O ARTIGO TRAZ À COLAÇÃO CASO CONCRETO.

A TRAGÉDIA DO CARF

ROGÉRIO TADEU ROMANO

Procurador Regional da República aposentado

Enquanto o brasileiro está lutando para apresentar, dentro da ética e das leis, sua declaração anual de imposto de renda, a imprensa relata investigação promovida na operação chamada de Zelotes, onde se analisam condutas contra o erário.

A ética é a ciência da conduta. Nesse entendimento a norma ética constitui, na visão de Kant, um verdadeiro imperativo categórico, porquanto sua violação acarreta penalidade, seja de natureza moral, como o remorso, o arrependimento, a censura, a desconsideração pública, a má fama, como a de natureza jurídica, como as que surjam da conduta própria da improbidade, suas penas, e ainda as sanções de natureza penal e administrativa.

Zelote ou zelota significa alguém que zela pelo nome de Deus.

Aprendi com o meu pai: o homem correto deve cumprir as leis, respeitar o próximo e pagar seus tributos.

Autuadas as empresas eram contatadas por quadrilhas via “captadores”, que poderiam ser consultorias ou escritórios de advocacia, para tentar reverter a multa ou fazer lobby em órgãos do governo.

Esses escritórios têm como sócios ex-integrantes do Carf, conselho que julga, em segunda instância, casos em que o contribuinte já foi autuado.

No desenrolar, a investigação na operação Zelotes identificou que conselheiros do Carf ligados a esses escritórios revertem as multas e são pagos por isso. Soube-se que, em alguns casos, o próprio conselheiro procurava empresas ou escritórios após detectar situações reversíveis no Carf.

Tudo isso fere o senso ético, no país em que a corrupção é o seu maior mau, um mal que vem desde a colonização. Que o digam os “donos do poder”.

O crime de corrupção está na ponta de lança. É de amargurar o que foi dito por um conselheiro: “É só pagar a taxa”.

Era uma organização criminosa voltada contra o erário com o objetivo de desmoralizá-lo e esfacelá-lo.

Era o esquema que funcionava envolvendo empresas, advocacia, Carf. Apontados pela Polícia Federal como integrantes de uma organização criminosa, conselheiros do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais(Carf), lobistas e advogados investigados na Operação Zelotes movimentaram R$1,2 bilhão, em 21.541 operações bancárias. A maior parte foi movimentada por uma das empresas de fachada criadas para dissimular a realização de negociações com empresas que sofreram autuações milionárias da Receita Federal.

Segundo o delegado que comandou a operação, as empresas pagavam propina de até 10% para que os grupos "manipulassem" vereditos do Carf em processos de casos que envolvem dívidas tributárias de R$ 1 bilhão a R$ 3 bilhões, anulando ou atenuando cobranças da Receita.

O pagamento era feito pelas empresas aos "captadores". Após ficar com sua fatia, eles repassavam o resto para as quadrilhas, que por sua vez sacavam os valores e os distribuíam aos envolvidos.

Que vergonha!

Corrupção ativa, corrupção passiva e ainda um crime continuado.

Aparece o crime de corrupção passiva, nos seguintes termos, no artigo 317 do Código Penal: ¨solicitar ou receber para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem.¨

Como bem disse Heleno Claudio Fragoso(Lições de Direito Penal, Parte Especial, volume II, pág. 416) a venalidade de funcionários é crime torpe, que atinge a administração pública de várias formas, comprometendo a eficiência do serviço público e pondo em perigo o prestigio de toda a administração.

A corrupção do agente público, na forma de corrupção passiva, corresponde a ação do particular que a promove ou dela participa e que se denomina corrupção ativa. Na forma de receber, o crime é bilateral, sendo inconcebível a condenação do agente a do corresponde autor da corrupção ativa.

O crime é tipicamente formal e se consuma com a solicitação ou recebimento da vantagem indevida ou aceitação da promessa de tal vantagem, sem que se exija outro  resultado.

Por sua vez, o delito de corrupção ativa se materializa no fato do particular oferecer(exibir ou propor para que seja aceita) ou prometer(obrigar-se a dar) vantagem indevida a funcionário  público para levá-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício, que, por óbvio, deve se enquadrar nas atribuições do funcionário. O crime é formal que se consuma com o simples oferecimento, ainda que não aceito, ou com a promessa. Pode praticar o crime qualquer pessoa, inclusive o funcionário, que não aja como tal.

Na redação anterior à Lei 10.763, de 12 de novembro de 2003, previa-se uma pena de reclusão de 1(um) a oito(oito) anos e multa. Era essa pena a mesma imposta à corrupção ativa(artigo 333 do Código Penal). Com a Lei 10.763 a punição para o crime de corrupção passiva  passou a ser de 2(dois) a 12(doze) anos e multa, a mesma pena a seguir para o crime de corrupção ativa.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria