Para a consolidação do sucesso é necessário estudo contínuo, a gestão do conhecimento, de nada adianta planejar, controlar, propagar, se o advogado ao vender seu produto, que é serviço, o faz de forma amadora sem demonstrar conhecimento de causa.

Convivo diariamente com a advocacia há 3 décadas e a mudança que vejo nela é impressionante. A evolução do direito reflete o avanço da sociedade e hoje, para que o advogado tenha chance de alcançar o sucesso, é preciso gerir seu negócio com profissionalismo.

É necessário conhecimento, gestão estratégica e a prática do marketing jurídico.

Planejar somente não é o bastante, é necessário estabelecer foco, medir desempenho, avaliar pontos fracos, e enaltecer pontos fortes.

Através de um plano de negócios simples, é possível avançar e crescer.

A gestão tem que ser valorosa, elaborar fluxo de caixa, provisionamento, fundo de investimentos, ter capital de giro e jamais cometer o erro banal de misturar as despesas pessoais com as despesas do escritório.

Hoje com o mercado cada vez mais competitivo, o cidadão cada vez mais exigente, é necessário que seja implantado processo de pós-venda, o que não é garantia de sucesso, mas pelo menos pode trazer maior satisfação para o cliente.

A justiça brasileira, tardia, reflete diretamente na nossa reputação. Não deixe com que o cliente impute a você a lentidão da justiça. Através de um procedimento ordenado de pós-venda, o cliente pode se sentir prestigiado e lembrado.

Se pousarmos os olhos no passado, vemos que atualmente o perfil de nosso concorrente mudou. Com a emancipação da mulher, que hoje está em maior número nos bancos das universidades e com sua entrada triunfante no mercado de trabalho, atuando na maioria das novas profissões, incluindo a advocacia, fez com que o mercado se rendesse ao nosso senso de organização, disciplina e facilidade em desenvolver múltiplas tarefas ao mesmo tempo.

É preciso estudar o concorrente, perceber o que ele está fazendo e como está lidando com os elementos básicos de gestão.

Por falar em gestão, é impossível a prática da advocacia sem suporte tecnológico. Eu que nos primeiros anos, desenvolvi minhas atividades em uma máquina de escrever manual, tive mais dificuldade em entender o poder das novas tecnologias e os reflexos delas em nossa vida.

Mas evoluir é preciso, através de um programa jurídico eficiente é possível gerenciar pessoas, processos, pastas e arquivos. Estamos na era digital, as pastas podem sair definitivamente dos arquivos e tomarem seus postos em arquivos tecnológicos.

Mas a tecnologia também sem gestão é um mecanismo solitário, sendo importante a pessoa do Controller, para dar eficiência aos procedimentos e fazer com que os riscos sejam menores. O Controller é o gerente dos processos, sejam eles jurídicos ou de gestão.

E para permanecer neste mercado, onde os homens eram maioria e vimos a mulher integrá-lo com elegância, é necessária a prática do marketing jurídico.

É possível em consonância com o código de ética, propagar nosso trabalho, um bom trabalho é garantia de uma boa indicação, através de sites e redes de relacionamento podemos nos fazer presentes.

Ao colocar nossa marca na rede mundial da internet, o conhecimento pode ser disseminado em artigos, em palestras; mas uma vez mais é preciso ser profissional. A apresentação pode abrir portas, ou pode fechá-las para sempre.

Para a consolidação do sucesso é necessário estudo contínuo, a gestão do conhecimento, de nada adianta planejar, controlar, propagar, se o advogado ao vender seu produto, que é serviço, o faz de forma amadora sem demonstrar conhecimento de causa.

Por espelhamento empresarial o advogado pode se consolidar em qualquer mercado, sendo possível fazer a diferença longe dos grandes centros.

Mesmo estando em uma cidade do interior o advogado pode alcançar seu mercado, ele pode ser do tamanho do mundo, se este for o seu sonho.


Autor

  • Mirian Gontijo Moreira da Costa

    Fundadora do Escritório Mírian Gontijo Associados. Advogada inscrita na OAB sob o nº 45.028. Graduada pelas Faculdades Integradas de Uberaba (MG) e Pós-Graduada em Gestão, Legislação e Regulamentação Ambiental na Ecobusiness School, em convênio com a State University of New York. Participante do Curso de Desenvolvimento Empresarial no período de novembro/2007 a maio/2008 pelo IDE - Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Treinamentos. Coordenadora dos Cursos de Direito Público do Instituto Brasileiro de Direito Minerário. Foi presidente da 45ª Subseção da OAB de Patos de Minas.<br>

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria