Breve contextualização do Principio da Efetividade e a relação entre pais e filhos, garantidas constitucionalmente.

  1. Principio da Afetividade e as obrigações parentais

Ainda que a afetividade não tenha o seu conceito definido por lei, esta é diretamente relacionada com o principio da dignidade da pessoa humana, presente na Constituição Federal do Brasil.

É esse o entendimento do Ilmo. Prof. Dr. Luiz Fernando de Almeida Guilherme que contextualiza o Princípio da Afetividade no âmbito jurídico, assim como sua essência e natureza jurídica, vejamos:

"Desta nova concepção, proporcionada pelo estreitamento dos laços de afetos e proximidade dos membros componentes da entidade familiar, decorre o surgimento do Princípio da Efetividade. Este princípio não está expresso explicitamente na Constituição Federal de 1988, no entanto, é vinculado diretamente ao Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, previsto na Constituição Federal, no artigo 1º, III, no § 7º do artigo 226 e artigo 227. Decorre, portanto, o princípio da efetividade, da interpretação hermenêutica pragmática do princípio da dignidade da pessoa humana." [1]

A afetividade é definida como um conjunto de fenômenos psíquicos que são experimentados e vivenciados por alguém na forma de emoções e de sentimento. Ressalta-se, portanto, que a afetividade envolve somente vínculos e experiências de caráter psicológicos e emocionais, não havendo qualquer relação com as obrigações materiais inerentes à relação parental, tais como o direito da criança e do adolescente à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, e à cultura.

Isso porque a doutrina de Direito de Família é unânime do sentindo de que a paternidade – e, em tempos mais recentes, a maternidade – está longe de se limitar ao fornecimento de meios e bens materiais às crianças, deixando à margem as relações afetivas, priorizando somente as obrigações objetivas e racionais:

 “Uma visão abrangente das relações implica a compreensão da existência e o respeito a estes diversos níveis e sua inter-relação; desta forma a dignidade humana pode ser atendida. Em sentido oposto, podemos verificar exemplos como a destituição da importância do nível psicológico, com a ideia de que a paternidade é essencialmente biológica, que as relações são sobretudo objetivas e racionais, ou ainda em sua excessiva monetarização.” [2]

            Nesse contexto,  a própria legislação especial, qual seja, o Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 3º estabelece que à criança e ao adolescente são garantidos todos direitos fundamentais inerentes a pessoa humana:

“Art. 3º A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade.”

            Essa é a interpretação doutrinária para o artigo supratranscrito:

“O artigo 3º do Estatuto da Criança e do Adolescente esclarece a proteção complementar instaurada pela nova doutrina, ao afirmar que à criança e ao adolescente são garantidos todos os direitos fundamentais inerentes a pessoa humana, bem como são sujeitos a proteção integral. Fica evidenciado o princípio da igualdade de todas as crianças e adolescentes, estes compreendidos como todos os seres humanos que contam entre zero e 18 anos, ou seja, não há categorias distintas de crianças e adolescentes, apesar de estarem em situações sociais, econômicas e culturais diferenciadas. ” [3]

            Há não muito tempo atrás as discussões doutrinárias  estavam somente em torno das obrigações paternais inerentes à alimentação, vestuário e educação, advindas das obrigações alimentícias. Isso porque o histórico-social das entidades familiares, e mais especificamente do matrimônio, sofreu muitas mudanças com o surgimento do divórcio e a sua aceitação na sociedade.

Com os divórcios e separações de casais com filhos mostrou-se necessário que, tanto a doutrina como a jurisprudência pátria, uniformizassem as relações sociais com base nas novas espécies de relações conjugais, priorizando o bem estar da criança e do adolescente envolvido na dissolução desses matrimônios.

Estabilizada a situação e pacificado o entendimento acerca da questão supramencionada, verificou-se, em um segundo momento, que o cumprimento das obrigações materiais e objetivas não é o bastante para garantir o bom desenvolvimento das crianças e dos adolescentes, sendo necessário, portanto, que fossem estabelecidos critérios de análise da relação subjetiva parental, qual seja, a afetividade entre pais e filhos.

Nesse contexto, foi possível verificar, ao longo do tempo, que o abando afetivo parental é capaz de causar prejuízos de igual – ou até mesmo maior – proporção ao do abandono material ou intelectual, igualmente garantidos na Constituição Federal, não havendo que se falar em priorização de qualquer um desses elementos.

            Atualmente foi incumbido ao Poder Judiciário o dever de assegurar mais esse direito fundamental à crianças e adolescentes, assegurando que o bom desenvolvimento social e psíquico de menores sob guarda dos pais, sejam eles biológicos ou adotivos.

            Diante desse novo prisma a doutrina vem desenvolvendo o Principio da Patentalidade Responsável, ou seja, imputar aos pais ou direitos e deveres não somente objetivos e materiais, mas também os subjetivos, nos quais se inclui a afetividade:

“O Princípio da Parentalidade Responsável – ressaltando se tratar tanto da função materna quanto da paterna -, é o princípio constitucionalmente albergado, conjuntamente com a previsão contida no ECA, em seu artigo 3º. Decorre das atribuições da autoridade parental, ou seja, do dever dos pais de educar, criar e assistir seus filhos, sempre se atentando para o objetivo maior de tutela da personalidade das crianças e adolescentes, o que garantirá o pleno exercício dos seus direitos fundamentais.” [4]

            Diante de todo o exposto, conclui-se que o direito contemporâneo vem se adequando aos novos hábitos sociais, inclusive do que condiz na educação e evolução de crianças e adolescentes, abrindo ainda mais o leque de seus direitos e dos deveres atribuídos aos pais, inclusive ao da efetividade.


[1] GUILHERME, Luiz Fernando do Vale de Almeida. Responsabilidade Civil II. São Paulo: Editora Fiuza, 2013, pg. 74

[2] GROENINGA, Giselle Câmara e CUNHA, Rodrigo de. Direito de família e psicanálise – rumo a uma nova epistemologia. Rio de Janeiro: Imago, 2003.pg. 99.

[3] http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9619

[4] TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado e RIBEIRO, Gustavo Pereira Leite. Manual de direito das famílias e sucessões. 2ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2010, pg. 234.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria