O presente texto demonstra como os benefícios sociais fornecidos sem qualquer controle e de forma perene, destroem objetivos e sonhos das pessoas mais pobres.

A engenharia orquestrada pela situação política e não obstaculizada pela oposição é antiga e sua aplicação bastante conhecida, porém os cidadãos mais carentes nada têm a fazer, haja vista tornarem-se reféns de um sistema que os escraviza psico-ideologicamente, impedindo que os mesmos libertem-se e venham a raciocinar sobre sua real situação atual.

Em qualquer nação que tenda ao progresso, o nível de sucesso econômico-social é medido pela quantidade de nacionais que se auto dirijam, que adquiram suas moradias próprias, bem como outros itens. No Brasil estes tópicos também são utilizados, porém existe um que nos diferencia e demonstra a real intenção do atual governo: A quantidade de benefícios pagos (como por exemplo Bolsa Família).

Não existe como um líder político sério, crer que seu povo cresce economicamente, se este cada vez mais depende de benefícios assistencialistas.

É óbvia a intenção do governo de se eternizar no poder, tornando os cidadãos mais pobres reféns, estes que jamais elegerão um candidato que não seja apoiado pela situação, temerosos em perder os benefícios ofertados de forma desregulada e vitaliciamente.

O cão não morde a mão que o alimenta.


Autor


Informações sobre o texto

O presente texto visa alertar sobre os rumos que o país está tomando.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria