A medida vale para a declaração de Imposto de Renda pessoa física de 2016, ano-base 2015.

Medida que entrou em vigor no dia 1° de Janeiro de 2015 tornou obrigatório que profissionais liberais passem a identificar no programa de cálculo do Recolhimento Mensal Obrigatório, denominado carnê-leão, o CPF das pessoas para as quais prestaram serviços. Esta informação parte da Instrução Normativa 1.531/2014 da Receita Federal do Brasil (RFB) publicada no dia 22 de Dezembro de 2014, onde os profissionais que se encaixam são médicos, odontólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, psicanalistas e advogados.

Esta medida vale para a declaração de Imposto de Renda da pessoa física do ano-base 2015 a ser entregue em 2016 e tem como objetivo reduzir o número de contribuintes que têm sua declaração anual de IR retida na malha fina. A partir desse sistema, a Receita Federal poderá cruzar rapidamente as informações fornecidas no ajuste de contas pelo contribuinte com a dos profissionais liberais, evitando que as declarações que entrarem na malha fina demorem a ser liberadas.

Essas informações, relacionadas acima, quando não utilizado o programa multiplataforma Recolhimento Mensal Obrigatório (Carnê-Leão), deverão ser prestadas nas Declarações de Ajuste Anual do ano-calendário a que se referirem. Observou-se em 2014, que dos 27 milhões de declarações recebidas pela Receita, 937 mil caíram na malha fina e dessas 368 ficaram retidas pelo motivo de gastos médicos elevados.

Entretanto, existem situações das quais provavelmente não foram bem pensadas, por exemplo, a impossibilidade de localizar ou obter um CPF ou mesmo o número grande de clientes, que pode dificultar em muitas empresas o processo exigido.

Códigos das Profissões Obrigadas a adotar esse procedimento:

Declarar o CPF de todo cliente atendido passa a ser obrigatoriedade para advogados



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria