Por que enviar tudo ao Judiario

Nossa cultura hoje é resolver todo o tipo conflito que nos aparece, através do Judiciário.

De vinte anos para cá, essa prática acabou por congestionar o nosso Sistema Judiciário em todo o Brasil, com milhões de ações que se acumulam e, o que é lamentável, em sua grande maioria totalmente desnecessárias de decisões judiciais para serem resolvidas, pois poderiam ser dirimidas através de outras formas de resolução de conflitos.
Esse congestionamento fez com que os Juízes hoje, em média brasileira, tenham que julgar cerca de 4.800 processos por ano, o que convenhamos, com a estrutura atual, é impossível.
Perdemos todos, ao não modificarmos essa cultura beligerante. 

Perdem os litigantes pelo tempo e recursos despendidos, perde o nosso Sistema Judiciário pelo acúmulo desnecessário de processos, perde a sociedade como um todo, que não consegue ter seus direitos atendidos.

A utilização da Conciliação, da Mediação e da Arbitragem são ferramentas importantes para mudarmos essa cultura.
Devemos implementar estas medidas de forma natural em nossas vida. Na nossa casa para os conflitos familiares, de vizinhança e de relacionamentos em geral, na escola, no trabalho etc.

A Conciliação, podemos aplicar em todos os momentos de nossa vida, nos imbuindo de um espírito conciliador. A Mediação devemos buscar quando o diálogo entre as partes esta ficando difícil ou até mesmo inexistente e, a Arbitragem quando precisarmos que um terceiro, especialista no assunto, competentemente e imparcialmente , que decida a questão.
Devemos nos lembrar que a Sentença Arbitral tem a mesma força e peso de uma Sentença Judicial, pois faz coisa julgada, dela não cabe  recurso e é um titulo executivo judicial. Já de num processo que corre no Judiciário, podem ser aplicados 22 recursos possíveis,  que acabam por arrastar a solução do processo por vários anos.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria