O presente estudo faz uma breve reflexão e análise sobre o inquérito policial no Brasil e as mudanças que a Proposta de Emenda Constitucional n° 37 traria para o cenário inquisitorial brasileiro. Foi buscado também trazer o conceito do inquérito policial.

Breve Noção Introdutória

 Com o panorama da polícia brasileira atualmente, é possível dividi-la em polícia administrativa e judiciária.  Em relação a esta distinção, a primeira é também chamada de polícia preventiva, pois sua função consiste em um conjunto de intervenções da administração, conducentes a impor à livre ação dos particulares a disciplina exigida pela vida em sociedade, a fim de evitar que atos lesivos aos bens individuais e coletivos se concretizem (MORAES, 2006).  

A polícia administrativa é regida pelo Direito Administrativo, revelando, assim, o porquê de seu caráter preventivo.  O que diferencia as duas categorias de polícia é que a administrativa se predispõe unicamente a impedir ou paralisar atividades antissociais, enquanto a segunda se preordena à responsabilização dos violadores da ordem jurídica (MELO, 2004). Essa categoria é representada pela Polícia Militar.

A Polícia Judiciária, no entanto, tem sua atuação regida, principalmente  pelo Código de Processo Penal. Em sua atuação, predomina o caráter repressivo, pois sua principal função é punir os infratores das leis penais. De acordo com seu próprio nome, a Polícia Judiciária atua em auxílio à Justiça, apurando as infrações criminais e as respectivas autorias. Para melhor elucidar, seu desempenho consiste em uma atividade policial ostensiva, mas acima de tudo investigatória, cuja função se volta a colher provas para o órgão acusatório e, na essência, para que o Judiciário avalie no futuro (NUCCI, 2005). Essa categoria é representada pela Polícia Federal e Polícia Civil.

O Inquérito Policial

No Brasil, o inquérito policial é regido pelo Código de Processo Penal.  Por definição, o inquérito policial é um procedimento preparatório da ação penal, de caráter administrativo, conduzido pela polícia judiciária e voltado à colheita preliminar de provas para apurar a prática de uma infração penal e sua autoria. Seu objetivo precípuo é a formação da convicção do representante do Ministério Público, mas também a colheita de provas urgentes, que podem desaparecer, após o cometimento do crime. Também serve à composição das indispensáveis provas pré-constituídas que servem de base à vítima, em determinados casos, para a propositura da ação penal privada (NUCCI, 2008).

 O inquérito policial caracteriza-se por ser um processo inquisitivo, pois as funções estão concentradas em uma única pessoa, no caso, o delegado de polícia. É também um processo discricionário, já que existe uma margem de atuação do delegado, o qual atuará de acordo com sua conveniência e oportunidade. Qualifica-se ainda, como um processo sigiloso, regido pelo princípio do sigilo natural, cuja razão de ser se define na eficiência das investigações e no resguardo da imagem do investigado (CAPEZ, 2007). 

Ainda no âmbito de suas características, o inquérito policial é um processo escrito, pois os elementos informativos produzidos oralmente devem ser reduzidos a termo. Por fim, é indisponível, já que a autoridade policial não pode arquivar o inquérito policial, apenas cabe ao delegado sugerir o arquivamento, enquanto que essa medida efetiva cabe ao Ministério Público, e dispensável, segundo art. 12 do CPP (CAPEZ, 2007).

 Apesar do que foi dito anteriormente sobre as características principais do inquérito policial, este se encontra muito debatido e problematizado no cenário atual, visto que o que se esperava do processo, na verdade, está abrindo espaço para a justificação de muitos abusos, violências e violação de direitos.

 Muito se fala de que o inquérito policial é moroso, incompleto, fonte de corrupção e causa descrédito à justiça criminal, por ser instrumento que vulnera direitos constitucionais. Fala-se ainda da ausência de controle do inquérito policial, onde muitas vezes há a obtenção de provas e depoimentos por meios não legais, alguns chegando a ser torturantes. Além disso, o cenário brasileiro ainda apresenta muitos casos em que o próprio investigado não possui acesso a um advogado e não é avisado dos seus direitos, direitos estes previstos na Constituição Federal e que muitas vezes é passado de forma omissa durante a fase de investigação e inquérito (MAIA, 2006).

Falta fiscalização, falta controle, falta preparação e capacitação dos próprios policiais e funcionários. Os juízes apontam para a demora e a pouca confiabilidade do material produzido pela polícia, não servindo como elemento de prova na fase processual. Os promotores reclamam da falta de coordenação entre a investigação e as necessidades de quem, em juízo, vai acusar. O inquérito demora excessivamente e nos casos mais complexos, é incompleto, necessitando novas diligências, com evidente prejuízo à celeridade e à eficácia da persecução. Por outro lado, os advogados insurgem-se, com muita propriedade, da forma inquisitiva como a polícia comanda as investigações, negando um mínimo de contraditório e direito de defesa, ainda que assegurados no art.5º, LV da Constituição, mas desconhecidos em muitas delegacias brasileiras. No meio policial, ainda domina o equivocado entendimento de que a Constituição é que deve ser interpretada restritivamente, para adaptar-se ao modelo previsto no CPP (de 1941), e não ao contrário, com o CPP adaptando-se a nova ordem constitucional.

Proposta de Emenda n° 37

A Proposta de Emenda n° 37, apresentada pelo deputado Lourival Mendes, visava incluir o seguinte parágrafo na redação do art. 144 da Constituição Federal de 1988: “A apuração das infrações penais de que tratam os §§ 1º e 4º deste artigo, incumbem privativamente às polícias federal e civis dos Estados e do Distrito Federal, respectivamente”.

A justificativa apresentada pelo autor da PEC ressaltava que não há prejuízo para a investigação criminal em comissões parlamentares de inquérito (CPIs), o que é garantido por um outro dispositivo presente na Carta Magna. O Deputado, ao elaborar este projeto, evocou o livro do desembargador aposentado Alberto José Tavares da Silva, para quem "a investigação de crimes não está incluída no círculo das competências legais do Ministério Público", levando diversos processos a serem questionados nos tribunais superiores.

Nesse sentido, caso a referida PEC fosse aprovada, caberia exclusivamente à polícia judiciária a investigação policial, assim como o inquérito policial. A mudança visível com a alteração deste dispositivo seria a proibição de investigações realizadas pelo Ministério Público, o qual realiza a maior parte das mesmas atualmente.

O Ministério Público é instituição permanente, caracterizada como essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. É regido pelo arts. 127 ao 130, da Constituição Federal de 1988. Como principal tarefa do Ministério Público, cabe-lhe, exclusivamente, a promoção de ações penais públicas e inquéritos civis.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, apenas 11% das ocorrências sobre crimes comuns são convertidos em investigações policiais e, no caso dos homicídios, somente 8% são apurados. Assim, torna-se claro que, com a aprovação da PEC n°37 aprovada, seria visível a queda de apurações criminais no Brasil.

Referências

ALMEIDA DUARTE, Leonardo. “Uma breve análise sobre o inquérito policial brasileiro”. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12936>. Acesso em 07 jun 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.html>. Acesso em 07 jun 2014.

CAPEZ, Fernando. Curso de processo penal. 14 ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2007.

LOPES JÚNIOR, Aury. A (de)mora jurisdicional no processo penal: o direito a um processo sem dilações indevidas. Revista de Estudos Criminais, Porto Alegre , v.4, n.15 , p. 65-86, jan. 2004.

MAIA, Luciano Mariz. Do Controle judicial da tortura institucional no Brasil hoje à luz do direito internacional dos direitos humanos. 1 ed. Recife, 2008.

MELLO, Celso Antônio Bandeira. Curso de Direito Administrativo. 17. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo Penal. 17ª Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo e Execução Penal. 2ª tiragem. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 5ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008. p. 143

SILVA, Alberto José Tavares da. Investigação Criminal: Competência. 1ª ed. São Luís, 2007.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Manual de Processo Penal. 9ª ed. São Paulo: Saraiva, 2007.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria