Habeas Corpus - Petição

José Terra, brasileiro, RG..., filho de João Terra, ajudante, residente e domiciliado à Av. T, 100, Jardim Maravilha, Itaberaba- BA, foi preso pela POLINTER em Ipiaú – BA, município em que reside. No dia 14 de janeiro de 2000, por determinação do Dr. Raul José Sarli, Coordenador de Polícia Interestadual – POLINTER, neste Estado, Por execução de ordem de prisão preventiva decretada pelo MM. Juízo da 1ª Vara do Júri de São Paulo – SP. Foi então encaminhado ao Presídio de Salvador, em 23 de maio de 2000, a fim de ser removido para a cidade de São Paulo, onde responde Inquérito Policial e teve a prisão preventiva decretada. Ocorre, porém, que decorridos mais de dois anos do referido ato prisional, o paciente continua recolhido à prisão, não lhe sendo concedido qualquer benefício.

José o procura enquanto advogado. Elabore a medida cabível para a consecução da liberdade de seu cliente.

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 5ª Vara Criminal da Comarca de Salvador - BA.

Maurício Lima da Silva, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB-BA nº 20.330, com escritório profissional na Rua Tabajara, 116, sala 901 – Capela dos Santos – Salvador – BA, local que ora indico para futuras intimações, vêm, respeitosamente, perante V; Exª impetrar ordem, de HABEAS CORPUS, pelos motivos adiante expostos, em favor de.

José Terra, brasileiro, solteiro, RG nº 342.721 – SDS-BA, filho de João Terra, ajudante de pedreiro, residente e domiciliado à Av. T, nº 100, Jardim Maravilha – Itaberaba – BA.

Mantido recolhido no Presídio de Salvador, por determinação do Dr. Raul José Sarli, Coordenador de Polícia Interestadual – POLINTER, neste Estado.

DOS FATOS.

O paciente, conforme se depreende dos documentos 01 e 02 anexos, foi preso pela POLIINTER em Ipiaú-BA, município em que reside, no dia 14 de janeiro de 2000, por força de prisão preventiva decretada pelo MM . Juízo da 1ª Vara do Júri de São Paulo – SP.

Foi, então, encaminhado ao Presídio de Salvador, em 23 de maio de 2000, a fim de ser removido para a cidade de São Paulo, onde responde a Inquérito Policial e tem prisão preventiva decretada.

Ocorre, porém, que decorrido mais de dois anos do referido ato prisional, o paciente continua recolhido à prisão, não lhe sendo concedido qualquer benefício assegurado na Constituição Federal e na lei penal.

Vale ressaltar que a Ilmª Defensoria Pública deste Estado, designada para o caso, atenta à gritante ilegalidade da prisão, em expediente dirigido ao MM. Juízo da Vara do Júri de São Paulo – SP, solicitou “...o devido empenho necessário para a remoção do referido interno, o qual encontra-se neste Presídio desde 23|05|2000 à disposição desse MM. Juízo.” (vide documento em anexo).

DA COAÇÃO ILEGAL

O paciente encontra-se privado de sua liberdade por mais de dois anos, à espera de remoção do estado da Bahia para o Estado de São Paulo, para cumprimento da prisão preventiva fundada no inquérito policial nº 1896 – 97 (DHPP “D” Oeste).

Não há sequer processo contra o paciente. Com efeito, o referido inquérito iniciou-se no dia 28 de outubro de 1998, sendo efetuada a prisão somente no dia 14 de janeiro de 2000.

Dessa forma, a restrição de liberdade apontada é flagrantemente ilegal e absurda, em face de perdurar por tão longo tempo. Inclusive, note-se, desvirtuando por completo a finalidade da prisão preventiva, que é uma medida excepcional e temporária.

Ademais, não pode o paciente sofrer as mazelas da privação de liberdade em razão, exclusividade, da ineficiência administrativa do Estado na execução de uma simples remoção.

A prisão preventiva, embora não tenha prazo preestabelecido, não pode alongar-se infinitamente. No caso in examine, data vênia, a demora é inadmissível, pois que a custodia prolonga-se por mais de dois anos, extrapolando qualquer juízo de razoabilidade.

A propósito, é pacifico o entendimento, tanto na doutrina, quanto na jurisprudência, que a prisão preventiva só pode perdurar por no máximo oitenta e um dias, tempo estimado para duração da instrução processual, sob pena de afronta aos direitos fundamentais consagrados no artigo 5º da constituição Federal em especial:

                                               “ LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal”.

                                               “ LVX – a prisão ilegal sera imediatamente relaxada pela autoridade judiciária”

Observe-se, ainda que, in casu, sequer foi concluído o inquérito policial, que tem o prazo peremptório de dez dias para sua finalização. Portanto, o constrangimento ilegal iniciou-se no décimo primeiro dia de prisão do paciente, vale dizer, em 25 de janeiro de 2000.

Importante frisar que a mantença da prisão preventiva é necessária que, além de serem obedecidos os prazos legais, haja justa causa (CPP, art.648, I), o que no presente caso, não ocorre. De fato, há de se considerar que o paciente tem residência fixa, é réu primário e tem bons antecedentes.

Para o douto Paulo Roberto da Silva Passos, o sentido de justa causa “significa o que convém ou o que de direito e causa, motivo, razão, origem, é necessário que se alega ou se avoca, para mostrar a justa causa, seja realmente amparado na lei ou no direito ou, não contravindo a este, se funde na razão e na equidade” (do Habeas Corpus, Edipro, 1991, p. 78).

De admirável completude o escólio de Espínola Filho: “ a falta de justa causa abrange a falta de criminalidade, a falta de prova, a não identidade da pessoa, a conservação indevida em prisão ao invés de ser transferida para outra” (apud Paulo Roberto Passo, ob. Cit., p.79).

Portanto, a referida prisão demonstra-se, por completo, abusiva e ilegal, já que excede em demasia os prazos previstos na Lei e carece de qualquer justa causa que a fundamente.

Destarte, não é razoável que um cidadão inocente, já que não existe sentença condenatória transitada em julgado, seja privado do seu mais elementar direito, a liberdade, por mais de dois anos em virtude da ineficiência estatal e sem ao menos ter tido a possibilidade de ser defender.

A jurisprudência tem corroborado de forma uníssona o entendimento até aqui exposto. Vejam-se as seguintes decisões:

                                               “EXCESSO DE PRAZO NO ENCERRAMENTO DA INSTRUÇÃO”. Réu preso há mais de 100 dias. Paralisação do feito à espera de indicação de defensor pela Procuradoria de Assistência Judiciária. Inadmissibilidade. Concessão de Habeas Corpus. “Embora a lei não marque prazo para a prova de defesa, sua efetivação não pode ser procrastinada por largo período, mormente quando o réu, preso não contribui para o injustificado atraso no encerramento da instrução” (TJ-SP – Câmara Criminal Conjunta – Relator Desembargador Humberto Nova – RT – Vol. 447, p.317).

                                               “HABEAS CORPUS – PRISÃO PREVENTIVA – EXCESSO DE PRAZO – Constitui constrangimento ilegal sanável por via de Habeas Corpus a prisão preventiva quando a segregação em muito ultrapassa o prazo legal para a conclusão do inquérito, sobretudo, se pairam pesadas dúvidas sobre a autoria do delito. Ademais, a prisão preventiva só é recomendável ante a presença do fumus bonis iuris, inadmitindo-se a segregação por meras conjecturas. Inteligência do art. 312 do CPP. Pedido que se conhece para conceder a ordem. (TJ-AC – AC. Unân. em Câm. Crime., de 14.03.97 – HC 97.000044-8 – Rel. Des. Elizer Scherrer)”

                                               “RHC – PROCESSO PENAL – PRISÃO PREVENTIVA – Prazo – A Jurisprudência da 6ª turma, STJ, firmou-se no sentido de considerar o juízo de razoabilidade para constatar constrangimento ilegal no prazo de constrição ao exercício do direito de liberdade” (STJ – Rec. em Habeas corpus nº 4479-9 – RS – 6ª Turma – Rel. Mi. Vicente Cernicchiaro).

Por fim, cumpre lembrar a insuperável lição do insigne mestre Pontes de Miranda:

                                               “O fato de estar preso o réu, por mais tempo do que a lei determina, é insofismavelmente, violência ou coação por ilegalidade, ou abuso de poder. Se assim é, se o paciente estribando-se na passagem constitucional, impetra o habeas corpus... e se pelos documentos prova a opressão, ou desleixo que em prisão ilegal importou, não sabemos como é fundado em que possa a instancia superior negar-se a libertá-lo” (Historia e Prática do Habeas Corpus, Saraiva, 1979, 2º Volume, p. 144).

DO PEDIDO

Sendo assim, comprovado o constrangimento ilegal da liberdade de ir e vir do paciente, face ao excesso de prazo da prisão preventiva, bem como a ausência de justa causa e o flagrante desrespeito aos princípios constitucionais do devido processo legais e da presunção de inocência, requer a V. Exª a concessão da ordem de HABEAS CORPUS, expedindo-se o competente alvará de soltura em favor do paciente, o que se pede por ser de Direito e Justiça.

Nestes Termos,

Pede Deferimento.

Salvador, 15 de fevereiro de 2002.

Maurício Lima da Silva

OAB/BA nº 20.330


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria