O presente artigo traz informações acerca da nova Lei da Guarda Compartilhada

Agora, com esta nova Lei13.058 de 22/12/2014, a guarda compartilhada passou a ser compulsória, ou seja, em casos de separação, o Juiz de plano, fixará a guarda compartilhada, exceto é claro, quanto perceber, que tal instituto não irá beneficiar a criança, ou quando um dos pais abrirem mão da guarda da criança.

Contudo, isto não quer dizer, que a criança deverá permanecer parte do tempo com a mãe e parte do tempo com o pai (meio a meio), não é isto! Todavia, deverá chegar ao mais perto possível disto, com exceção é claro de pais que morem em cidades distintas, levando-se em consideração onde mora e onde estuda a criança, ou seja, tudo pensado para o bem estar da criança.

A nova regra convida, ambos os pais a serem pais, sem levar em consideração, quem realmente tem a criança junto a si, pois mesmo que a criança conviva a maior parte do tempo com o pai ou com a mãe, tal fato não macula o instituto da guarda compartilhada, pois ambos terão os mesmos direitos e deveres para com a criança (ambos exercerão a guarda).
                               
Importante frisar, que continua mantido o dever de prestar alimentos (pensão) , bem como deverá ser definido o domicílio da criança.

Na questão de alimentos, já há decisões do Rio Grande do Sul, que extinguiu a prestação de alimentos na guarda compartilhada, mas trata-se de uma decisão isolada. Há ainda o dever de prestar alimentos nesta modalidade de guarda.

Sem sombra de dúvidas, uma Lei que trouxe inovações benéficas, uma vez que o Juiz, agora, não estará mais vinculado ao que almejam ou disputam as partes. (que na maioria das vezes são pouco generosas e até egoístas), pois se utilizam da criança para de alguma forma atacar ou tentar atacar o ex cônjuge. Agora, podemos perceber que houve uma inversão nos valores, sendo que, no regime anterior, os pais brigavam pela guarda, o que não será mais necessário, pois a guarda já será de ambos, restando agora, caso um dos ex consortes não desejar a guarda, poderá dela abrir mão.

Um instituto que veio para beneficiar os interesses do menor, que muitas vezes era alvo de grandes batalhas judiciais, onde os protagonistas eram seus próprios pais! E o faziam para de alguma forma, atingir, ferir, muitas vezes denegrir o ex cônjuge.

Agora, podemos perceber com clareza, que o instituto da guarda compartilhada, vem se harmonizar e muito com o Instituto da Alienação Parental, sendo que agora, as dois institutos andam de mão dadas!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria