Os militares, mesmo os temporários e os de carreira que não tenham atingido a estabilidade, não podem ser licenciados das Forças Armadas quando, durante o tempo em que estão servindo a elas, forem acometidos por doenças ou lesões

Embora o Estatuto dos Militares esteja vigendo há quase trinta e cinco anos, poucos brasileiros conhecem os direitos ali dispostos e se sujeitam a serem licenciados das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), sem qualquer benefício social, após serem acometidos por doença ou lesão, durante o tempo de serviço militar.

Os militares, mesmo os temporários e os de carreira que não tenham atingido a estabilidade, não podem ser licenciados das Forças Armadas quando, durante o tempo em que estão servindo a elas, forem acometidos por doenças, ainda que estas não tenham relação de causa e efeito com as atividades militares, ou sofram lesões, sendo que estas precisam ter esse nexo de causalidade, incluindo-se aí as lesões decorrentes de acidentes ocorridos no itinerário entre a residência do militar e o quartel em que ele serve, ou vice-versa.

O militar acometido por doença ou lesão, nas hipóteses acima descritas, deve ser submetido a tratamento de saúde e, caso após um ano de tratamento contínuo, não restabeleça a mesma condição de saúde de quando foi incorporado, deverá passar à condição de agregado, ficando adido à organização militar a que pertence, ou a outra que lhe for designada para facilitar o seu tratamento. Nessa condição de agregado, o militar não cumprirá expediente e permanecerá adido, apenas para efeitos de tratamentos, remuneração e alterações, ou seja, nenhum direito social ser-lhe-á retirado.

Na hipótese de, após dois anos de tratamento contínuo de saúde, a doença ou a lesão não regredir, o militar será reformado, ainda que a morbidade seja curável, com qualquer tempo de serviço.

O militar é dito incapaz, caso a doença ou lesão o incompatibilize apenas para as atividades militares e, por isso, fará jus à reforma com vencimentos do mesmo posto ou graduação que ocupava quando no serviço ativo.

O militar é considerado inválido quando a doença ou a lesão que o acomete o proíbe ou dificulta consideravelmente que ele desenvolva atividades militares e civis. Nesse caso, o militar deverá ser reformado com vencimentos do grau hierárquico imediato ao que ocupava quando no serviço ativo, além do que, terá direito à isenção do Imposto de Renda e, caso necessite de cuidados permanentes de enfermagem, fará jus ao auxílio invalidez.

As doenças causadoras de mera incapacidade podem ser consideradas graves e causadoras de invalidez por equiparação, ou seja, em princípio não teriam essa natureza, porém, em razão do estado pessoal e debilitado do doente, ou pelo estágio em que a doença ou lesão se encontra, limitam-no para o desempenho de atividades militares e civis, sendo que, no caso dos portadores de AIDS, a invalidez é presumida, sendo desnecessário que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida seja sintomática, para que o militar faça jus à reforma com vencimentos do grau hierárquico imediato, com a isenção do Imposto de Renda.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria