A gestão pública ineficiente prejudica a evolução pátria.

A história brasileira é extensa, marcada por conquistas sociais que devem ser sempre preservadas. Atualmente, a Constituição Federal de 1988, que norteia o ordenamento jurídico, alcançou pequena parcela de seus objetivos sociais nesses 25 anos de vigência. Todavia não cumpriu grande parte de suas obrigações e deveres, o que nos leva a crer que, os direitos e garantias constitucionais, expressamente elencados, carecem de atos eficazes. 

Por isso, oportuno diversos questionamentos vêm a tona. A evolução nacional não está aquém da capacidade de um Estado como o Brasil, que possui abundância de recursos naturais? Em 25 anos de vigência o Brasil progrediu como poderia? Se geograficamente restou comprovado que o Brasil é privilegiado, uma vez que tem pouca incidência de eventos naturais - como terremotos-  o que será que impede os brasileiros de terem um país desenvolvido? A carga tributária, que é altíssima, corrobora com os serviços públicos prestados?  

A reflexão ora proposta consiste na analise da evolução pátria, aquela que chegou aos países desenvolvidos efetivamente, detentores de transportes públicos eficientes, hospitais e escolas de qualidade, profissionais bem remunerados e estabelecimentos criminais estruturados e adequados para fazer valer a lei. Ao nosso ver, infelizmente parece utópico tais serviços no Brasil.  

  Nesta linha, incumbe aos gestores públicos - contratados, de carreira ou os representantes eleitos pelo povo - à promoção de atos públicos coerentes com o elencado, como os objetivos constitucionais. Vejamos os objetivos constitucionalmente previsto na Carta Magma de 1988: 

"Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: 

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; 

II - garantir o desenvolvimento nacional; 

III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; 

IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação." 

O povo faz jus a efetivação dos citados objetivos constitucionais, e, sem a menor dúvida, corrobora com a afirmação de que o progresso brasileiro poderia ser maior. Com a devida venia, salta aos olhos até dos ignorantes, que o câncer brasileiro tem causa clara, a gestão pública.

Não há espaço mais para falacias, justificativas desprovidas de fundamentos por parte dos nossos representantes, certo é que a administração do Estado é ineficiente. Inaceitável, portanto, compactuar com atos de gestores públicos focados apenas em seus próprios interesses, em desfavor daqueles que carecem de assistência publica efetiva.

A fim de limitar o tema, de acordo com o  Secretaria de Estado de Defesa Social -SEDS, até janeiro de 2014, só no Estado de MG existiam 53.081 presos, com déficit de 17 mil vagas. Sendo que desse alarmante número, a maioria dos detidos não foram submetidos a julgamento. No Brasil, a população carcerária é de 514.582 detentos, a despeito de existir uma capacidade projetada para 306.497 presos. Isso significa um déficit de 208.085, segundo dados de dezembro de 2011 do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) -- órgão ligado ao Ministério da Justiça. 

Vale salientar que a precariedade do sistema criminal nacional deve ser analisado globalmente. Isto porque, se traduz na falta de servidores públicos (dentre eles, agentes penitenciários, juízes, policiais; etc), penitenciarias, casas de albergados, colônias agrícolas, órgãos judiciais. 

Ora, a crise é sistêmica. É realidade que não corrobora com investimentos estatais, vontade politica, como dever-se-ia. Destarte, não é crível aceitar que a falta de estrutura do Estado impeça o cumprimento e aplicação de penas, em plena Era pós-moderna. Não falta recurso financeiro e sim vontade daqueles que, dizem, nos representam.

Abaixo compartilho ideia que pode ser útil ao cidadão que sonha, como nós, pela efetivação da "Ordem e do Progresso" nas ações públicas da administração pública. Trata-se do modelo japoneses carcerário, que tem como fim levar o preso ao arrependimento, para tanto uma série de tarefas são feitas durante a prisão do condenado. O modelo é eficiente e serve de modelo para todas as nações. Sem estrutura adequada, não há como a pena atingir seus fins, quais sejam, reeducar e ressocializar o sentenciado.

https://www.youtube.com/watch?v=Te3Ud6RVBGw&noredirect=1#t=16

O que falta mesmo é vontade política. O resto é falácia.


Autor


Informações sobre o texto

A situação atual do Brasil e sua força ofuscada pelos representantes do povo.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria