Para incentivar o crescimento da estrutura portuária, o Governo concede benefícios fiscais às empresas optantes ao REPORTO

E se você, pessoa jurídica, pudesse economizar uma quantia um tanto quanto significativa para sua empresa? O Governo tem diversos regimes especiais de tributação a fim de incentivar o desenvolvimento de cada setor beneficiado e com isso, aquecer o termômetro da economia do país. Desde 2006, um desses regimes vem trazendo ótimos benefícios aos portuários.

Visando incentivar o crescimento e recuperação dos portos brasileiros, o Governo Federal concede diante da Lei nº 11.033, suspensão de IPI, PIS/PASEP, COFINS e Imposto de Importação para aqueles que estiverem enquadrados no Regime Tributário para Incentivo a Modernização e Ampliação da Estrutura Portuária – REPORTO.

São beneficiados pelo regime, o operador Portuário; o concessionário de porto organizado; o arrendatário de instalação portaria de uso público e a empresa autorizada a explorar instalação portuária de uso privativo misto.

Tal benefício pode ser aproveitado na venda realizada no mercado interno, com suspensão de IPI (alíquota média de 5%), PIS/PASEP (alíquota de 1,65%), COFINS (alíquota de 7,6%) e na importação IPI (alíquota média de 5%), PIS/PASEP (alíquota de 1,65%), COFINS (alíquota de 7,6%) e Imposto de Importação (alíquota de 14%).

Além desses, o regime também dá benefício relacionado ao ICMS, que autoriza os Estados dos quais são mencionados no D.O.U. de 05/04/2005 a conceder isenção do ICMS na importação de bens destinados à modernização de zonas portuárias do Estado. Para obter o beneficio deve registrar-se no Convênio ICMS 99/05 – Conselho Nacional de Política Fazendária-CONFAZ.

Vale ressaltar que a suspensão do Imposto de Importação somente será aplicada aos bens que não possuírem similar nacional capaz de substituí-lo em condições de preço, qualidade e prazo de entrega. Para bens adquiridos no Brasil mesmo que tenham sido anteriormente importados, esta situação não é aplicável.

Para utilizar o REPORTO, a empresa deve estar previamente habilitada na Secretaria da Receita Federal (SRF) e exercer a venda direta de máquinas, equipamentos e outros bens no mercado interno, ou na importação diretamente às empresas beneficiárias do regime em questão; assim, ocasionando inclusão no seu ativo imobilizado e utilização exclusiva na execução de serviços de carga, descarga e movimentação de mercadorias.

Contudo, sabendo que o regime está próximo do fim (31.12.2015), surgem muitos questionamentos sobre o porquê ainda adota-lo. Levando em consideração o alto valor dos equipamentos utilizados em portos e a longa vida útil desses, se a empresa optar pelo REPORTO antes do seu término, pode ainda ter uma boa redução no valor de compra; o que acarretará em uma boa economia para a empresa.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria