O presente trabalho expõe de forma geral o tema da crise ambiental, esclarecendo o conceito de desenvolvimento sustentável para discutir e propor meios de harmonizar tanto o desenvolvimento econômico, como a conservação ambiental.

O presente trabalho expõe de forma geral o tema da crise ambiental, esclarecendo o conceito de desenvolvimento sustentável surgido na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e propor meios de harmonizar tanto o desenvolvimento econômico, como a conservação ambiental. Tal definição estabelece que desenvolvimento sustentável é aquele capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações, ou seja, é o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. O problema central que envolve a questão da crise ambiental é que não há previsão prática para a construção do Estado de direito ambiental almejado. A transformação que a sociedade aspira somente é alcançada pelo exercício individual e coletivo da cidadania, ainda assim, por ter adquirido status de proteção constitucional, já demonstra que o país aproximou-se da questão ambiental. A justificativa para a preocupação com o meio ambiente se dá pelo fato de que os problemas ambientais que ocorrem em determinado local, não restringem seus efeitos somente onde o caso ocorreu. Aborda-se com o estudo, que nos séculos XIX e XX, com a Revolução Industrial e posteriormente, houve evidente manifestação do sentimento de apropriação do ser humano, derivado de uma ideologia liberal-individualista, com exploração intensa dos recursos naturais, gerando uma verdadeira crise ambiental que contrapõe de um lado o desenvolvimento como interesse do homem e de outro, a preservação e o equilíbrio da natureza. Surgiram diversos alertas quanto ao possível esgotamento dos recursos naturais e as consequentes catástrofes ambientais, caso não houvesse uma mudança na postura do homem em relação ao meio ambiente. Irrompe a necessidade de inserir o meio ambiente na proteção jurídica, com um aparato legislativo suficiente a protegê-lo e a punir os excessos praticados contra. Pelas formas de utilização até então adotadas, houve agravamento dos problemas ambientais evidenciando a ineficácia das políticas de gestão ambiental, aumentando a preocupação com o tema, até que a Conferência de Estocolmo de 1972 marca a difusão da crise ambiental. A metodologia usada quanto ao tipo é bibliográfica, abordada através de livros, dados publicados na internet e artigos científicos, que direciona para as conclusões expostas. Por fim, conclui-se pela necessidade de compatibilizar o progresso humano e a proteção ambiental, com o chamado desenvolvimento sustentável, uma vez que o meio ambiente passa a ser protegido em diversas constituições, como na do Brasil, Portugal, Colômbia e Cuba, com a incorporação do direito ao ambiente equilibrado como sendo fundamental. Eis que, com a proteção voltada ao tema meio ambiente, os princípios da prevenção e precaução ficam em evidência, com a discussão da democracia participativa, a preocupação e a prática de diversos setores da sociedade no estudo e implementação de educação ambiental e responsabilização ampla dos poluidores.

Palavras-chave: Meio ambiente. Desenvolvimento sustentável. Crise ambiental.

BIBLIOGRAFIA

MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. Proteção internacional do meio ambiente. In: MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. Curso de Direito Internacional Público. São Paulo, 2014. p. 1059-1087.

PILATI, Luciana Cardoso. Crise ambiental, sociedade de risco e estado de direito do ambiente. In: PILATI, Luciana Cardoso. Direito Ambiental Simplificado. São Paulo, 2011. p. 9-45. 



Informações sobre o texto

Artigo apresentado na V Semana do Direito da Faculdade Nordeste FANOR DEVRY.

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria