Enquadrar a sua empresa no melhor regime de tributação fará com que uma quantia menor de impostos seja paga

Quando o regime de tributação é escolhido com muita atenção seguindo o plano de estratégia da empresa, uma quantia menor de impostos será paga. As pessoas jurídicas de direito privado possuem, basicamente, três regimes tributários à sua disposição, sendo eles o Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Entretanto, em alguns casos, a falta de atenção pode colocar as empresas em uma corda bamba. Nessa linha, deve-se observar que para cada um desses existem regras a serem respeitadas.

No caso do Simples Nacional, o prazo para opção é até o último dia útil de janeiro de cada ano (LC 123/2006 e alterações posteriores). Essa opção é irretratável para todo o ano-calendário e, caso a empresa queira sair desse regime deverá solicitar sua exclusão para o ano-calendário seguinte. No entanto, se durante o ano-calendário em que ela esteja no Simples Nacional, incorrer em algumas das vedações de opção/manutenção no Simples Nacional, ela deverá solicitar sua exclusão. Ocorrendo esse fato, teremos de Janeiro até o mês em que ocorreu a situação impeditiva a tributação pelo Simples Nacional e do mês seguinte até dezembro, pelas regras do Lucro Presumido ou Real, por escolha da empresa.

Ainda em relação ao Simples Nacional há que observar que se a empresa ultrapassar o limite de R$ 3.600.000,00, mas não ultrapassar o limite de 20% a mais (R$ 4.320.000,00), ficará no regime até dezembro sob prorrogação, pagando uma alíquota majorada em 20% e, a partir de janeiro do ano seguinte, ela deverá comunicar sua saída do Simples. Se durante o ano essa ultrapassar em mais de 20% do limite, ela deverá comunicar naquele mês a sua saída do Simples, passando a pagar pelo Lucro Presumido ou Lucro Real a partir do mês seguinte. 

Tratando-se do regime de tributação com base no lucro presumido, a pessoa jurídica que iniciar atividades a partir do segundo trimestre manifestará a opção com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido relativa ao período de apuração do início de atividade, sendo irretratável para o ano-calendário (Lei nº 9.718, de 1998, art. 13, § 1º), aplicando-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural. Poderão optar pelo regime as empresas que, no ano-calendário anterior, tenham auferido receita bruta total igual ou inferior a R$ 78.000.000,00 ou a R$ 6.500.000,00, multiplicado pelo número de meses de atividade do ano-calendário anterior, quando inferior a 12 (doze) meses, respeitadas às demais situações previstas na legislação em vigor (Art. 14 da Lei 9.718/98; Lei 12.814/2013).

Já a opção pelo regime de tributação com base no lucro real será manifestada com o pagamento do imposto correspondente ao mês de janeiro, se for apuração anual, ou do primeiro trimestre, se apuração for trimestral. (Art. 222 do Decreto 3.000/99 (RIR/99), também sendo irretratável para todo o ano-calendário. (Art. 232 do Decreto 3.000/99 – RIR/99). Deve-se observar que existem empresas obrigadas a opção pelo Lucro Real, sendo aquelas que auferirem o limite de receita bruta anual de R$ 78 milhões no ano anterior, ou proporcional a R$ 6.500.000,00 vezes o número de meses, quando o período for inferior a 12 meses. Contudo, tal obrigação não tira o direito das empresas não obrigadas de se enquadrar nessa forma de tributação.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria