O ARTIGO DISCUTE AS FORMAS DE HOMICÍDIO QUALIFICADO EM ESPECIAL AS FORMAS QUE TORNEM IMPOSSÍVEL A DEFESA DA VÍTIMA.

MODOS DE EXECUÇÃO QUE QUALIFICAM O HOMICÍDIO  TORNANDO IMPOSSÍVEL A DEFESA DA VÍTIMA

ROGÉRIO TADEU ROMANO

Procurador Regional da República aposentado

Há situações no crime de homicídio  em que se dificulta ou se torna impossível a defesa da vítima(traição, emboscada, surpresa).

O homicídio é a morte de uma pessoa por outra.

Há o homicídio simples(matar alguém); o homicídio qualificado,; o homicídio privilegiado; o homicídio culposo, inclusive sob culpa gravíssima;a eutanásia;o infanticídio(homicídio privilegiado especial), o induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio.

O início da existência da pessoa humana, a partir do qual pode ser vítima de homicídio, é estabelecido a partir da definição do crime de infanticídio[1](artigo 124), que é uma forma de homicídio privilegiado especial(Matar o próprio filho, durante ou logo após o parto, sob a influência perturbadora deste, quando hoje se fala em ¨influência do estado puerperal¨[2]. Assim pode ocorrer o homicídio a partir do início do parto(RT 729/571). Início do parto é entendido como o rompimento do saco amniótico, em dores da dilatação, às quais normalmente se segue o rompimento do saco aminiótico, dilatação do colo do útero e desprendimento do feto no álveo materno. Há aborto, que é crime, se há a destruição do feto antes do início do parto.

A prova do nascimento com vida é fornecida com a comprovação da respiração pela docimasia. Nelson Hungria vai além ao ensinar que mesmo sem a respiração a vida pode manifestar-se por outros sinais, como sejam o movimento circulatório, as pulsações do coração.[3]

Se há siameses ou xifópagos há um duplo homicídio.

O homicídio é crime material e se consuma com o evento morte. A gravidade desse crime(ato antijurídico e típico), deve merecer séria reprimenda penal. Correto o projeto ao aumentar a pena mínimado homicídio simples de seis para oito anos de prisão.Por outro lado, aumenta de um sexto para um quarto da pena o tempo mínimo que o apenado primário é obrigado a ficar preso em regime fechado. Por sua vez, a progressão para os reincidentes em crime doloso ou cometido com violência ou grave ameaça fica em um terço da pena.

O homicídio qualificado é oposto do homicídio privilegiado, já que as circunstâncias deste suavizam as penas cominadas no homicídio simples.

Percebe-se que estamos em situação grave, diante do homicídio qualificado, previsto no artigo 121, § 2º, onde o agente revela um verdadeiro desprezo a seu semelhante seja praticando o crime: mediante paga, mando, promessa de recompensa; por preconceito de raça, cor, etnia, orientação sexual e identidade de gênero, deficiência, condição de vulnerabilidade social, religião, procedência regional ou nacional, ou por outro motivo torpe; ou em contexto de violência domestica ou familiar; por motivo fútil; com emprego de veneno; fogo, explosivo, asfixia, tortura ou meio igualmente insidioso,cruel ou de que possa resultar perigo comum; à traição, de emboscada, mediante dissimulação ou outra conduta análoga para dificultar ou tornar impossível a defesa do ofendido; para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime ou por dois ou mais agentes em atividade típica de grupo de extermínio. A isso se acrescenta agravante genérica como é o caso do parricídio, um crime infame que é matar um pai.

O anteprojeto de forma salutar procura impor penas mais graves, inserindo como qualificadoras as hipóteses de homicídio praticado tendo como base um preconceito racial, ético, sexual.

Motivo fútil é aquele que se apresenta como antecedente psicológico desproporcionado com a gravidade da reação homicida, em afronta a sensibilidade moral da sociedade. Assim o desentendimento banal e corriqueiro, como o que surge numa briga de vizinhos, de colegas, numa partida de futebol.

Torpe é o motivo que ofende de forma grave a moralidade média e os princípios éticos dominantes em determinado meio social.

O homicídio mediante paga é o que chamamos de assassínio. Implica na participação de duas pessoas, sendo o homicídio qualificado para ambas, onde há ausência de sensibilidade moral. Aqui a recompensa terá um valor econômico.

Haverá homicídio qualificado pelo envenenamento caso ele seja ministrado à vítima de forma insidiosa, sem o seu conhecimento.

O envenenamento violento pode ser considerado meio cruel, que é todo aquele que acarreta padecimento desnecessário para a vítima,aumentando inutilmente o sofrimento. O meio cruel, de que é tipo a tortura, é o preferido pelo sádico que se compraz mais com o sofrimento do que com amorte da vítima.

A tortura é meio cruel, onde se revela uma culpabilidade extrema.

A asfixia, por sua vez, é forma cruel de causar a morte.

A traição é a perfídia, a deslealdade, dele se distinguindo a emboscada, quando o agente aguarda a vítima, oculto, por certo tempo, no lugar ou nos lugares onde se pode atingir e ainda da surpresa.

Ainda incide a qualificadora nos casos de homicídio causado em face de conflitos domésticos, não só em defesa do meio familiar, mas ainda como resposta a covardia e crueldade dessa forma de matar que envolve entes da família.

Digna de aplausos a inclusão da qualificadora para os casos de morte causada por verdadeiros esquadrões da morte, que se constituem para eliminação,em prol de interesses inconfessáveis.

A gravidade do crime de homicídio qualificado exige a correta reprimenda na proporcionalidade devida, à luz do artigo 121, § 1ª, de prisão(não se falará mais de reclusão ou de detenção) de doze a trinta anos, podendo a pena ser aumentada de um terço(causa de aumento de pena), que surgirá, na terceira fase junto com as causas de diminuição,pelo método trifásico, após o cômputo das circunstâncias judiciais e atenuantes e agravantes(artigo 84) , se o crime é praticado contra criança ou idoso.

É trazido a discussão o homicídio qualificado(artigo 121, § 2º, IV, do CP), quando há indícios de que seria cometido “à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido”. São circunstâncias que levam à prática do crime com maior segurança para o agente, que se vale da boa-fé ou desprevenção da vítima e revelam a covardia do autor. A traição consubstancia-se essencialmente na quebra de confiança depositada pela vítima do agente, que dela se aproveita para matá-la. Demonstra o agente um maior grau de criminalidade quando pratica o crime à traição. Atinge o agente a vítima descuidada e confiante, em casos de perfídia e deslealdade. Se mata a vítima adormecida pode agir com traição, que é caracterizada pela perfídia e pela deslealdade(RF 159/385; 165/334). Será o procedimento insidioso, quando houver disfarce da intenção hostil, de tal modo que a vítima iludida, não tem motivo para desconfiar do ataque e venha a ser colhida de surpresa(RF 106/128; 159/385).

Há emboscada quando o agente aguarda a vítima, oculto, por certo lapso de tempo, no lugar ou nos lugares onde a pode atingir.

A dissimulação é o emprego de recurso que distrai a atenção da vítima do ataque do agente. Por sua vez, a emboscada é a espera por parte do agente, da passagem ou chegada da vítima descuidada, para feri-la de improviso(RT 333/500). Por sua vez, a surpresa pode qualificar o delito quando, de forma efetiva, tenha dificultado ou impossibilitado o agente de se defender(RT 545/326). Será o caso do gesto repentino quando não se dá à vítima condições de se defender.

Para se ter uma ideia, no direito penal brasileiro, há homicídio qualificado se há recurso que dificulta ou impossibilita a defesa. Tal só pode abranger hipótese que seja análoga à traição, emboscada ou dissimulação(TJSP, RJTJSP 108/451). Entende-se ainda que além da surpresa não haja razão para o ofendido esperar ou pelo menos suspeitar da possibilidade de agressão.

O Código Penal menciona a expressão genérica ou outro recurso que dificulte ou impossibilite a defesa da vítima como a surpresa para o ofendido(RT 154/22 – 159/556 – 166/528 – 177/128). Em verdade, como explicou Magalhães Noronha[4] “a dificuldade ou impossibilidade há de resultar do modo por que o agente atua e não de condições do sujeito passivo”.

Da leitura do Código Penal tem-se o caso em que o homicídio é cometido como meio de conseguir um fim que pode ser o de assegurar a execução de outro crime ou a ocultação de um delito ou a impunidade que pressupõe o conhecimento do delito, mas visando o agente à subtração de suas consequências, ou a vantagem que quase sempre será patrimonial, o que, no entanto, não será imprescindível.

Ocultação de um crime não é impunidade dele. Na ocultação se tem o fato em vista. Na impunidade, o agente.

Mas é necessário atentar para a lição de Magalhães Noronha[5] para quem o segundo crime não forma com o homicídio um delito complexo, um tipo da fusão de dois ou mais tipos. Haverá conexão ou conexidade entre eles. São delitos autônomos que devem ser presos a uma relação de causa e efeito ou de meio e fim. Não se fundem ou dissolvem para formar um tipo, isto porque não há um terceiro tipo. O latrocínio não se enquadra na visão do artigo 121, V, § 5º, do CP, uma vez que é um crime complexo(RT 210/500 – 226/580).


[1] O anteprojeto, no artigo 124, parágrafo único, espanca dúvida com relação a eventual concurso de agentes no infanticídio  quando quem, de qualquer modo, concorrer para o crime, responde nas penas do homicídio. Adota-se a tese de Hungria, de Fragoso, fundada no direito suíço, segundo o qual, nesse  crime, o concurso de agentes é inadmissível. Não se admite aqui autoria ou participação de infanticídio.

[2] Entende-se por estado puerperal um estado fisiológico normal. Para uns, é o estado em que se encontra a parturiente durante a gestação, o parto e algum tempo após este. Para outros, é o período que se segue ao parto ou ainda, o que se inicia com o parto e termina com a involução clínica do útero e a menstruação. O crime é material e se consuma com a morte do feto e do recém-nascido.

[3] HUNGRIA, Nelson. Comentários ao código penal, Rio de Janeiro, volume V, 5ª edição,  1980, pág. 38.

[4] MAGALHÃES NORONHA. E. Direito Penal, São Paulo, 1976, 12ª edição, pág. 33.

[5] MAGALHÃES NORONHA, E. Direito Penal, São Paulo, 1976, 12ª edição, pág. 33.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria