O senso comum que penas mais duras solucionarão o grave problema da violência, não se sustenta.

Deparo-me muitas vezes em sala de aula com meus alunos discutindo sobre a inflação legislativa no nosso ordenamento pátrio. O senso comum nos leva a crer que se as leis se tornarem mais duras iremos aplacar o crescimento da violência. Na verdade, há uma falsa impressão de que se combate violência com lei dura. Os exemplos de outros países, muitos deles que adotam a pena de morte, mostram-nos que essa equação “lei dura – redução da violência “ não encontra sustentação nos números estatísticos, os quais ao contrário revelam que em muitos estados americanos, por exemplo, a adoção da pena capital em nada implicou na redução de mortes por homicídio. Uma constatação simples: o deliquente não consulta o código penal antes de cometer um crime, muito menos se preocupa com o preceito secundário do tipo. Isso nos permite, por ilação, verificar que aumentar a carga punitiva ou criar novas leis por si só em nada afasta os números alarmantes de violência no país. Esse raciocínio nos permite dizer que o combate da violência nos exige muito mais do que reprimir condutas. O que se deve levar em conta é que a violência não nasce por acaso, salvo situações excepcionais. Na maioria das vezes, para não dizer quase sempre, a prática da violência está associada à negação de direitos, à desestrutura familiar e ao processo de injusta exclusão social que é traço preponderante do nosso processo histórico. Pode parecer simplório tal afirmação, mas não é. A experiência de mais de 16 anos no judiciário me permitiu observar que adolescentes e jovens afeitos a práticas delituosas são quase sempre filhos de pais separados, de famílias destroçadas e, em sua grande maioria, pertencentes à linha de pobreza, sem escolaridade regular. A eles, na verdade, tudo foi negado e nada acrescentado. São vítimas de um mecanismo espoliador insidioso, que lhes privou da infância e do direito de sonhar. A história é quase sempre a mesma: São trapos humanos que se tornaram escória da sociedade. É inegável que nos é exigida a lucidez para compreender, salva raríssimas exceções, que ninguém comete um crime pela simples tendência à prática da maldade, com se lhe fosse índole peculiar. Não! Por trás de um criminoso há sempre uma história de dor, abandono, exploração e falta oportunidade. Não quero aqui a falsa incompreensão de que pretendo proteger o criminoso ou justificar a sua conduta, apenas, a título de provocação, lançar luzes para um debate maior que perpassa necessária e inadiavelmente pelo prisma da revisão histórica, o que impõe uma análise sociológica dos fatos com a criticidade que o tema exige. É cediço que a formação do nosso país foi marcada pela exploração estrangeira, deixando-nos uma herança escravocrata e atentatória do direitos mais elementares da pessoa humana. Urge a adoção de políticas públicas efetivas voltadas à educação, não apenas na sua formalidade intrínseca, mas avançando pela transversalidade, trazendo à lume uma formação integral da pessoa humana, desenvolvendo valores, aptidões, práticas empreendedoras que permitirão empregabilidade e sustentabilidade. Isto é: À medida que tornarmos as pessoas independentes, garantindo-lhes oportunidades e perspectivas para uma vida melhor, nenhuma delas será atraída para fosso da criminalidade. Isso sim vale a pena! Reflitamos!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria