De um lado temos o Prejuízo Contábil determinado pela legislação societária, do outro, o Prejuízo Fiscal determinado pela legislação tributária.

Existem dois prejuízos dos quais podem ser apurados pela pessoa jurídica. O primeiro configura-se Prejuízo Contábil, que é apurado na Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) do período de apuração, conforme determinado pelo art. 187 da Lei nº 6.404/76 e obtido por meio da escrituração comercial do contribuinte. O segundo é denominado Prejuízo Fiscal, apurado na Demonstração do Lucro Real e registrado na parte B do Lalur, caso feita a escrituração até dezembro de 2013 ou a partir de Janeiro de 2014 no e-LALUR, sendo compensável para fins da legislação do Imposto de Renda.

Outro ponto em que se consegue diferenciar ambos facilmente é o fato do Prejuízo Contábil ser determinado pela legislação societária, enquanto o Prejuízo Fiscal tem sua determinação e compensação pela legislação tributária do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

O Prejuízo Contábil se dá através do resultado líquido final negativo apurado diante da conta de receitas menos custos, despesas (operacionais e não-operacionais), provisões e outros encargos. Sendo assim, o saldo apurado é transferido para a conta "Lucros ou Prejuízos Acumulados", classificada no grupo "Patrimônio Líquido (PL)" do Balanço Patrimonial (BP). A compensação desse prejuízo é efetuada com lucros e/ou reservas contábil em períodos futuros.

O Prejuízo Fiscal tem sua origem na determinação do Lucro Real, onde a partir do resultado contábil do exercício, positivo ou negativo, são efetuados os ajustes de adições e exclusões na Parte A do Lalur, conforme determinação da legislação do IRPJ, devido ao fato de que o Lucro Real é apurado pelo Lalur do qual obedece as normas da legislação do IRPJ. Quando, depois dos ajustes, o resultado final apurado for negativo, sendo assim denominado prejuízo fiscal, será controlado na Parte B do Lalur.

A compensação desse é efetuada em períodos de apuração subsequentes, mensais ou anuais, independentemente do prazo observado em cada período de apuração o limite de 30% (trinta por cento) do lucro líquido ajustado a ser utilizado, limite do qual não se aplica em relação aos prejuízos fiscais decorrentes da exploração de atividades rurais.

Sobretudo, pode-se concluir que a pessoa jurídica tributada pelo Lucro Real que apurar resultado contábil negativo, não perde a oportunidade de efetuar o cálculo e recolhimento do IRPJ e da CSLL, visando que esse valor pode ser ajustado entre exclusões e adições autorizadas pela legislação de modo a tornar-se positivo para fins fiscais.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria