O artigo em anexo refere-se à REVOGAÇÃO DO TESTAMENTO. 1. CONCEITO, 2. FORMAS DE REVOGAÇÃO DO TESTAMENTO, 3. REVOGAÇÃO POR TESTAMENTO INEFICAZ, 4. SOBRE O RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE, 5. CONCLUSÃO, 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

1. CONCEITO:

Para Caio Mário da Silva Pereira, a “revogação do testamento é, então, o ato pelo qual se manifesta a vontade do testador, tornando-o ineficaz. Reveste todas as características de um novo ato de vontade – voluntas novíssima – subordinado, portanto aos requisitos externos e internos de validade”.

A revogação é feita pelo testador, que em vida, se manifesta conscientemente com o fim de tornar o testamento ineficaz.

Já para Maria Helena Diniz, a revogação do testamento “funda-se no principio da autonomia da vontade, daí ser irrenunciável, não prevalecendo qualquer cláusula testamentária em que o testador declare que nunca revogará seu testamento”.

2. FORMAS DE REVOGAÇÃO DO TESTAMENTO:

O testamento poderá ser revogado por qualquer outro testamento, seja ele público, cerrado, particular, marítimo, aeronáutico ou militar.

 O codicilo não revoga testamento, nem escritura pública, mas o testamento pode revogar o codicilo.

No que se refere a sua extensão, a revogação pode ser total ou parcial. Será ela total, quando retirar a inteira eficácia do testamento, e parcial, quando atingir apenas parte dele.

No tocante a forma utilizada, a revogação pode ser expressa, tácita ou presumida. Expressa, resulta de uma declaração clara do testador, manifestada em um novo testamento.

Tácita, poderá ocorrer em duas hipóteses. A primeira é quando o testador não declara que revoga o testamento anterior, mas há, no entanto incompatibilidade entre as disposições deste e as do novo testamento.

A segunda hipótese ocorre em caso de dilaceração ou abertura do testamento cerrado, pelo testador ou por outra pessoa, com o seu consentimento. Segundo Sílvio de Salvo Venosa, “cabe aos interessados provar a eficácia ou ineficácia do testamento”. Essa abertura só poderá ser feita pelo juiz. Se outro abrir, este será nulo, mas se o testador abrir ou for aberto com o seu consentimento, o testamento será revogado.

Revogação presumida, que ocorrerá quando a lei considerar um fato importante e capaz de alterar a manifestação de vontade do testador.

3. REVOGAÇÃO POR TESTAMENTO INEFICAZ:

Artigo 1.971 do Código Civil: “A revogação produzirá efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra vier a caducar por exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro nele nomeado; não valerá, se o testamento revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou por vícios intrínsecos”.

Se o testamento posterior for inválido, este não produzirá o efeito revocatório pretendido pelo de cujus.

De acordo com Carlos Roberto Gonçalves, testamento “é um negócio jurídico solene: só terá validade se observadas todas as formalidades essenciais previstas na lei (ad solemnitatem)”.

Apesar de ser válido, o testamento é ineficaz se ele for revogado, rompido ou se ele caducar.

4. SOBRE O RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE:

Sendo o testamento público, prevalece o ato como sendo um reconhecimento.

Sendo o testamento cerrado e rompido o fecho ou dilacerada a cédula, prevalecerá como declaração paterna de reconhecimento. O reconhecimento de filhos, no testamento, é irrevogável.

5. CONCLUSÃO:

Conclui-se que o testamento é revogável. É nula a cláusula que imponha a irrevogabilidade. A revogação é a manifestação da vontade do autor da herança.

Independente da forma como foi feito, o testamento pode vir a ser revogado por qualquer outra forma válida. Podendo essa revogação ser total ou parcial, expressa, tácita ou presumida.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

DINIZ, Maria Helena. Código Civil anotado - 22ª ed. rev. e atual – São Paulo: Saraiva, 2008.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, volume VII. São Paulo: Saraiva, 2010.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. Direito das Sucessões. Volume VI. 17ª edição. Editora Forense, 2009.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: direito das sucessões- 9ª Edição – São Paulo: Atlas, 2009.

Jéssica Lima Dias- Cód. 790591 - UAERP - 


Autor


Informações sobre o texto

TRABALHO DA FACULDADE

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria