “REABILITAÇÃO DO INDIGNO”. O autor da herança tem o poder de perdoar o ato de indignidade, através de declaração expressa dessa sua vontade. Deverá usar o testamento ou outro documento de sua lavra. O ato de perdão do autor reabilita o herdeiro da indignação à herança. Não se admite o perdão tácito e nem presumido. Todo perdão deve ser expresso. Não basta estar escrito “eu perdôo meu filho”, é necessário que esteja especificado exatamente o que ele está perdoando. Sendo necessário escrever: “perdôo o meu filho, pelo atentado a minha vida no dia tal e tal”. O perdão deve constar no testamento ou qualquer outro documento autêntico. Não precisa de testemunha, escritura publica e nem reconhecimento de firma. Se, por exemplo, João com três filhos Huguinho, Zezinho e Luizinho. Huguinho tentou matar o pai dia 1º de fevereiro de 2000. O MP denuncia Huguinho pelo crime de tentativa de homicídio, dia 15/03/2001. A sentença é transitada em julgado dia 15/03/2003 e Huguinho vai preso. Anos depois, ao sair da prisão vai morar com o pai dia 16/07/2005. João faz um testamento deixando uma fazenda para o Huguinho no dia 20/08/2010, vindo a falecer dia 27/08/14. O fato de Huguinho sair da prisão e ir morar com seu pai não se configura como perdão, por não estar expresso. Entretanto, o pai de João sabia da indignidade e ainda assim colocou o filho no testamento, nesse caso a indignidade não afetará o testamento. Não se configura como perdão tácito, pois o herdeiro continua fora da herança legítima, mas não da vontade do morto Todavia, se João tivesse feito o testamento antes da tentativa de homicídio cometido pelo filho, presumir-se-á que o mesmo não pretendia manter Huguinho ali, afetando, assim, o testamento.

b) Deserdação:

A deserdação é a exclusão ou a privação que determinada pessoa sofre de uma herança ou sucessão, que anteriormente lhe era devida. É o ato de vontade onde o autor da herança se manifesta para a exclusão da sucessão de um de seus herdeiros necessários por ter praticado uma conduta tida como ilícita. A deserdação possui causas próprias para sua ocorrência, sendo elas válidas apenas para os herdeiros necessários. O cônjuge não possui causas próprias de deserdação, podendo ser deserdado apenas pelas causas previstas na indignidade.

Art. 1.962. – Código Civil: Além das causas mencionadas no art. 1.814, autorizam a deserdação dos descendentes por seus ascendentes:

I - ofensa física;

II - injúria grave;

III - relações ilícitas com a madrasta ou com o padrasto;

IV - desamparo do ascendente em alienação mental ou grave enfermidade.

O inciso I faz menção ao crime de ofensa grave, que podemos considerar como sendo o crime de lesão corporal em todos os seus graus e, independente de dolo ou culpa, ou seja, um simples arranhão do filho contra o pai com boletim de ocorrência anexado ao testamento e uma carta solicitando a exclusão, já causa deserdação. As vias de fato, só geram deserdação se causar lesão corporal, pois a mesma sim é critério. Ofensa moral não se configura como ofensa grave.

Já no inciso II está previsto o crime de injúria grave, ou seja, está estabelecido o grau do crime contra a honra previsto. Nesse caso é dispensável a ação penal. A injuria grave ocorre quando o herdeiro a pratica contra o autor da herança, entretanto, o legislador exige que sejam declarações graves. É necessário observar que não há necessidade de a injúria ser praticada em meio a uma discussão, pois muitas vezes a manifestação do pensamento injurioso do herdeiro ocorre perante a sociedade, sem a presença do autor da herança.

No inciso III está tipificado que qualquer ato sexual realizado entre enteado(a) e madrasta / padrasto será considerado causa para deserdação. A expressão relações ilícitas, sugere a aproximação físico-emocional entre os citados na lei (herdeiros), como é o caso de adultério ou até mesmo incesto, que também figura como excludente de sucessão. Ou seja, se, por exemplo, o pai flagrar seu filho com sua esposa, o filho se encontrará deserdado perante a sucessão de seu pai.

E, para finalizar, o inciso IV trata o desamparo do herdeiro para com o autor da herança que está acometido de doença grave ou grave enfermidade. Exemplo: o Pai possui doença mental que o deixa debilitado no fim de sua vida e é desamparado pelo filho, que o abandona sem qualquer cuidado ou afeto. O filho, então, será deserdado. A intenção do legislador é castigar o herdeiro que não acompanhou o de cujus em momentos difíceis. Esta foi a forma encontrada para não prestigiar o herdeiro que agiu sem moral para com o testador.

Para que exista a exclusão da sucessão por DESERDAÇÃO, é necessário intentar com a AÇÃO DECLARATÓRIA DE DESERDAÇÃO, que pode atuar como autor da ação qualquer pessoa que tenha interesse na exclusão. Nessa ação, deve ser juntado o testamento que consta a manifestação de deserdação do de cujus para que seja provada a causa. Não é necessário colocar no testamento a prova da causa, apenas o que ocorreu já é o suficiente. Se ninguém mover a ação de nada vai adiantar a vontade de deserdação no testamento. A pessoa deserdada tem direito à defesa. O prazo para se entrar com a ação é de quatro anos contados a partir da abertura do testamento.

3. Considerações Finais:

  • Na indignidade, o autor não manifesta sua vontade, já na deserdação manifesta;
  • Na indignidade é necessária uma tipicidade prescrita em lei que não deixa permanecer com a herança. A deserdação faz com que a vontade esteja vinculada com um tipo que a lei prescreve.
  • A vontade não é soberana para tirar alguém da sucessão, só se tiver fundamenta em lei;
  • Toda causa de indignidade gera deserdação, mas não vice e versa;
  • Indignidade é necessário uma ação declaratória de indignidade, na deserdação existe a ação declaratória de deserdação;
  • Em ambos só propõe a ação quem tiver interesse na exclusão;
  • Na deserdação é indispensável à existência do testamento. Só pode ser manifestado no testamento, já na ação de indignidade não tem requisito de documento;
  • Na deserdação, só pode ser excluído o herdeiro necessário: descendente, ascendente e cônjuges. Já na indignidade todos os sucessores, legítimos testamentários e legatários.
  • Utilizar as causas da indignidade pode causar a deserdação, mas existem causas próprias para gerar a deserdação, mas não a indignidade.

4. Referências Bibliográficas:

- GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro – Volume 7. Ano 2012. Editora Saraiva.

- DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro – Volume 6 – 29ª Ed. Ano 2014. Editora Saraiva.

  


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria