Fala um resumo da partilha de bens.

Da Partilha

Artigos 2013 a 2022 do Código Civil.

“Partilha é a divisão oficial do monte líquido, apurado durante o inventário, entre os sucessores do de cujus, para lhes adjudicar os respectivos quinhões hereditários.”

Para Pontes de Miranda, “partilha é a operação processual pela qual a herança passa do estado de comunhão pro indiviso, estabelecido pela morte e pela transmissão por força da lei, ao estado de quotas completamente separadas, ou ao estado de comunhão por indiviso, ou pro diviso, por força da sentença”.

Por este motivo a partilha tem como principal efeito a extinção da comunhão hereditária que se estabeleceu, por força da lei, com o falecimento do de cujo.

Qualquer herdeiro, cessionário e credor do herdeiro poderá a todo tempo, requerer a partilha, para pôr termo à comunhão sobre a universalidade dos bens da herança.

Se houver um único herdeiro, faz a adjudicação dos bens. A situação se simplifica, pois não haverá partilha nem divisão, podendo ser utilizado o inventário simplificado, na forma de arrolamento sumário.

Existem tipos de partilhas; a amigável ou Judicial.

A partilha amigável é resultado de acordo entre interessados capazes, já a judicial é aquela realizada no processo de inventário, por deliberação do juiz, será obrigatória quando os herdeiros divergirem, ou se algum deles for incapaz.

“Para a validade da partilha dever-se –à observar a maior igualdade possível quanto ao valor, natureza dos bens, ao proceder à partilha n sucessão legítima, pois na testamentária prevalecerá a vontade do testador, respeitando o direito dos herdeiros necessários.”

Partilha por ato inter vivos ou partilha em vida é feita pelo ascendente, por escritura pública ou testamento, só poderá ser efetiva desde que não prejudique a legítima dos herdeiros necessários.

Ter-se-á sobrepartilha os bens que, por alguma razão, não tenham sido partilhados no processo de inventário, sendo uma complementação da partilha, destinada a suprir omissões.

Bibliografia:

Código Civil Anotado; Editora Saraiva; 16ª edição; Maria Helena Diniz

Direito Civil Brasileiro; Editora Saraiva; 5ª edição; Carlos Roberto Gonçalves


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria