A sanção para uma ação julgada improcedente, perante o Poder Judiciário Brasileiro, tal como prevista na lei, é apenas o ônus da sucumbência, excluindo, como regra, a indenização por danos. É que, não fosse assim, o acesso à Justiça ficaria comprometido pelo receio da parte autora arriscar na sua pretensão.  

                         Diferentemente, todavia, é quando ocorre abuso do direito de ação, principalmente mediante comprovada má fé, uma pessoa aciona alguém na Justiça, simplesmente para infernizar-lhe a vida e de toda a sua família, por vários anos, por apostar na morosidade e deixar o réu por anos à espera do Judiciário.

                        “A sanção se justifica apenas contra aquele promovente de ação comprovadamente maliciosa, que tenta extorquir o alheio, sob o color de cobrar dívidas” (BEVILÁQUA, Clóvis. Código Civil Comentado. v.v, p.31.

                       Para CARVALHO SANTOS, “uma simples inadvertência não justifica a imposição da pena, mas, se apesar de reavivada a matéria do credor insiste este no pedido, justificada está a má fé capaz de legitimar a penalidade” (SANTOS, Carvalho. Comentários ao CC. v.XX, p.345). A sanção, assim, só se torna aplicável quando se constata a intencionalidade na reiteração da cobrança, caracterizando ato de verdadeiro locupletamento ilícito. Portanto, só uma ação maliciosa é que pode gerar a responsabilização por danos morais.

                      O Min. EDUARDO RIBEIRO, do STJ, afirmou: “Ação de indenização. Danos morais decorrentes de processo de execução. A promoção de execução, como regra geral, constitui exercício regular de direito, não gerando obrigação de indenizar, ainda que reconhecida a falta de razão do exeqüente. Ressalva-se a hipótese que tenha agido dolosamente” (REsp n. 198.428/ SP).  

             Quando a cobrança é de “dívida paga”, a matéria é regida pelo art.940 Cód. Civil, e o cobrador ficará obrigado a pagar ao devedor, o dobro do que houver cobrado ou o equivalente do que dele exigir, salvo se houver prescrição”

          Todavia, quando a cobrança é por dívida absolutamente inexistente ou de má fé, em autêntico abuso do direito de ação, o assunto é tratado nos arts. 186,187 e 927, todos do Código Civil, CF/88,ART. 5º, X,  e Súmula 387, entre outras, do STJ, o que, por si só, já enseja danos morais conforme STF e STJ que  têm proclamado que "a indenização, a título de dano moral, não exige comprovação de prejuízo" (RT 614/236), por ser este uma consequência irrecusável do fato e um "direito subjetivo da pessoa ofendida" (RT 124/299), ou seja, o dano moral é presumido. 

        As decisões partem do princípio de que a prova do dano (moral) está no próprio fato, "não sendo correto desacreditar na existência de prejuízo diante de situações potencialmente capazes de infligir dor moral. Esta não é passível de prova, pois está ligada aos sentimentos íntimos da pessoa. Assim, é correto admitir-se a responsabilidade civil, p. ex., na maioria dos casos de ofensa à honra, à imagem ou ao conceito da pessoa, pois se subentendem feridos seus íntimos sentimentos de autoestima (CRJEC, 3ª Turma, Rec. 228/98, rel. Juiz Demócrito Reinaldo Filho, j. 20.08.98, DJ 21.08.98). Como já proclamava José de Aguiar Dias, nesses casos "acreditar na presença de dano é tudo quanto há de mais natural" (Da Responsabilidade Civil, vol. II, p. 368). 

        O dano moral causado à pessoa ofendida é o chamado Dano Moral Direto, ou seja, lesão específica de um direito extrapatrimonial, como os direitos da personalidade. Neste sentido, podemos afirmar que o dano moral é aquele que lesiona a esfera personalíssima da pessoa (seus direitos da personalidade), violando, por conseguinte, sua intimidade, vida privada, honra e imagem, bens jurídicos tutelados constitucionalmente e de forma ilimitada. Aliás, a respeito de tal matéria já se pronunciava IHERING ao dizer que é ilimitada a reparação do dano moral e afirmava: “o homem tanto pode ser lesado no que é, como no que tem”. Lesado no que é - diz respeito aos bens intangíveis, aos bens morais (nome, fama, dignidade, honradez). Lesado no que tem - relaciona-se aos bens tangíveis, materiais”. 

     A personalidade do indivíduo é o repositório de bens ideais que impulsionam o homem ao trabalho e à criatividade e ocupações habituais. As ofensas a esses bens imateriais redundam em dano extrapatrimonial, suscetível de reparação.      

      O dano moral é a lesão/violação de um direito personalíssimo que cause na vítima sensações negativas ou desprazerosas, que transbordam a normalidade e a tolerabilidade do homem médio. É o rompimento do equilíbrio psicológico, é a violação da dignidade da pessoa humana. E por isso, seu reconhecimento deve ocorrer em situações graves e sérias...(AC Nº 70057320897, 17a C. Cível, TJRS, Rel: Gelson R. Stocker, Jul. em 21/11/2013)TJ-RS - AC 70058176132 RS (TJ-RS)  

  Cuidado: não queira expor alguém à morosidade da Justiça, para lhe cobrar aquilo que comprovadamente você sabe que não tem direito, principalmente quando quem age de má fé é um profissional da área jurídica e professor de Direito.  

     


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria