A exposição de grandes empresas brasileiras à crise econômico-financeira não pode ser atribuída única e exclusivamente à indigitada “Operação Lava-Jato”, tal como repercutem as notícias mais recentes. Não podemos comparar a operação da Polícia Federal a outros episódios marcantes de crises econômicas de empresas brasileiras tais como os efeitos do Plano Collor, Crise da Ásia, concorrência chinesa, entre outros.

A realidade é que muitas das empresas que recentemente recorreram à moratória e a novação de suas dívidas por meio do ajuizamento de processos de recuperação judicial já se encontravam em significativo quadro de crise institucional, ética, financeira e econômica. Com atividades de alto risco e situação de crédito alavancada, não restou alternativa para a salvação dos negócios senão recorrer à Lei de Recuperação e Falências, quando restaram deflagrados os efeitos deletérios da crise de credibilidade decorrente da investigação criminal em curso.

Resta agora saber se tomaram essa medida extrema a tempo de preservar as atividades econômicas viáveis. A sociedade e os gabaritados profissionais envolvidos nesse contexto esperam que sim.

A Lei de Recuperação e Falências (Lei n. 11.101/05) comemorou em 9 de fevereiro último dez anos de vigência, e está sendo colocada em teste definitivo. Tudo isso para validar a ação de recuperação judicial de empresas pelo procedimento ordinário como método de trabalho apto para a superação da crise da empresa ou, então, eficiente meio de liquidação e falência.

Os benefícios sociais que a superação da crise da empresa podem propiciar autorizam até mesmo a excepcionalidade da implementação de algumas medidas afirmativas, tais como a eventual sujeição dos créditos garantidos por cessão fiduciária à recuperação judicial ou, ainda, a instituição das mais variadas categorias de credores (ultrapassando as restritas categorias de credores instituídas por lei), desde que ao final do processo haja mais ganhadores que perdedores. No entanto, a máxima de que a recuperação judicial deve ser implementada e aprovada a qualquer custo, porque com a falência ninguém ganha, não mais prevalece.

Notícias recentes dão conta de que os pedidos de falência tiveram significativo aumento de 57,3% e as recuperações judiciais de 78,6% em relação ao mês de fevereiro de 2015, segundo dados do Serasa Experian. Referido aumento dos pedidos de falência e do ajuizamento de recuperações judiciais deve ser analisado com muita cautela, e em conjunto com outros dados, merecendo acompanhamento atento ao longo do exercício de 2015. Em todo o caso, é certo que a crise política e institucional impactou diretamente a atividade econômica, de modo a não restar alternativa para credores e devedores senão a discussão das crises de adimplemento perante o Poder Judiciário.

Felizmente, acreditamos que o Poder Judiciário está preparado para servir de palco para essas discussões, viabilizando o atingimento da comunhão de interesses entre pessoas com interesses tão diferentes. A maior prova disso é que na recente II Jornada de Direito Comercial realizada no auditório do Conselho da Justiça Federal em Brasília em 26 e 27 de fevereiro, restaram aprovados nada menos que dez enunciados exclusivos sobre o tema da “Crise da Empresa”, demonstrando que os advogados, juízes, promotores, acadêmicos e operadores do Direito em geral esperam por muito trabalho nos próximos anos.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria