Muitos advogados ainda cometem erros gritantes, sendo muitas vezes o respectivo erro comum na classe.

A advocacia é uma profissão indispensável para a sociedade e de extrema importância para a Justiça. Contudo, muitos advogados cometem erros gritantes, sendo muitas vezes o respectivo erro comum na classe.

O bom profissional deve ter ciência de que seguidas falhas de grandes proporções podem acarretar no insucesso da sua profissão. Neste artigo você encontrará algumas dicas de como perceber alguns dos erros mais comuns dos advogados.

Os 6 pecados capitais do profissional do direito:

1 – Falta de planejamento: Muitos advogados ao iniciar o seu escritório de advocacia pecam ao não fazer um planejamento em curto, médio e longo prazo para o seu negócio.

Dessa forma, na medida em que a carteira de clientes aumenta e, consequentemente, a demanda processual, o advogado mostra-se despreparado para lidar com tanto serviço. Ou seja, o escritório passa a sofrer com a desorganização.

Existem uma série de materiais gratuitos, como este ebook, e consultorias do SEBRAE para ajudar você a iniciar seu negócio com o pé direito.

2 – Desorganização: A desorganização em um escritório de advocacia provoca uma reação em cadeia. Seus funcionários ficam sobrecarregados, petições deixaram a desejar, o trabalho será extremamente estressante, clientes não terão um atendimento digno e muitos prazos e documentos serão perdidos na medida em que o tempo passa.

A desorganização costuma ser um problema cultural, e pode ser resolvida com disciplina e melhores práticas de gestão e comportamento aplicados à toda a equipe. A chave para mudança cultural é consistência e avaliação constante.

3 – Sub-utilizar a tecnologia: Confiar apenas em sua memória para lembrar de seus compromissos e localização de suas pastas e documentos certamente pode acarretar uma série de problemas. Existem diversos softwares jurídicos que lhe ajudam a colocar em ordem seu escritório de advocacia.

O resultados positivos são notados na medida em que o trabalho fica mais prazeroso e menos estressante. Partindo da premissa que você possui um software jurídico para auxiliar nas suas funções advocatícias, você perceberá erros que você estava cometendo antes de adquirir o sistema e poderá trabalhar com afinco para saná-los.

Por exemplo, você terá mais tempo e organização para retornar ligações ou e-mails dos seus clientes, você dificilmente perderá documentos, prazos ou audiências, você ganhará tempo ao receber automaticamente as movimentações de seus processos entre outros benefícios.

4 – Análise superficial de processos: Outra preocupação importante envolvendo a advocacia é a leitura superficial de seus processos e também a deficiência de alguns advogados em escrever corretamente e de maneira coerente suas peças.

O advogado deve dominar a escrita e evitar utilizar-se de leitura dinâmica em todos os momentos, afinal, é a correta compreensão e interpretação de dados que vai permitir que você defenda seus clientes de maneira eficiente.

Falhas no processo de compreensão dos dados apresentados influenciam diretamente em seu desempenho profissional, diminuindo a rentabilidade de seu negócio e a volume de recomendações geradas por casos vencidos, sem comentar a ausência de sua função social acarretando no prejuízo de seu cliente.

5 – Perda de prazos processuais: Não menos importante é a perda de prazos processuais e, infelizmente, este problema é um dos mais comuns entre os advogados hoje em dia.

Sim, inúmeros são os prazos e normalmente eles são bastante apertados, mas o operador do direito deve se organizar para não deixar seu cliente “a ver navios”.

Atrasos em função de trânsito e outros imprevistos costumam ser extremamente prejudiciais, mas ainda assim, recorrentes. A utilização de um software jurídico com avisos de compromissos aliada a organização de uma agenda com "espaços" de respiro, garantem a resolução deste problema e prevenção de sua repetição futura.

6 – Contrato de honorários: Por fim, mencionamos que o contrato de honorários também deve ser muito bem explicado para os clientes, a fim de evitar estresse e discussões tanto com colegas de classe quanto com o cliente, após o ganho da causa.

O advogado deve informar pormenorizadamente as diferenças existentes entre honorários contratuais, sucumbência e honorários advocatícios. O cliente não tem obrigação de saber previamente destas informações, mas o advogado precisa deixá-las claras desde o primeiro contato. É ético e saudável para ambos.

E o que mais?

Quais as maiores dificuldades que você enfrenta em seu dia a dia? Compartilhe conosco nos comentários.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria