Custos de selo de controle podem ser deduzidos no recolhimento de PIS e COFINS

Instituído para controlar a arrecadação do IPI, o selo de controle está previsto no artigo 46º da Lei nº 4.502/64 e é regulamentado pelo artigo 3º do Decreto-Lei nº 1.437/75. Por vez o artigo 60° da Lei nº 11.196/2005, garante que a pessoa jurídica industrial ou importadora de produtos sujeitos ao selo de controle (cigarros, bebidas alcoólicas, relógios de pulso e bolso, fósforo importado, etc) poderá deduzir da Contribuição para o PIS/PASEP ou da COFINS crédito presumido correspondente ao ressarcimento de custos efetivamente pagos no mesmo período.

Contudo, a Lei 12.995/2014 em seu art. 27º, da qual passa a vigorar a partir de 1° de janeiro de 2015, revoga o disposto no art. 60º da Lei nº 11.196/2005 e do art. 3º do Decreto-Lei nº 1.437/75. Devido aos princípios da irretroatividade, as pessoas jurídicas que fizeram aquisições de selos de controle até 31 de dezembro de 2014 ainda tem a oportunidade de recuperar os créditos tributários dessa operação. Já aquelas que efetuarem a compra de selos após o último dia de 2014, não terão direito a recuperação de créditos nesse ponto.

No caso em que a legislação permite a recuperação de crédito, caberá ao revisor efetuar uma apuração para identificar os valores pagos dos custos com selos de controle, através do cruzamento do balancete ou da razão, com o DACON ou a EFD-Contribuições. Em seguida, é preciso verificar se os valores foram creditados no DACON ou na EFD-Contribuições. Em caso negativo, deve-se apurar as diferenças e providenciar o creditamento. Calculado esse valor é necessário que seja feita a retificação do DACON ou da EFD-Contribuições, com o fim de solicitar os créditos tributários dos pagamentos a maior. Nesse caso a utilização do crédito presumido está limitada ao custo efetivamente pago no mesmo período, débito de PIS e COFINS do mês correspondente.

Após a apuração dos valores, verifica-se a possibilidade de compensá-los ou restitui-los, seguindo procedimentos instituídos pela Lei nº 9.430/1996 nos seus artigos 73 e 74, e a Instrução Normativa da Receita Federal nº 1.300/2012. Porém, visa salientar que a restituição do crédito tende a ser mais burocrática e por sua vez morosa. Em contrapartida, a compensação é automática, assim que informado ao Fisco.

Portanto, a legislação possibilita o ressarcimento dos custos e demais encargos dispensados dos produtos relacionados pelo Ministro da Fazenda para possuir o selo especial, ou seja, ao adquirir tais selos a pessoa jurídica poderá solicitar uma recuperação de crédito de PIS e COFINS. Esse montante recuperado poderá ser aproveitado em exercícios futuros.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria