Texto que aborda o "direito de imagem e sua reparação", o qual pautou-se em um precedente oriundo do TRT/RJ da 1ª Região, envolvendo a Editora Abril e o Sport Club Corinthians Paulista

Em decisão proferida pela 8ª Turma do E. TRT/RJ da 1ª Região, datada de 24.2.2015, de relatoria da Desembargadora Federal do Trabalho Maria Aparecida Coutinho Magalhães, a Editora Abril e o Sport Club Corinthians Paulista foram condenados a pagar R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), a título de danos morais, a um ex-jogador de futebol que teve sua imagem veiculada sem autorização em um álbum de figurinhas. Importante salientar que, assim como outros que versam sobre a mesma temática, tal precedente é oriundo da tese firmada no âmbito da jurisprudência, no sentido de que “Independe de prova do prejuízo a indenização pela publicação não autorizada de imagem de pessoa com fins econômicos ou comerciais” (Súmula nº 403 do Superior Tribunal de Justiça – STJ). Isso porque a imagem das pessoas, e aqui se inclui a de todo e qualquer trabalhador, é atributo inviolável, sendo assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano moral pelo seu uso indevido e não autorizado (CF/88, art. 5º, V e X). No caso do atleta de futebol, inclusive, há previsão específica quanto à forma do uso de sua imagem, nos termos da atual redação do art. 87-A da “Lei Pelé” (Lei nº 6.015/1998, alterada pela Lei nº 12.395/2011). De resto, o Código Civil, em seu art. 11 e seguintes, igualmente tutela o aludido direito, considerando-o personalíssimo, intransmissível e irrenunciável pelo seu titular. Quanto à indenização por danos morais, registre-se que esta independe de comprovação de efetivo prejuízo para a sua aferição, apresentando-se como dano “in re ipsa”, sendo que, para fins de sua fixação, não mais se utilizam dos parâmetros objetivos previstos na Lei de Imprensa e no Código Brasileiro de Telecomunicações (Súmula nº 281 do Superior Tribunal de Justiça – STJ). Recomenda-se, para tanto, dentre outros critérios, que o Magistrado considere a gravidade do dano e sua extensão; a reprovabilidade social da conduta e sua repetição; a capacidade financeira do ofensor e a condição pessoal da vítima; o efeito pedagógico e o caráter não punitivo da sanção, como medida a se evitar o enriquecimento sem causa - tudo em conformidade com os preceitos constitucionais da razoabilidade e da proporcionalidade. Por fim, tratando-se de condenação por danos morais, a jurisprudência pacificou o entendimento quanto à atualização da correção monetária, a qual incide a partir da data de seu arbitramento ou alteração de seu valor, em eventual recurso (Súmula n° 362 do Superior Tribunal de Justiça – STJ c/c Súmula nº 439 do Tribunal Superior do Trabalho - TST).


Autor

  • Ricardo Souza Calcini

    Professor de Direito do Trabalho em Cursos Jurídicos e de Pós-Graduação. Instrutor de Treinamentos “In Company”. Palestrante em Eventos Corporativos. Mestrando em Direito do Trabalho pela PUC/SP. Pós-Graduado em Direito Processual Civil pela EPM do TJ/SP. Especialista em Direito Social pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Assessor de Desembargador e Professor da Escola Judicial no TRT/SP da 2ª Região. Membro do IBDSCJ, da ABDPC, do CEAPRO, da ABDPro, da ABDConst, do IDA e do IBDD.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria