A sustentabilidade ambiental e os impactos dos mercados ao meio ambiente. Os recursos naturais não são infinitos e ponderar o consumo evitando desperdício é necessário.

Resumo: Buscaremos avaliar a sustentabilidade ambiental e os impactos dos mercados ao meio ambiente. O mercado e o meio ambiente estão em desequilíbrio, devido o grande índice de consumo das reservas ambientais. Os recursos naturais não são infinitos e ponderar o consumo evitando desperdício é necessário. O consumo em si não é o problema, o problema aparece quando consumismo desordenadamemte. Não podemos deixar de consumir mas devemos mudar pequenas atitudes no dia-a-dia. As empresas precisam avançar na procura de recursos renováveis O crescimento econômico e a sustentabilidade ambiental é considerada um ciclo que só se completa quando o consumidor e as empresas passam a ter consciência de sua responsabilidade

 

Palavras-chaves: MEIO AMBIENTE, CONSUMO, REDUZIR, REUTILIZAR E RECICLAR

Abstract

Seek to assess the environmental sustainability and the impacts of environmental markets. The market and the environment are out of balance due to the large consumption index of environmental reserves. Natural resources are not infinite and consider consumption avoiding waste is necessary. Consumption itself is not the problem, the problem appears when desordenadamemte consumerism. We can only consume but we must change small things in day-to-day. Companies need to move forward in the search for renewable resources Economic growth and environmental sustainability is considered a cycle that is only complete when consumers and businesses are replaced aware of their responsibility

1. Introdução

            A atividade acadêmica está estruturada em torno de três eixos: obter conhecimento, criar conhecimento e comunicar conhecimento. É apresentada aqui uma percepção geral de como as formas desordenadas de consumo afetam o Meio Ambiente

            Com apresentação de citações, sugestões de atos que devem ser realizados para evitar o desgaste ambiental, procurando traçar linhas de raciocínio, com objetivo de compreender, que pequenas atitudes são necessárias para preservação dos recursos naturais não renováveis.

2. Sustentabilidade ambiental e os impactos dos mercados ao meio ambiente

Neste artigo buscaremos avaliar a sustentabilidade ambiental e os impactos dos mercados ao meio ambiente. Com objetivo de ajudar a esclarecer e alertar sobre os impactos ambientais.

Outro ponto deste artigo é destacar o tão quão é importante a participação da comunidade na busca de meios renováveis de produção.

O meio ambiente esta em crise e quanto a isso não resta dúvida. E como um dos grandes responsáveis disso temos a econômia que vem utilizado os recursos naturais de forma arbitrária.

O mercado e o meio ambiente estão em desequilíbrio, devido o grande indice de consumo das resevas naturais. E racionalizar esses recursos se tornou-se um desafio, pois os mercados têm trazido cumulativos negativos incalculáveis para sustentabilidade.

Vale ressaltar que os recursos naturais não são infinitos e ponderar o consumo evitando desperdício é importante. Más diante das necessidades de consumo do atual contexto econômico  isso se tornou um grade desafio.

As formas de despender estão diretamente ligadas a degradação do meio ambiente, as atitudes das indústrias desde o metodo de produção até o descates dos resíduos precisa ser reformulada, pois são extremante significante para evitar o desperdício e gerar menor quantidade de resíduos.

3. O consumo de forma desordenada vem interferindo no equilíbrio do planeta

A partir deste ponto cria-se um dilema nas empresas: Como produzir sem agredir?

As empresas precisam adaptar-se a uma nova conjuntura, instalando em suas dependencias os princípios do desenvolvimento sustentável (Reduzir, Reutilizar e Reciclar).

O ato de consumo em si não é um problema. O problema aparece quando consumismo de forma desordenada interferindo no equilíbrio do planeta. Relatórios mostram que nós, seres humanos, já estamos consumindo mais do que a capacidade do planeta de se regenerar.

A qualidade de vida do nosso planeta esta em risco devido à crise ecológica que estamos vivendo. Isto está ocorrendo devido o uso abusivo dos recursos naturais não renováveis, comprometendo assim as futuras gerações.

Em 1972 Kotler já previa esse conflito entre mercado e meio ambiente:

“[…] não se pode dar ao consumidor simplemente                               o que lhe agrada sem levar em consideração os efeitos para o bem-estar do próprio consumidor e da sociedade. Por outro lado não se podem fabricar produtos saudáveis que não serão comprados […]”

Partindo desta linha de raciocínio.O consumidor começa a fazer sua parte quando exige das empresas uma postura ética ambiental. Não podemos deixar de consumir, mas devemos mudar pequenas atitudes no dia-a-dia, porém a humanidade não precisa voltar a andar de carroça para evitar a destruição dos recusos naturais. Basta mudar um pouco os hábitos. Adquirir produtos na medida do possível que gere menos impactos negativos para a sociedade e para si mesmo. Comprar apenas o que for nescessário, evitando supérfulos, e adquirindo produtos mais duráveis, preocupando-se em comprar aquilo que consuma menor quatidade de energia possível desde a sua fabricação até o uso.

4. A responsabiloidade social dos fabricantes, governantes e consumidores

Apesar de as mudanças individuais parecerem insignificantes, quando somada a outras o efeito e gigantesco. Isso chama-se consumidor conciente de sua responsabilidade social.

No conceito de: Simone Vicente de Azevedo – Professora de Filosofia e Advogada Especializada em Direito Ambiental

“Consumo consciente significa consumir o ar que respiramos a água que bebemos os bens e produtos que adquirimos, ou ingerimos, sempre com conhecimento dos efeitos de seu uso indiscriminado […]”

É o que entende:José de Castro Correia, Engenheiro Elétrico e professor da Universidade Federal do Amazonas.

“O consumo de combustíveis renováveis e não poluentes, como é o caso do Biodiesel, produzido a partir de espécies aleaginosas de modo conciente”

As empresas por sua vez devem adotar uma nova politica de produçao, adotando maior controle de residuos, fabricar produtos que prejudique menos o meio ambiente, tentando pelo menos em parte, a recuperaçao do meio ambiente que já se encontra muito degradado e principalmemte! as empresas precisam avançar na procura de recursos renováveis.

É o que concorda: Roosevelt S. Fernandes – Coordenador do núcleo de Estudos em Percepção Ambiental e Membro do Conselho Estadual de recursos Hídricos do Estado do Espírito Santo e do conselho Nascional de Meio Ambiente

“Se as empresas devem ter como objetivo o desenvolvimento sustentável, o cidadão, da mesma forma, deve ter como idêntico objetivo o consumo consciente. […]”

O artigo 225 da Constituição Federal assegura que: “Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado […], impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para os presentes e futuras gerações”.

Como deixa claro, os incisos do I ao VII do § 1º  também da CF/ 88. O Poder Público também possue suas responsabilidades e estas são: desenvolver políticas públicas que alerte, eduque e envolva o cidadão.

O crescimento econômico e a sustentabilidade ambiental são considerados um ciclo que só se completa quando o consumidor e as empresas passam a ter conciência de sua responsabilidade.

E para garantir que este ciclo se feche de forma viável, existem normas internacionais que estabelecem o sistema para assegurar a qualidade dos produtos, ISO 9.000; existem as que estabelecem procedimentos e práticas para assegurar o gerenciamento ambiental responsável e o desenvolvimento sustentável ISSO 14.000

ISO 14.000 Normas elaboradas, vizando estabelecer diretrizes para implementação do sistema de gestão ambiental, nas diversas atividade econômicas que possam impactar o meio ambiente.

ISSO 9.000 Concentração de normas que formam um modelo de gestao de qualidade, visando padronizar e melhorar a qualidade dos produtos e serviços oferecidos pelas empresas

5. Os três “R”s

Finalizando nosso artigo faremos algumas considerações e nosso artigo se atreve a fazer algumas sugestões de atitudes que devem ser adotadas

Muitos já ouviram falar nos tres “R”s, mas poucos dão a devida importância.

Os três “R” s formam uma pirâmide de proteção ao meio ambiente composta por Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Reduzir:

Consiste em reduzir o lixo em nossas residencias,reduzir o consumo,

Reutilizar:

Deve-se na medida do possivel reutilizar os produtos adquiridos e doar aquilo que não se usa mais.

Reciclar:

Fabricar produtos novos a partir de materiais usados.

Reduzir o lixo, diminuir o consumo e reutilizar os produtos adquiridos é realmente nescessário. Pois só assim contribui-se para economizar matéria-prima na fabricação.

POR FIM, VALE TRAZER EXEMPLOS DE PEQUEMAS MUDANÇAS DE HáBITOS

REDUZIR

REUTILIZAR

RECICLAR

DIMINUIR O CONSUMO

ULTILIZE OS PRODUTOS DE VARIAS MANEIRAS

ULTILIZAR OS DOIS LADOS DO PAPEL

CONSUMIR O QUE FOR REALMENTE NESCESSARIO

REUTILIZE OS RECICIENTES DE PLASTICO OU DE VIDRO

FAZER COISAS NOVAS A PARTIR DE USADAS

REJEITAR OS PRODUTOS COM EXCESSO DE EMBALAGENS

REUTILIZAR ENVELOPES

EVITAR EMBALAGENS PLASTICAS OU DE ISOPOR

DOAR ROUPAS

OPTAR PELAS EMBALAGENS DE PAPELÃO

DOAR OBJETOS QUE NÃO ESTAO SENDO ULTIZADOS

PREFERIR COPOS DE VIDRO OU ADERIR A CAMPANHA (ADOTE SEU COPO)

Os consumidores precisam precionar os mercados, para que estes começem a privilegiar produtos que não agridam o meio ambiente. Pois a maior impulcionadora da mudança de postura das empresas é a competividade pelos consumidores.

6. Conclusão

Sendo assim construir um relevante instrumento de transmição do conhecimento. Para obtermos noção de que é preciso desenvolver uma “política” renovável no que tange as varias formas de produção e consumo.

Precisamos reutilizar, reclicar e reduzir o quanto antes os objetos consumidos, Pois essa é a conduta esperada no comportamento social responsável.

REFERENCIAS

As formas acima discutidas foram baseadas nas fontes abaixo.

http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11840

http://www.ecoterrabrasil.com.br/home/index.php?pg=ecoentrevistas&tipo=temas&cd=896

http://pt.slideshare.net/WilsonValle/economia-e-meio-ambiente-uma-avaliao-do-poder-dos-mercados-na-inovao-tecnolgica

http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/consumo_sustentavel.pdf

http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/mercado-e-meio-ambiente-fun%C3%A7%C3%A3o-das-empresas-em-prol-do-desenvolvimento-sustent%C3%A1vel

http://www.unidesk.com.br/mercado-meio-ambiente.asp

Constituição da República Federativa do Brasil, edição administrativa do texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, consolidado até a Emenda constitucional nº 76/2014



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria