A produtividade e a gestão do tempo são assuntos que estão em pauta em todos os lugares e são almejados por todo tipo de profissional – com os advogados não é diferente.

A produtividade e a gestão do tempo são assuntos que estão em pauta em todos os lugares e são almejados por todo tipo de profissional – com os advogados não é diferente.

Em casos de advogados autônomos ou de pequenos escritórios de advocacia, o desafio da produtividade é ainda maior, pois o empreendedorismo exige que o profissional seja multitarefa. A rotina desse advogado não se resume à exercer a atividade jurídica, mas envolve também tarefas administrativas, comerciais, entre outras que consomem o seu tempo.

Estudamos muito sobre produtividade e aplicamos várias metodologias em nossa rotina. Mais do que isso, nós estudamos profundamente a rotina de vários advogados para conseguir desenvolver um produto que ajude esse profissional a ser mais produtivo e organizado. Com base em todo o nosso estudo, elaboramos este artigo com o intuito de provocar uma reflexão.

Afinal, você é mesmo produtivo? Nós o convidamos a responder as perguntas abaixo:

1. Você tem controle da sua agenda?

O tempo é o ativo mais importante na vida do advogado, e ter o controle de seus compromissos e prazos é fundamental. Todo advogado tem uma agenda, mas você acredita que uma agenda de papel seja capaz de atender o dinamismo do advogado moderno? Se você ainda usa agenda de papel, é bom pensar duas vezes!

2. Se atrasa para compromissos algumas vezes?

Ainda no raciocínio do tempo, é importante saber estimar o tempo que leva de um local à outro para não se atrasar, afinal, a credibilidade do advogado começa pela pontualidade em que ele se apresenta em seus compromissos. Nos dias de hoje, o trânsito é uma variante que deve sempre ser considerada.
*Uma dica: existe um aplicativo de smartphone chamado Waze que sempre lhe fornece a rota mais rápida para o seu destino, considerando o trânsito em tempo realAlém de estimar melhor o tempo de locomoção, você poderá optar sempre pelo que consome menos tempo.

3. Tem suas despesas e receitas em dia?

Para ser produtivo, é preciso ter paz de espírito, e é impossível atingir essa paz ser ter o controle de onde o dinheiro está vindo, e para onde ele está indo. Deixar contas a pagar sobre a mesa, ou ter que se recordar se um cliente pagou ou não uma fatura, são sintomas de desorganização. Aquele sentimento de estar esquecendo de pagar uma despesa, ou de não saber quanto dinheiro tem na conta, joga a produtividade lá embaixo.

4. Como você lida com as novas demandas?

Você tem pleno controle do seu dia até que o telefone toca e é um cliente com um assunto que toma 30 minutos do seu dia que não estavam previstos. Para complicar ainda mais, esse cliente lhe pede uma nova atividade e precisa saber o prazo dela. Você consegue fornecer esse prazo, imediatamente, com precisão?

5. Você tem o controle das suas tarefas?

Controlar somente as próprias tarefas do dia já não é muito fácil. Quando são tarefas a longo prazo, fica ainda mais difícil. Quando tarefas são delegadas para outras pessoas, então, quase impossível controlar! Somente tendo um método ou sistema muito bom para organizar tantos formatos diferentes de tarefas.

6. Consegue priorizar atividades importantes?

E, em meio a tantas tarefas e interrupções, como ter visibilidade sobre as mais importantes? Você consegue começar o dia trabalhando naquilo que invariavelmente deve ser concluído, para depois adiantar outros assuntos que têm mais prazo? Em caso negativo, o risco de concluir trabalhos fora do prazo acordado é muito grande.

7. Está sempre atualizado quanto aos seus processos?

É fundamental para o advogado ter controle do andamento dos processos que estão com ele. Existem alguns meios de obter essas atualizações, mas quanto tempo isso consome se feito de forma manual? A melhor forma de atualização dos processos, pensando na produtividade do advogado, é a automatizada através da internet.

8. Consegue focar em seu exercício jurídico?

Depois de pagar as despesas, visitar um cliente (e perder horas no trânsito), atender telefonemas, sobrou algum tempo para advogar? Tem que sobrar, afinal, o que o advogado mais quer é ter tempo para exercer aquilo para o qual ele estudou tantos anos.

9. E, o principal, tem tempo para sua vida pessoal?

Por fim, todo advogado tem vida fora do escritório – família, amigos e pessoas queridas para ter bons momentos juntos. Se a desorganização do trabalho chegar ao ponto de atrapalhar na vida pessoal do advogado, esse é um indicador crítico de que há algo muito errado.

Em resumo, o advogado precisa ter grande disciplina e inteligência emocional para lidar com tantas variáveis na sua rotina, e ainda assim conseguir produzir e ter tempo para fazer o que gosta. É realmente difícil atingir a perfeição em todos os casos acima citados, mas para a grande maioria, existe uma aliada: a tecnologia.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria