Trata-se de uma redação na qual aponta o desconforto do profissional do setor jurídico na cobrança de honorários referentes aos seus serviços prestados, inclusive não se esquecendo da incidência e importância da justiça gratuita para os necessitados.

   Atualmente vivemos em um mundo competitivo, onde a busca pela perfeição, pelas conquistas encontram-se presentes em nosso cotidiano.

  Não poderia ser diferente com a advocacia, pois nos últimos anos o aumento da classe foi significante. Uma profissão como as outras, na qual o profissional precisa de uma prestação pecuniária em relação ao seu serviço prestado.

  Ocorre que, com o aumento da classe, muitos profissionais se sentem desconfortáveis ao atribuir o valor do seu serviço, as vezes enseja o medo de perder o cliente, ou até mesmo por relações de afinidades decidem não cobrar.

  É imprescindível que o direito a defesa e o acesso à justiça ambos de forma gratuita, encontram-se previstos na Constituição Federal e em lei específica de acesso à justiça gratuita.

  Devendo o advogado nessas hipóteses respeitar o que a legislação pátria regula. Mais, não esquecendo que para sua mantença e de sua família, precisa atribuir valores sobre seus serviços, valores esses de formas proporcionais, seguindo o que regula a lei 8906/94 (Estatuto da Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil), para que assim, exerça a sua profissão de forma digna perante toda a sociedade.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria