Os benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez são destinados a cobertura do evento incapacidade. Este texto contém informações gerais sobre esses dois benefícios, informando ao leitor quais os requisitos necessários para sua concessão.

Introdução

A Previdência Social é um dos direitos sociais consagrados no art. 6º da Constituição Federal de 1988. Pode-se dizer que, após a Primeira Guerra Mundial, houve uma preocupação das nações em incluir direitos sociais em suas Constituições. Como exemplos temos a Constituição do México, de 1917, pioneira nesse aspecto, a de Weimar, da Alemanha, em 1919 que teve repercussão em toda a Europa, e no Brasil, em 1934.

Os direitos sociais são os direitos de segunda dimensão, onde o Estado deve apresentar prestações positivas em favor do cidadão, deve atuar ativamente a fim de garantir boas condições de vida a toda a sociedade.

Como os direitos sociais estão inseridos no título relativo aos direitos fundamentais, têm aplicabilidade imediata, e caso ocorra omissão do legislador em promulgar norma visando sua concretização, podem ser utilizadas as vias de controle judicial, como o mandado de injunção e a ação direta de inconstitucionalidade por omissão.[1]

Ao lado do direito à saúde, à educação, à alimentação, ao trabalho, ao lazer, à moradia, à segurança, à maternidade e à infância e aos desamparados, encontra-se o direito social à previdência social.

DIREITO À PREVIDÊNCIA SOCIAL

A seguridade social compreende a previdência social, a assistência social e a saúde. A previdência social visa proteger o segurado e seus dependentes nos casos de contingência social, como doença, óbito, idade avançada, maternidade.

Quando ocorre alguma contingência social é o momento em que o segurado e seus dependentes veem a diminuição de sua renda ou a sua ausência, e a Previdência cobre tais eventos, evitando que aquele que contribuiu para o sistema ou seus dependentes fiquem desamparados.

Para ter direito aos benefícios previdenciários, o indivíduo deve efetuar contribuições previdenciárias nos momentos em que não está presente qualquer infortúnio. A pessoa deve ser previdente, precavida e efetuar o pagamento de contribuições previdenciárias regularmente, pois, para ter direito a qualquer benefício por incapacidade deve ter a qualidade de segurado da Previdência Social.

Desse modo, a Previdência Social assegura aos seus beneficiários meios indispensáveis de manutenção, por motivo de incapacidade, desemprego involuntário, idade avançada, tempo de serviço, encargos familiares e prisão ou morte daqueles de quem dependiam economicamente, mediante contribuição.

A Previdência Social abrange o Regime Geral de Previdência Social- RGPS e o Regime Facultativo Complementar da Previdência Social. O Regime Geral de Previdência Social garante a cobertura dos eventos doença, idade avançada, tempo de serviço para os segurados e nos casos de prisão ou morte para dependentes.

BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE: ASPECTOS GERAIS

São benefícios por incapacidade o auxílio-doença, a aposentadoria-por-invalidez" data-type="category">aposentadoria por invalidez, o auxílio-acidente e o auxílio-acompanhante. São os benefícios mais comuns o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez.

Os benefícios de auxílio-doença e de aposentadoria por invalidez têm requisitos bem parecidos, diferenciando-se somente quanto ao tempo previsto para a manutenção da incapacidade laborativa.

O benefício de auxílio-doença está previsto nos artigos 59 a 63 da Lei nº. 8.213/91 e é concedido ao segurado que, quando for o caso, houver cumprido o período de carência exigido e estiver incapacitado para o seu trabalho ou para sua atividade habitual por mais de 15 dias consecutivos.

Já a aposentadoria por invalidez dependerá, quando for o caso, da carência exigida, e será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição, conforme dispõe o art. 42 da Lei nº. 8.213/91.

Quanto a carência, cabe dizer que a expressão “quando for o caso”, refere-se aos benefícios em que a carência é dispensada.

Desse modo, são requisitos para concessão do benefício de auxílio-doença a comprovação de incapacidade laborativa por mais de quinze dias consecutivos, a qualidade de segurado da Previdência Social, e, se for o caso, a carência necessária.

Quanto à incapacidade, esta deve ser total e temporária, ou seja, o segurado não tem condições de exercer seu trabalho ou sua atividade laborativa habitual, mas esta incapacidade tem período de duração estipulável, limitado, ou seja, após período de incapacidade e de afastamento do trabalho, terá condições de retornar ao seu labor.

A incapacidade no que tange à aposentadoria por invalidez deve ser total e definitiva, ou seja, o segurado não possui condições de retornar à sua atividade laborativa habitual, ou ser reabilitado para outra atividade.

A questão quanto à incapacidade é matéria afeta aos peritos médicos da Previdência Social, servidores públicos imparciais e que possuem legitimidade de seus atos, e que são os únicos que podem concluir pela existência de incapacidade laborativa, total ou parcial, temporária ou definitiva.

A existência de doença não significa incapacidade. Portanto, somente profissionais médicos qualificados dos quadros da perícia médica da Previdência Social poderão, após analisar laudos, relatórios médicos e proceder a avaliação física do segurado, chegar a alguma conclusão quanto à existência ou não de incapacidade.

Vale destacar que não é necessário que o perito autárquico seja especialista naquela enfermidade que porta o segurado, pois ele não irá definir o tratamento. Seu trabalho consiste em avaliar a patologia que acomete o segurado, a atividade exercida, e se a doença impede o exercício do trabalho.

Para deter a qualidade de segurado, a pessoa deve realizar contribuições para o Regime Geral de Previdência Social, na qualidade de segurado obrigatório ou facultativo. Como segurados obrigatórios estão o contribuinte empregado, o empregado doméstico, contribuinte individual, o trabalhador avulso e o segurado especial.

O segurado para ter o direito a receber o benefício de auxílio-doença ou de aposentadoria por invalidez deve possuir a carência de 12 contribuições mensais, conforme determina o artigo 25 da Lei 8.213/91. Carência é o número mínimo de contribuições mensais que o segurado deve possuir para ter o direito a alguma prestação previdenciária.

Vale destacar que, após um período sem efetuar contribuições para o Regime Geral da Previdência Social, aquele que detinha a condição de segurado perde esta qualidade. Perde-se a qualidade de segurado, em regra, após 12 meses sem efetuar contribuições em favor da Previdência Social.

Este prazo pode ser prorrogado, o que se denomina período de graça, nas hipóteses previstas nos parágrafos do art. 15 da Lei nº. 8.213/91. Mantêm a qualidade de segurado  para até 24 meses (vinte e quatro) meses se o segurado já tiver pago mais de 120 (cento e vinte) contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado; serão acrescidos mais 12 (doze) meses para o segurado desempregado, desde que comprovada essa situação pelo registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e da Previdência Social.

O segurado facultativo, maior de 14 anos, que se filiar ao Regime Geral da Previdência Social, e efetuar contribuições sem exercício de trabalho remunerado, mantém a qualidade de segurado por até 06 (seis) meses após a cessação das contribuições.

Caso haja perda da qualidade de segurado, para poder contar as contribuições anteriores para efeito de carência, precisa o segurado efetuar, no mínimo, o pagamento do equivalente a 1/3 do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência total. Assim, se o segurado perdeu esta qualidade, somente quando efetuar mais 04 (quatro) contribuições, estas poderão ser somadas àquelas contribuições vertidas antes de perder a qualidade de segurado, para efeito de carência, nos casos de benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez.

Os benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez independem de carência nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho, bem como nos casos de segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, for acometido de alguma das doenças e afecções especificadas em lista elaborada pelos Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Previdência Social a cada três anos, de acordo com os critérios de estigma, deformação, mutilação, deficiência, ou outro fator que lhe confira especificidade e gravidade que mereçam tratamento particularizado.

Por outro lado, não terá direito a tais benefícios aquele que ingressar do Regime Geral da Previdência Social já portador da doença ou lesão incapacitante, salvo se a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão. Isso seria burla ao sistema contributivo.

Para os segurados empregados e trabalhadores avulsos, a carência começa a contar com as contribuições realizadas a partir da data da filiação ao Regime Geral de Previdência Social.

Já quando se tratar dos segurados: empregado doméstico, contribuinte individual, especial e facultativo somente começa a contar as contribuições da data do efetivo pagamento da primeira contribuição sem atraso, não sendo consideradas para este fim as contribuições recolhidas com atraso referentes a competências anteriores.

O auxílio-doença será pago no percentual de 91% do salário de benefício. O salário de benefício, para fins de cálculo do auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez consiste na média aritmética simples dos maiores salários-de-contribuição correspondentes a oitenta por cento de todo o período contributivo. O valor da aposentadoria por invalidez será o equivalente a 100% do salário de benefício.

Cabe informar que a aposentadoria por invalidez não necessariamente deve ser precedida pelo auxílio-doença. A perícia médica, a cargo dos peritos médicos da Previdência Social, avaliará a condição médica do segurado, lhe sendo concedido o melhor benefício.

Mas somente são devidos tais benefícios a partir do 16º (décimo sexto) dia de afastamento do trabalho, ou na data do requerimento do benefício, caso este ocorra mais de 30 (trinta) dias após o afastamento do trabalho, no caso de segurado empregado, pois os primeiros quinze dias devem ser pagos pelo empregador.

Para o empregado doméstico, trabalhador avulso, contribuinte individual, especial e facultativo, o benefício é devido a contar da data do início da incapacidade ou da data da entrada do requerimento, se entre essas datas decorrerem mais de trinta dias.

O valor da aposentadoria por invalidez pode, ainda, ser acrescido de 25% (vinte e cinco por cento), se o beneficiário necessitar da assistência permanente de terceiros, nos casos previamente estipulados no Anexo I do Decreto nº. 3.048/99.

Verificada a recuperação da capacidade para o trabalho, ambos os benefícios serão cessados, sendo que, no caso de aposentadoria por invalidez, é previsto um procedimento específico para cessação, conforme dispõe o artigo 47 da Lei n8.213/91:

Art. 47. Verificada a recuperação da capacidade de trabalho do aposentado por invalidez, será observado o seguinte procedimento:

I - quando a recuperação ocorrer dentro de 5 (cinco) anos, contados da data do início da aposentadoria por invalidez ou do auxílio-doença que a antecedeu sem interrupção, o benefício cessará:

a) de imediato, para o segurado empregado que tiver direito a retornar à função que desempenhava na empresa quando se aposentou, na forma da legislação trabalhista, valendo como documento, para tal fim, o certificado de capacidade fornecido pela Previdência Social; ou

b) após tantos meses quantos forem os anos de duração do auxílio-doença ou da aposentadoria por invalidez, para os demais segurados;

II - quando a recuperação for parcial, ou ocorrer após o período do inciso I, ou ainda quando o segurado for declarado apto para o exercício de trabalho diverso do qual habitualmente exercia, a aposentadoria será mantida, sem prejuízo da volta à atividade:

a) no seu valor integral, durante 6 (seis) meses contados da data em que for verificada a recuperação da capacidade;

b) com redução de 50% (cinquenta por cento), no período seguinte de 6 (seis) meses;

c) com redução de 75% (setenta e cinco por cento), também por igual período de 6 (seis) meses, ao término do qual cessará definitivamente.

Conclusão

Sendo dois dos benefícios mais concedidos pela Previdência Social, pode-se constatar como o sistema da seguridade social tem importância na manutenção digna das pessoas, pois, no momento em que o segurado não possui condições de trabalhar, a Previdência Social lhe garante o sustento.

Mas como vimos, o indivíduo deve ser precavido. O infortúnio da doença pode acometer a qualquer um, e sem aviso prévio. Assim, é importante que todos contribuam para o sistema, para, caso necessitem, sejam devidamente amparados.

REFERÊNCIAS:

ALENCAR, Hermes Arrais. Benefícios Previdenciários. 3.ed.São Paulo: Leud, 2007.

JORGE, Társis Nametala Sarlo. Manual dos Benefícios Previdenciários.1.ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris Editora, 2006.

KERTZMAN, Ivan. Curso Prático de Direito Previdenciário. 4. ed. Salvador: JusPODIVM, 2007.

KERTZMAN, Ivan. MARTINEZ, Luciano. Previdência Social. 2. ed. Salvador: JusPODIUM, 2006.

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 17ª ed. São Paulo. Saraiva. 2013.

TAVARES, Marcelo Leonardo. Direito Previdenciário. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris Editora, 2007.


[1]

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 17ª ed. São Paulo. Saraiva. 2013.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria