O que a CRFB/1988 diz a respeito sobre assunto, e como interpreta o STF sobre o tema.

O tema diz respeito se os vetos presidenciais de projetos de lei ordinária ou de lei complementar devem ser apreciados na “ordem cronológica’ de sua comunicação ao Congresso Nacional.

Não há o que questionar o regramento do art. 66, § 4º 2 § 6º da CRFB/1988, pois são notoriamente claros e impositivos, ou seja, a análise do veto presidencial é obrigatória pelo Congresso Nacional e deve ser respeitada a ordem de apresentação cronológica, conforme esclarece o art. 66, § 6º da Carta Magna, “in verbis”;

“(...) esgotado o prazo de 30 dias para análise do veto sem deliberação, será colocado na ordem do dia  da sessão imediata, sobestadas as demais proposições, até a sua votação final”.

Porém, ocorreu uma exceção – MS n. 31.816 e n. 31.814, impetrados no STF em 13/02/2012, que possibilitou a apreciação do veto parcial n. 38/2012, aposto pelo Presidente da república ao projeto de lei n. 2.565/2011, convertido na Lei n. 12.734/2012.

Na ocasião, o Ministro Luiz Flux, de forma monocrática, concedeu liminar à mesa diretora do Congresso Nacional que analisasse o veto presidencial n. 38/2012 a frente dos demais 3.000 (três mil) vetos acumulados por mais de 10 anos.

Diante de tamanha afronta ao Estado de Direito (art. 1º, caput, da CRFB/1988) e à proteção das minorias parlamentares, o STF “afrouxa” sua jurisprudência que, desde então, não admitia o controle judicial  de questões “interna corporis”.

Diante da liminar concedida pelo Min. Luiz Flux, foi interposto Agravo Regimental pelo Plenário, julgado em 27/02/2013 – 6x4 – considerando cassado nos termos da divergência aberta pelo Ministro Teori Zavaski.

Permitiu-se então, temporariamente, a análise dos vetos pertinentes de acordo com a liberdade política e conveniência diante do Congresso Nacional, denominado “poder de agenda”, no sentido de assegurar a autonomia do Congresso para escolher as matérias mais relevantes no ponto de vista político, social, cultural, econômico e jurídico do País.

Concluindo, o Congresso Nacional, mais uma vez, deturpou a interpretação da letra da lei, e criou um nefasto “costume inconstitucional” em não apreciar os mais de 3.000 vetos de acordo com sua apresentação cronológica, e de apreciar somente os vetos – na frente dos demais - que acharem convenientes, em nome do interesse político, social, cultural, econômico e jurídico do País.

Corroborando com o meu entendimento, cumpre-se transcrever, devida sua maestria, o entendimento do Ministro Celso de Mello, constante no Informativo n. 696, do STF:

“Nenhum poder da República teria legitimidade para desrespeitar a Constituição ou para ferir direitos públicos e privados de seus cidadãos. Além disso, consignava que o debate envolveria típica situação de inconstitucionalidade por omissão, a comprometer a força normativa da Constituição. Mencionava a prática institucional em que o Congresso Nacional diminuir-se-ia perante o Poder Executivo ao não exercer o dever que lhe incumbiria, pela Constituição, de apreciar os vetos presidenciais, o que transformaria de superáveis e relativos, em absolutos”.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria