Breve Panorama do Novo Código de Processo Civil Brasileiro

Esta semana, finalmente, após mais de 05 anos tramitando no Congresso Nacional, o Senado enviou no dia 24/02/2015 a redação final do Novo CPC[1] para a sanção da Presidenta Dilma, que poderá ser tácita ou expressa, ou veto total ou parcial, que deverá ocorrer até o próximo dia 11/03/2015, de acordo com o prazo constitucional de quinze dias[2].

As expectativas para os operadores do Direito são as melhores possíveis[3], tendo em vista que o novo Código se preocupou em simplificar o trâmite processual e dar maior segurança jurídica à prestação do serviço jurisdicional, mas mantendo institutos importantíssimos do nosso atual Código de Processo de 1973[4].

Estimula, por exemplo, que os Precedentes Judiciais[5] sejam de fato utilizados, fazendo com que os próprios Tribunais Superiores respeitem suas decisões, obedecendo-os do topo da pirâmide dos órgãos judiciais até a base, que são os juízes de primeiro grau. Ganha, assim, a sociedade com a uniformidade da jurisprudência, o que a torna mais estável, segura, confiável e, consequentemente, proporciona a celeridade processual.

Este Código inova ao expor que matérias de ordem pública, tais como condições da ação, pressupostos processuais, prescrição e decadência, devem respeitar o Princípio do Contraditório, com a obrigatória e prévia oitiva das partes.

Outro ponto importante é que o novo Código preza pela arbitragem[6], conciliação e mediação[7], tema que ganha um capítulo inteiro, tendo os juízes, advogados, defensores públicos[8] e membros do Ministério Público o dever de estimular a solução consensual dos conflitos. Os réus, agora, serão citados para comparecimento na audiência de conciliação e mediação, num Centro Judiciário de Solução Consensual do Conflito que cada Tribunal deverá ter, e não citados logo para contestar.

Ainda no caminho da inovação, existe a possibilidade de acordos de procedimentos realizados pelas partes, que as incentiva a acordar e realizar uma convenção, dialogar sobre poderes e deveres no processo, suspendê-lo, assim como confeccionar um calendário, de forma a fixar as datas da prática dos principais atos do processo, retirando a necessidade de intimação e trabalho constante nos cartórios judiciais.

Mais uma questão de extrema relevância é que este novo Códex traz o incidente de desconsideração da personalidade jurídica[9], em que a parte será chamada ao processo para se manifestar sobre a desconsideração, não sendo pega de surpresa na decisão judicial,  demonstrando um respeito maior pelo Princípio do Contraditório. Referente a este tema, mais uma novidade é a possibilidade expressa em lei da aplicação da desconsideração da personalidade jurídica inversa[10]: em que a ação judicial contra a pessoa física pode ser redirecionada contra a pessoa jurídica.

Numa breve e sintética visão panorâmica sobre o Novo CPC, esses são alguns dos principais pontos que, a meu ver, facilitarão o caminho do processo.

De toda forma, o Novo Código sozinho não trará todas as soluções necessárias. Deve haver uma boa vontade da comunidade jurídica: uma cooperação total entre legislador e intérprete da lei.


[1] A redação final do novo CPC pode ser encontrada no site: http://legis.senado.leg.br/mateweb/arquivos/mate-pdf/160741.pdf

[2] Artigo 66, §1°, da Constituição Federal.

[3] Conforme explica a Comissão de Juristas encarregada na elaboração do Anteprojeto do Novo CPC, instituída pelo Ato n. 379/2009, do Presidente do Senado Federal, de 30/09/2009. A ideologia norteada dos  trabalhos da Comissão foi a de conferir maior celeridade à prestação da justiça, assim, foram criados novos institutos e abolidos outros que se revelaram ineficientes  ao longo do tempo.

[4] Tais como os institutos da Tutela Antecipada e o Cumprimento de Sentença.

[5] Já existem instrumentos de respeito aos precedentes judiciais no Brasil. Como, por exemplo, as súmulas vinculantes, decisões em ações de controle abstrato e em ações de recursos repetitivos com repercussão geral.

[6] A arbitragem já está disciplinada pela Lei nº 9307/96, e tem tido grandes avanços no Brasil.

[7] Não obstante pareçam se confundir, os institutos da conciliação e da mediação são bem diferentes. No primeiro, o conciliador ajuda as parte a chegar a um acordo, podendo ele mesmo propor.

No segundo, o mediador não pode propor acordo, apenas facilitar o diálogo entre as partes ajudando-as a chegar a um acordo.

[8] A defensoria Pública tem como uma de suas funções institucionais dar preferência a solução extrajudicial dos conflitos, conforme art. 4º, inciso III,  da Lei Complementar 80/94.

[9] Já existe no ordenamento jurídico brasileiro algumas leis que preveem a desconsideração da personalidade jurídica, sem , contudo, disciplinar o procedimento para que isso corra.  O Código Civil, em seu artigo 50; e o Código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 28.

[10] Inexistia qualquer disciplinamento legal a esse respeito, não obstante já haver pronunciamento do STJ quando à possibilidade de ocorrência da desconsideração inversa da personalidade jurídica. Neste sentido, Julgados do STJ: Resp n. 1236916/RS; e Resp n. 948.117/MS, ambos da Relatora Ministra Nancy Andrighi.


Autor

  • Paula Saleh Arbs

    Advogada<br>Graduada em Direito pela Universidade Cândido Mendes - Ipanema<br>Pós Graduada em Direito Processual Civil na Universidade Federal Fluminense - UFF/RJ<br>Mestranda em Direito Processual Civil na Universidade de Coimbra, Portugal<br>

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria