SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO................................................................................04

2 A SAÚDE BUCAL BRASILEIRA...................................................05

2.1 Das condições precárias de conhecimento cultural e financeiro....05

2.2 A estrutura funcional da boca.........................................................05

3 O PAÍS DOS DESDENTADOS........................................................06

3.1 Da manobra temporária para solução do problema........................07

4 A SAÚDE BUCAL NA CONTRAMÃO..........................................08

4.1 A não utilização de critérios para a aprendizagem de higienização bucal nas comunidades carentes...........................................................................08

5 CONHECER TEORICAMENTE.....................................................09

5.1 A mutilação inconsciente................................................................09

6 POPULAÇÃO NEGRA.................................................................... 09

7 EDUCAÇÃO PRIMORDIAL...........................................................10

8 CONCLUSÃO...................................................................................11

9 FINALIZANDO................................................................................12

10 CRONOGRAMA.............................................................................12

11 REFERÊNCIAS................................................................................13

1 INTRODUÇÃO

A abordagem sobre a questão da Saúde Bucal no Brasil foi escolhido propositalmente dentre outros temas, a fim de subsidiar conhecimentos básicos para umas das partes mais importantes do corpo humano, justamente por ser a porta de entrada dos alimentos e de sua maravilhosa importância para uma boa articulação vocal e expressão de bem estar físico, porém, são inacreditavelmente alarmantes os índices de pessoas desdentadas que habitam no Brasil.

Acredita-se que muito se faz, todavia, muito há de ser feito para a reversão deste quadro desastroso de desdentados, tal informação estarrecedora foi apresentada pelo próprio Governo Federal Brasileiro, onde em 2003 resultou na atitude de se juntarem vários órgãos, inclusive o Ministério da Saúde, cuja organização ficou a cargo da coordenação de saúde Bucal, que teve a participação e colaboração de várias instituições governamentais e não governamentais, dentre elas entidades odontológicas e universidades de todo o Brasil, com apoio direto das Secretarias Estaduais e Municipais de saúde para a realização de um levantamento de dados acerca da situação da saúde bucal da população.

Exames minuciosos foram realizados por meios de entrevistas em relação às patologias dentarias dos indivíduos com problemas de saúde bucal em grupos e faixas etárias distintos, onde se atingiu cerca de 250 municípios com as pesquisas, tanto no âmbito da zona urbana quanto na zona rural.

O quadro estatístico apresentado pede providencias imediatas, tendo em vista que cerca de 30 milhões de brasileiros perdem consideravelmente a capacidade de mastigar, de sorrir e de falar naturalmente, e passado sete anos e muito tímida a conscientização em boa parte da população para o assunto, contudo, falta o poder público voltar a dar atenção para o problema e continuar com os programas que foram disponibilizados na época, e atualmente têm-se como esquecidos.

2 A SAÚDE BUCAL

    1. Das condições precárias de conhecimento cultural e financeiro

O tema Saúde Bucal será abordado pelo pesquisador por despertar interesse visível, diante de demonstrações naturais de uma classe social com poder aquisitivo considerado baixo, sendo maioria, esta classe social apresenta sem hipocrisia o verdadeiro sorriso brasileiro.

A observação sobre o fato, não teve visão diretamente profissional, apesar de ter conhecimentos básicos, adquirido tecnicamente, todavia a situação atual estarrecedora conota o retrato de uma população carente de subsídios tecnológica para sua humilde capacidade financeira, há quem contradiz esta visão, como o cirurgião dentista Dr. Luciano Artioli Moreira, presidente da Associação Brasileira de Cirurgiões-Dentista (ABCD), que afirma:

Independente da situação financeira, e a falta de cultura que, com frequência, conduz o indivíduo a uma rotina de hábitos alimentares, pouco saudáveis e a uma higiene oral de má qualidade, acarretando os problemas gengivais e periodontais que motivam a reabsorção óssea e a consequente perda dos dentes.

Até concordo em parte com o que diz o especialista, que a cultura faz toda distinção no processo educacional alimentar, entretanto o que é a cultura se não o essencial do intelectual, cuja base desta cultura, acreditamos está no princípio da educação de maneira geral.

  1. Estrutura funcional da boca

Ao falarmos sobre saúde bucal, vejamos discretamente sua estrutura funcional, fundamentando suas importâncias, no intuito de conhecer para prevenir possíveis problemas bucais:

a) A cavidade bucal- é uma câmara de tamanho variável situado entre o palato (céu da boca), acima, e o soalho de boca, embaixo, onde se situa a língua, o limite anterior é dado pela bochechas.

b) Na cavidade oral encontram-se dentes e gengivas, língua, palato duro e mole, aberturas das glândulas salivares e as tonsilas palatinas (amídalas). Esta cavidade prolonga-se posteriormente na faringe através da garganta.

c)É na boca que ocorre a verificação de sensações como temperatura, gosto e textura, ocorrem ainda à mastigação do alimento para reduzir as partículas mais fáceis de ser deglutidas e para facilitar a ação das enzimas, estas enzimas transformam os componentes alimentares em alimentos menores para o aproveitamento melhor do organismo no processo digestivo.

Os órgãos anexos que atuam no bolo alimentar na boca e a língua, os dentes e as glândulas salivares. Contudo o aparelho digestivo tem seu ponto inicial que envolve cavidades, tubos e órgãos, que vai da boca até o reto, ou seja, uma boa digestão depende de uma boa mastigação, que envolve quebras alimentares, enzimas salivares e distribuições de nutrientes, saudáveis para cada parte do nosso corpo.

Salientando desta forma o tema abordado, envolvendo sua estrutura perante a capacidade da boa mastigação de um bom sorriso e uma boa dicção. Em um contexto geral, a cavidade bucal e composta de 32 dentes (sendo 16 superior e 16 inferior) Em cada arcada dentarias, distributivamente possuímos 04 dentes incisivos; 02 caninos; 04 pré-molares e 06 molares. Cada qual com sua função necessária para o comportamento e desenvolvimento do ser humano.

3 O PAÍS DOS DESDENTADOS

Apesar de basear-se neste projeto pelas informações colhidas por meio de entrevista realizada pela revista Problemas Brasileiros, tenho visão nítida e pessoal do problema em questão, relacionados ao déficit de saúde bucal, levando em consideração a estimativa divulgada pela revista, onde a estatística é muito alta, veio de maneira negativa a intitular o Brasil como o país dos desdentados, não me surpreende tal resultado, tendo em vista que este títula os menos favorecidos, aqueles que apresentam situações financeiras desfavoráveis; onde esta, compromete todo ciclo econômico e social deste país.

O problema fundamenta-se na base estrutural da formação deste indivíduo que não poderá ser atribuída somente a família , na medida em que o Estado como um dos principais componentes sociais deverá agir com seu poder maior instituído a favor do povo carente, oferecendo-lhes o que é básico para indivíduo viver dignamente.

As faltas do conhecimento intelectual desta maioria os fazem desconhecer seus direitos, impossibilitando-os de cobrar de maneira coerente e objetiva, por uma boa educação, boa condições de saúde, trabalhos, lazer, assim como bons programas sociais que de fato esclareça a população.

31 Da manobra temporária para solução do problema

Para o governo de uma forma geral, é mais fácil e mais barato, para seus cofres, ironicamente não posso denominar de público, oferecer em período eleitoral dentaduras, em trocas de votos, sem nenhuma expectativa e pura ignorância, esta maioria assim o faz, viabilizando a lei do retorno instantâneo, ajudando desta forma a elegerem corruptos e se deixando corrompe-se em prol de soluções desvantajosa para a classe pobre, desta forma acreditam estarem solucionando seus problemas, diante de tantos em sua vida miserável.

Neste pulso chegamos a este título onde choca o Governo Federal, como se fosse algo inesperado, assim, é criado programas de caráter emergencial, para desenvolver preventivamente soluções controláveis, inibindo mais ainda o aumento avassalador dos desdentados na estatística brasileira, ótimo, mas sete anos após desta pesquisa cadê os programas, o problema sutilmente continua, novas administrações virão e assim permaneceremos, cabe a cada um de nos procurarmos resolver este e outros problemas.

4 A SAÚDE BUCAL NA CONTRAMÃO

    1. A não utilização de critérios para a aprendizagem de higenização bucal nas comunidades carentes

O projeto borda um assunto que envolve toda a população brasileira, evidenciando uma das muitas dificuldades deste país, é de se considerar que o Brasil tenha chegado a esta estatística negativa tendo em vista que por várias décadas a situação fluiu absorta, devido à falta de estrutura econômica, orientações familiares, assistenciais odontológicas e interesse do poder publicam. O procedimento de extrações dentaria eram realizados, aleatoriamente, mesmo sendo efetuado por profissionais capacitados, com a maior naturalidade, sem maiores recomendações e sem analises detalhadas. Contudo imperava também a vontade do indivíduo, que diante de poucas opções, acreditavam, com quele gesto, estarem livrando-se de um problema, enganavam-se, problemas maiores estariam por vir.

Diante desta triste circunstância, a revista Problemas Brasileiros n°. 383-bimestral- set/out/21007, expõe, opiniões, orientações, perspectivas e soluções com os maiores conhecedores do assunto, assim como pessoas responsáveis por instituições que juntos tentam, buscar a alta estima destes que hoje já se sentem mutilados, procurando evitar que outros se mutilem também, segundo Gilberto Pucca, coordenador nacional de saúde em entrevistas com a revista problemas brasileiro alega:

A população brasileira tem carência que se arrastam há décadas, no campo de saúde bucal, a perda precoce de dentes é grave e a necessidade de prótese é identificada já entre os adolescentes, quase 3% dos adultos, e aproximadamente 6% dos idosos jamais colocaram os pés em um consultório dentários. Afirma Pucca el observa que o longo período durante o qual a saúde dos dentes não foi considerada prioridade pelo Estado impactou de maneira negativa as condições da arcada dentaria de milhões de pessoas em todo o país.

A situação chegou ao ponto consideravelmente absurdo. O impacto foi tão grande que o governo federal, arregaça as manga, passando a adotar sistemas de organizações e tratamentos dentários de caráter emergenciais, disponibilizando e viabilizando de maneira mais direta, a objetividade eu interesse da população, pela procura destes serviços.

5 CONHECER TEORICAMENTE

    1. A mutilação inconsciente

O objetivo foi conhecer de maneira geral, como anda a boca da população brasileira, com foco nas principais consequências que leva um indivíduo a se mutilar causando-lhes danos irreversíveis a sua saúde e a sua alto estima, contribuindo desta forma para que o Brasil seja considerado mundialmente o país dos desdentados.

6 POPULAÇÃO NEGRA

Cerca de mais ou menos 90% da população brasileira descende da origem Africana, consequência provocada pelos portugueses, que ao chegarem aqui, colonizaram nosso país, aprisionando e escravizando os índios ( único povo presente na época) e os negros trazidos do Continente Africano.

Sabemos fisiologicamente falando, que os negros pela sua etnia, considerando sua origem, sua alimentação, seu trabalho, sua dança, ou seja , suas forças de maneira geral teriam tendencias naturais em ter uma boa saúde bucal.

A população brasileira, como são a maioria negra deveriam ter (visão hipotética) dentes naturalmente brancos, fortes, gengivas rosadas bem acentuadas. Isso não ocorre simplesmente por que claramente sabemos que assim como maior na contagem populacional, os negro também são em maiores números quando relacionados ao fator financeiro atribuindo-lhes em posições sociais, tendo sua classe estabelecida uma das mais baixas dentro da categoria.

Finalizando, a classe pobre tem menos oportunidade de trabalho, menos educação, menos dinheiro, menos cultura, menos escovação dentária, menos visão e preocupação se somos ou não considerados o país dos desdentados.

7 EDUCAÇÃO PRIMORDIAL

A educação é a base para chegarmos em qualquer lugar, a sociedade brasileira precisa conscientizar-se que o problema agora não é mais individual, com as união de todos em prol de um Brasil melhor, deverão trabalhar para tentarmos reverter este quadro negativo que hoje se encontra boa parte da população brasileira.

Imagine se em cada lugar dentro das comunidades fosse adaptado mini-consultório dentário, onde no mesmo atendesse toda faixa etária, no intuito pretensioso de mudar a visão cultural, alimentar, educacional dentre outros, dessa comunidade carente que muitas vezes não tem nem o pão para por a mesa, acredito que chegaríamos mais perto de uma possibilidade concreta de atingirmos o objetivo desejado que é a saúde digna.

Projeto como o enunciado e pretendido acima, foi criado, o Brasil Sorridente em 17 de março de 2004, na ânsia de ampliar o atendimento da população objetivando as melhores condições a saúde bucal. Pela primeira vez o governo federal envolveu-se diretamente em um projeto especifico direcionando sua atenção primordial, onde até o presente momento, era instituído através de repasses de verbas para todos os estados distribuir a seus municípios, os quais criavam e organizavam a política de saúde bucal, dentro do sistema único de saúde (SUS). Seu objetivo é o atendimento precoce e direto a população que depende da rede publica para receber tratamento odontológico, disponibilizando profissionais como: odontologista, técnicos em saúde bucal, atende em odontologia e técnico em prótese dentarias. O projeto do governo é excelente, só que sua divulgação e os centros disponíveis são consideravelmente pouco. Acredito que este mesmo projeto, surtiria efeito mais determinante partir de criações mais intensas destes centros, usando escolas associações comunitárias, dentre outros espaços para juntos cm a população formular consultas repetidas.

A promoção, prevenção e recuperação da saúde de maneira geral é dever do Estado, contudo uma boa qualidade de vida no processo preventivo diminui seus encargos, e administrar organizadamente a população sem maiores estatísticas negativa.

8 CONCLUSÃO

Foi visto que durante várias décadas a população brasileira, incluindo a menos favorecida, as consideradas de menor poder aquisitivo, também os mais carentes por sua etnia, os que ignoravam em todos os aspectos a necessidade de uma boa dentição, agindo muitas vezes aleatoriamente, voltadas para costumes, adotando hábitos inadequados prejudiciais para uma boa higienização dentária.

Como vimos era de esperarmos um resultado ruim diante da estatística apresentada, pois o crescimento e desenvolvimento da população brasileira sem uma campanha educacional voltada para o problema só tendia a crescer, todavia e apesar de atualmente e discretamente muitas instituições vem tentando mudar este quadro, acreditando na transformação destes hábitos cm o uso do processo informativo por meio televisivo, didático, falados e escritos tem sido de suma importância para esta evolução de conscientização, visando forçar o conhecimento da população sobre o assunto.

É convicto temos a certeza que esta transformação, dependerá de todos de maneira geral, sem distinção de cor, classe social, religião, dentre outros, já que temos a consciência real que o problema adquirido, agora compromete a todos, quando referido ao Brasil, de maneira negativa vista pelo mundo como o país dos desdentados.

9 FINALIZANDO

A realização do projeto científico foi desenvolvida para atingir o propósito de maneira clara e objetiva, no intuito de aprender e contribuir para fazer futuramente uma monografia de minha própria autoria. É certo que tive acentuadas dificuldades que consegui superar e finalizá-lo , seguindo orientações e materiais que foram passados por nossa docente e baseando-me em literaturas especificas a fim de apresentar um trabalho no nível de graduação.

10 CRONOGRAMA

ETAPA/SEMANA

Escolha do tema de pesquisa

X

pré-elaboração do projeto

X

definição dos capítulos

X

Argumentação e desenvolvimento da proposta

X

Revisão literária

X

Ajustes metodológicos, conceituais, formatação

X

Revisão geral do projeto de pesquisa

X

Apresentação e entrega do trabalho final

X

11 REFERÊNCIAS

Leocinélia, aparecida Vicente, 3ª Edição-curitiba-editora cultural- 2004

Gilberto Pucca. Problemas brasileiros. São paulo. Edição n° 383, pag 01 a 07, setembro/2007

Serviço nacional de aprendizagem do comercio, anatomia e fisiologia do corpo humano-2002, pag. 53 a 55.

Andrade, Maria Margarida de Introdução a etodologia do trabalho cientifico 7ª edição-são paulo- editora atlas-2008.


Autor


Informações sobre o texto

Projeto de pesquisa apresentado à disciplina de Metodologia da Pesquisa do curso de Direito da Faculdade de Olinda – FOCCA. Profª Maria de Fátima Bernardes.

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria