trata-se de artigo jurídico que traz o conceito de Arbitragem e a evolução do instituto no ordenamento jurídico pátrio.

ARBITRAGEM - CONCEITO E EVOLUÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO

 Em tempos de Judiciário sobrecarregado, surge nova proposta para solução de conflitos - Arbitragem.
 Trata-se, conforme lição do professor e mentor da lei Carlos Alberto Carmona, de 'mecanismo privado de solução de litígios' (CARMONA, Carlos Alberto. A Arbitragem e Processo: um comentário à Lei nº9.307/96, São Paulo:Malheiros, 1998. p.43); a arbitragem e 'meio alternativo de solução de controvérsias através da intervenção de uma ou de mais pessoas que recebem seus poderes de uma convenção privada' (id. ibid., p.43) - decorre do principio da autonomia da vontade das partes - para exercer sua função, decidindo com base em tal convenção, sem intervenção estatal, tendo a decisão idêntica eficácia de sentença proferida pelo Poder Judiciário.
 Ainda, é um 'meio de heterocomposicao dos litígios' (CÂMARA, Alexandre Freitas. Arbitragem, 2ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p.9/10.), posto a decisão do conflito ser proferida por um terceiro necessariamente, trata-se de uma técnica para 'solução de controvérsias alternativa a via Judiciária caracterizada por dois aspectos essenciais: são partes da controvérsia que escolhem livremente quem vai decidi-la, os árbitros, e são também as partes que conferem a eles o poder e a autoridade para proferir tal decisão'.
 Dessarte, a ideia tampouco a legislação pertinente são recentes. A arbitragem era prevista no direito pátrio desde as Ordenações Filipinas, que disciplinava a matéria no titulo XVI do Livro II. Com efeito, os estudos a respeito do tema vêm de longa data, entre eles, anteprojetos de lei em 1981, 1986, 1988 e, ao final, a Lei nº 9307/1996, que está vigente hoje no ordenamento jurídico pátrio.
 Vale destaque a “operação arbiter”, promovida pelo Instituo Liberal de Pernambuco, em 1991, que lançou a operação com o escopo de discutir o tema Arbitragem, culminando com a elaboração de um anteprojeto de lei que resolvesse as entraves que cercavam 'um meio alternativo eficaz e célere para solução de controvérsias (CARMONA, Carlos Alberto. Ob.cit., p.21).
 A operação contou com o apoio da Associação Comercial de São Paulo e foi aceita por diversas entidades, tais como FIESP e Instituto Brasileiro de Direito Processual, entre outros. O anteprojeto final foi apresentado e discutido no Seminário Nacional sobre Arbitragem Comercial, em Curitiba/PR, em 1992.
 O anteprojeto que se converteu em lei - os anteprojetos anteriores foram aproveitados, na medida do possível, pela comissão relatora, que se embasou especialmente 'na legislação espanhola de 1988 e na Lei-modelo sobre Arbitragem Comercial UNCITRAL' (CARMONA, Carlos Alberto. Ob.cit., p.23), além das Convenções de Nova Iorque (na ratificada pelo Brasil) e no Panamá.
 Iniciou-se a tramitação legislativa; o projeto recebeu o nº 78/92, apresentado o esboço de lei ao Congresso Nacional pelo senador Marco Maciel. Foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal e não houve interposição de recurso regimental contra a decisão da Comissão. Aprovado, então, pelo Senado Federal, foi enviado à Câmara dos Deputados para revisão, onde teve processamento lento, e apenas em 1995, foi publicado para que recebesse eventuais emendas.
 Após a tramitação necessária, o Senado Federal aprovou o projeto, com duas alterações introduzidas pela Câmara dos Deputados, e o Presidente da Republica sancionou a Lei de Arbitragem em sessão solene em 23/06/1996, com a publicação do texto no Diário Oficial da União em 24/06/1996; passando a viger a nova lei em 60 dias apos sua publicação, confere o estudo do professor Carlos Alberto Carmona. (Carmona, Calos Alberto, ob.cit., p.26)
 A Lei nº9.307/96 é composta por sete capítulos e 44 artigos. Dispõe sobre o conceito de arbitragem e faz referências gerais, dispõe sobre convenção arbitral e árbitros, e regula, ainda, o procedimento arbitral e a sentença, bem como trata do reconhecimento e execução da sentença arbitral estrangeira.
 Trata-se de diploma apartado do Código de Processo Civil, tendo em vista que a lei não traz tão somente dispositivos processuais, optou o legislador por não inseri-la no Código. Revogou todo o Capitulo XIV do titulo I do Livro IV da Lei n5869/73, bem como o capitulo X do titulo II do livro III do Código Civil de 1916. Já o Código Civil de 2003 disciplina a matéria no capitulo XX em harmonia com a lei especial, admitindo e dirimindo duvidas a respeito da aceitação ou não do instituto da arbitragem no ordenamento jurídico brasileiro.
 Tramita hoje no Senado Federal projeto de lei que visa alterar a Lei de Arbitragem, proposta de autoria do Senador Renan Calheiros, com data de apresentação em 02/10/2013 e situação atual remessa à Câmara dos Deputados desde 11/02/2014, pretende ampliar o âmbito de aplicação da arbitragem e dispor sobre a escolha dos árbitros quando as partes recorrem a órgão arbitral, a interrupção da prescrição pela instituição da arbitragem, a concessão de tutelas cautelares e de urgência nos casos de arbitragem, a carta arbitral, a sentença arbitral e o incentivo ao estudo da arbitragem.
 Colaciona-se a explicação da ementa:
 'Altera a Lei nº 9307/96 – que institui a Lei de Arbitragem – para estabelecer que a Administração Pública direta e indireta poderá utilizar-se de arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis decorrentes de contratos por ela celebrados; fixa critérios para a inclusão de cláusula compromissória nos contratos de adesão, nas relações de consumo estabelecida por meio de contrato de adesão e nos contratos individuais de trabalho; determina que as partes, de comum acordo, poderão afastar a aplicação de dispositivo do regulamento do órgão arbitral institucional ou entidade especializada que limite a escolha do árbitro único, coárbitro ou presidente do tribunal à respectiva lista de árbitros, autorizado o controle da escolha pelos órgãos competentes da instituição; permite aos árbitros proferir sentenças parciais e determina que as partes e os árbitros, de comum acordo, poderão prorrogar o prazo estipulado para proferir a sentença final; estabelece que a parte interessada poderá pleitear ao órgão do Poder Judiciário competente a declaração de nulidade da sentença arbitral; determina que para ser reconhecida ou executada no Brasil, a sentença arbitral estrangeira está sujeita, unicamente, à homologação do STJ; disciplina as tutelas cautelares e de urgência no processo de arbitragem e a Carta Arbitral; prevê que o MC deverá incentivar as instituições de ensino superior a incluírem em seus currículos a disciplina da arbitragem como método de resolução de conflitos; estabelece que o CNJ e o CNMP deverão incentivar a inclusão, nos conteúdos programáticos de concursos públicos para o ingresso nas carreiras do Poder Judiciário e do Ministério Público, respectivamente, de matéria relacionadas à arbitragem como método de resolução de conflitos; altera a Lei nº 6404/76 – que dispõe sobre as Sociedades por Ações – para estabelecer que a aprovação da inserção de convenção de arbitragem no estatuto social obriga a todos os acionistas da companhia, assegurado ao acionista dissidente o direito de retirar-se da companhia mediante reembolso do valor de suas ações.'
Diante da apresentação exposta, conclui-se que o instituto da Arbitragem vem evoluindo no ordenamento jurídico pátrio, mostrando-se como importante forma de resolução de conflitos, visando dar maior praticidade e aplicação a essa alternativa eficaz de pacificação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
CARMONA, Carlos Alberto. A Arbitragem e Processo: um comentário à Lei nº9.307/96, São Paulo:Malheiros, 1998.
CÂMARA, Alexandre Freitas. Arbitragem, 2ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria