O compliance e a Carta-Circular nº. 1, de 1º. de dezembro de 2014, que divulga procedimentos a serem adotados pelas pessoas físicas e jurídicas submetidas obrigatoriamente a colaborar no controle e combate à lavagem de dinheiro.

Por meio da Carta-Circular nº. 1, de 1º. de dezembro de 2014, o COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras –, divulgou os procedimentos a serem adotados pelas pessoas físicas e jurídicas submetidas obrigatoriamente a colaborar no controle e combate à lavagem de dinheiro, ou seja, para o cadastramento de que trata o inciso IV do art. 10 da Lei nº. 9.613, de 3.3.1998, com redação dada pela Lei nº. 12.683 de julho de 2012.

A compliance, matéria que não pode ser considerada nova, mas que no Brasil deve ser tratada com o enfoque de algo a ser absorvido cultural e administrativamente, ganha, diuturnamente, maior importância devido à sua posição de engrenagem do sistema preventivo de lavagem de dinheiro. Neste sentido, o legislador, adotando uma política-criminal de cunho e ajuste internacionais, cria mecanismos de interação entre os sujeitos que estão em condições estratégicas de detectar operações suspeitas, registrá-las e, finalmente, comunicá-las aos órgãos de supervisão do sistema.

Por isso, a compliance impõe responsabilidades jurídicas dos seus agentes, no que diz respeito à omissão no cumprimento das comunicações suspeitas ou obrigatórias.

Efetivamente, a nova legislação, principalmente quando houver a efetiva fiscalização, criará um debate sobre os sujeitos obrigados que violarem os deveres de registro e comunicação de operações suspeitas. Por exemplo, denúncias embasadas no art. 13, § 2º., do Código Penal, isto é, para imputar a relevância causal da omissão no campo da compliance. A referida omissão é penalmente relevante em virtude de que o agente tem por lei o dever de impedir o resultado (crimes omissivos impróprios). Assim, o agente, na qualidade de garantidor, que tinha por lei a obrigação de conhecer, registrar e reportar a operação suspeita, se não o fizer em relação ao cliente, poderá ser responsabilizado por omissão na compliance.

Com as mudanças na lei de lavagem de dinheiro (Lei 9.613/98) e com a divulgação da Carta-Circular nº. 1, de 1º. de dezembro de 2014 do COAF, diversos setores da economia brasileira estão obrigados a identificar e manter cadastro atualizado de seus clientes por prazo mínimo de cinco anos, manter registros de todas as operações financeiras, atualizar seus cadastros periodicamente junto aos órgãos reguladores e, se for o caso,  ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), e, o ponto que merece especial destaque: devem adotar políticas, controles e procedimentos internos para atender aos requisitos do COAF e da legislação.

Este último ponto consiste no compliance, isto é, a organização interna para fins de adequação ao exigido pela nova legislação antilavagem de dinheiro.

A circular não dimensiona quais são as pessoas obrigadas, o que poderia ter sido salutar, em razão da abstrata e vastamente englobante previsão legal do artigo 9º. da referida Lei. Dessa maneira, quais as pessoas obrigadas: as pessoas físicas e jurídicas que trabalhem com captação, intermediação e aplicação de recursos financeiros de terceiros, as seguradoras, as corretoras de seguros e as entidades de previdência complementar ou de capitalização, as administradoras ou empresas que se utilizem de cartão ou qualquer outro meio eletrônico, as empresas de leasing e as de factoring, as sociedades que efetuem distribuição de dinheiro ou quaisquer bens móveis, imóveis, mercadorias, serviços, as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis, as pessoas físicas ou jurídicas que comercializem bens de luxo ou de alto valor, intermedeiem a sua comercialização ou exerçam atividades que envolvam grande volume de recursos em espécie, entre outras.

A partir da Carta-Circular é uma questão de tempo que se dê inicio à fiscalização das pessoas físicas e jurídicas no Brasil. Frisa-se, isto ocorre em razão da Lei antilavagem brasileira (Lei 9.613/98), com as alterações trazidas pela Lei 12.683/12, que passou a exigir de determinadas pessoas – físicas e jurídicas – a coadunação às exigências legais e regulatórias, ou seja, o compliance, matéria oriunda de acordos e tratados internacionais cuja implementação o Brasil vinha postergando.

Por isso é evidente que, após as alterações legais que não se restringem à Lei Antilavagem, a compliance está se tornando figura frequentemente destacada no meio corporativo, não só de sociedades de capital aberto, mas de pequenos empresários e, inclusive, pessoas físicas.

Salienta-se que para o governo haverá diversos motivos para dar início à fiscalização, uma vez que a responsabilidade administrativa pode ser causa atenuante de multas e punições por parte do governo quando implementada, ou motivar a imposição de severas penalidades.

Por último, para as pessoas obrigadas constituídas após a publicação desta Carta Circular, ou que iniciem uma atividade submetida à regulação e à fiscalização do COAF, fica estabelecido o prazo de 90 (noventa) dias corridos  para o cadastramento, contados da data de obtenção do número de inscrição no Cadastro Nacional da pessoa jurídica – CNPJ, para a pessoa jurídica constituída a partir da entrada em vigor desta Carta-Circular; ou do início de atividade submetida à regulação e à fiscalização do COAF, para a pessoa que vier a se enquadrar nesta condição a partir da entrada em vigor desta Carta-Circular. Ainda, as pessoas físicas e jurídicas que, na data de entrada em vigor desta Carta-Circular, já se encontrem cadastradas no COAF deverão, no prazo estabelecido no caput, confirmar ou atualizar os dados constantes do cadastro, complementando-os com os demais dados nele requeridos.


Autor

  • Frederico Cattani

    • Sócio da Frederico Cattani Advocacia, que atua com foco no Direito Penal Econômico e Crimes Financeiros * Mestre em Ciências Criminais pela PUCRS (Porto Alegre, RS) * Especialista em Direito Empresarial pela FSG (Caxias do Sul, RS) * Professor * Membro do Instituto Brasileiro de Direito Processual Penal (IBRASPP) * Membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/BA * Conselheiro do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/BA. Autor jurídico.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria